A construção de um programa de assistência familiar em um Hospital-Dia psiquiátrico: desafios e potencialidades

Carla Guanaes Lorenzi, Marcus Vinicius Santos, Fabiana S Brunini, Sérgio Ishara, Sandra M.C. Tofoli, Eliana M. Real

Resumo


Esse artigo tem por objetivo discutir desafios e potencialidades da construção de um programa de assistência familiar em um Hospital­-Dia Psiquiátrico. Para tanto, apresentamos algu­mas práticas voltadas ao cuidado e a inclusão da família no tratamento ao portador de doença mental que vêm sendo desenvolvidas nesse contexto, tendo como base as contribuições do movimento construcionista social em Psicologia. A partir disso, discutimos como a adoção de posturas construcionistas têm permitido à equipe a revisão de conceitos e posicionamentos, favo­recendo reflexões acerca das implicações do uso dos discursos da doença mental e do profissional como especialista no cuidado à família.


Palavras-chave


terapia de família, grupos, saúde mental, construcionismo social

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (1999). Processos reflexi¬vos. (R.M. Bergallo, Trad.). Rio de Janeiro: Instituto Noos / ITF.

Anderson, H. (2009). Conversação, lin¬guagem e possibilidades. (M.G. Ar¬mando, Trad.). Rio de Janeiro: Roca.

Bakhtin, M.M. (1997). Marxismo e fi¬losofia da linguagem (8ª ed.). (M. Lahud & Y. F. Vieira, Trad.). São Paulo: Hucitec.

Barros, J.A.C. (2002). Pensando o pro¬cesso saúde doença: a que responde o modelo biomédico?. Saúde soc., 11 (1), 67-84.

Bezerra, B., Jr. (2007). Desafios da re¬forma psiquiátrica no Brasil. PHY¬SIS: Rev. Saúde Coletiva, 17 (2), 243- 250.

Caliman, L.V. (2009). A constituição só¬cio-histórica do “fato TDAH”. Psico¬logia e Sociedade, 21 (1), 135-144.

Cecchin, G. (1998). Construindo pos¬sibilidades terapêuticas. In: S. Mc¬Namee & K. Gergen (Orgs). A te¬rapia como construção social. (C.O. Dornelles, Trad.). Porto Alegre: Ar¬tes Médicas.

De Leon, G. (2003). A Comunidade Te¬rapêutica: teoria, modelo e método. (C. A. Bárbaro, Trad.). São Paulo: Edições Loyola.

Delgado, P.G. (1992). As razões da tu¬tela: psiquiatria, justiça e cidadania do louco no Brasil. Rio de Janeiro: Te Corá Editora.

Gergen, K.J. (1985). The social con¬structionist movement in modern psychology. American Psychologist, 40, 266-275.

Gergen, K. J. (1997). Realities and re¬lationships: soundings in social construction. (2nd ed.) Cambridge: Harvard University Press.

Gergen, K.J, & Gergen, M. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Gergen, K.J., & McNamee, S. (2010). Do discurso sobre a desordem ao diálogo transformador. (A. Sampaio, Trad.). Nova Perspectiva Sistêmica, 38, 47- 62.

Grandesso, M. (2000). Sobre a recons¬trução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Guanaes, C. (2006). A construção da mudança em terapia de grupo: um enfoque construcionista social. São Paulo: Vetor.

McNamee, S. (1998). A reconstrução da identidade: a construção comum da crise. In: S. McNamee & K. Gergen (Orgs). A terapia como construção social. (C.O. Dornelles, Trad.). Por¬to Alegre: Artes Médicas.

McNamee, S. (2004a). Social construc¬tion as practical theory: lessons for practice and reflection in psycho¬therapy. In: D. Pare & G. Larner (Eds.). Collaborative practice in psychology and therapy. New York: Haworth.

McNamee, S. (2004b). Promiscuity in the practice of family therapy. Jour¬nal of Family Therapy, 26, 224–244.

McNamee, S., & Gergen, K. (1998). A te¬rapia como construção social. (C.O. Dornelles, Trad.). Porto Alegre: Ar¬tes Médicas.

Ministério da Saúde do Brasil. (2005). Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental no Brasil – Conferên¬cia Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, 07 a 10 de novem¬bro de 2005.

Pessotti, I. (1994). A loucura e as épo¬cas. São Paulo: Editora 34.

Pegoraro, R.F., & Caldana, R.H.L. (2006). Sobrecarga de familiares de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Psicol. estud., 11(3), 569-577.

Pereira, M.A.O., & Pereira, A., Jr. (2003). Transtorno mental: dificul¬dades enfrentadas pela família. Rev Esc Enferm USP, 37(4), 92-100.

Rosa, L. (2011). Transtorno mental e o cuidado na família. São Paulo: Cor¬tez.

Seikulla, J., Alakare, B., & Aaltonen, J. (2007). Diálogos abertos em psico¬se, parte 1: introdução e relato de caso. Nova perspectiva sistêmica, 27, 20-36.

Shotter, J. (1989). Social accountability and the social construction of ‘you’. In: J. Shotter & K.J. Gergen (Eds.). Texts of identity. London: Sage.

Shotter, J. (2000). Conversational re¬alities: constructing life through language. In: Inquiries in social con¬struction. London: Sage.

Spink, M.J.P., & Medrado, B. (1999). Produção de sentidos no cotidia¬no: uma abordagem teórico-meto¬dológica para análise das práticas discursivas. In: M.J. Spink (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez.

Stewart, J., & Zediker, K. (2002). Dia¬logue as tensional, ethical practice. Southern Communication Journal, 65(2/3), 224-242.

Teixeira, M.O.L. (1993). O cristal de vá¬rias faces: a psicanálise, o campo de saber psiquiátrico e o modelo das co¬munidades terapêuticas. Dissertação de mestrado, Instituto de Psiquia¬tria da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Vygotsky, L.S. (2005). Pensamento e lin¬guagem. (3ª ed). São Paulo: Martins Fontes.

White, M., & Epston, D. (1990). Medios narrativos para fines terapéuticos. Buenos Aires: Paidós.

Wittgenstein, L. (1999). Investigações filosóficas. (Coleção Os Pensadores). (J.C. Bruni, Trad.). São Paulo: Nova Cultural.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia