A Escultura Familiar: Aplicações Terapêuticas nas Terapias Sistémicas

Palavras-chave: escultura da família, terapia familiar, narrativa, emoção, mudança

Resumo

A técnica da Escultura Familiar é uma forma de representar as relações entre elementos através da sua colocação no espaço. É um processo não verbal, dinâmico, simbólico e ativo. A escultura familiar tem como objetivo expressar perceções, sentimentos, emoções e narrativas através de imagens e introduzir mudanças nas histórias e nas interações familiares. Realiza-se nas fases de avaliação e no curso da terapia. A família do passado, do presente, do futuro, a família ideal/desejada e outras como a escultura do segredo/assunto não revelado, dos medos, dos desejos, dos sonhos, dos lutos e das forças, são alguns exemplos de possíveis esculturas com e sobre a família. A escultura desenvolve-se em 5 estádios: instrução, realização da escultura, esculturas com movimento, feedback e reenquadramento/comentário. Enquadrada segundo uma epistemologia pós-moderna a escultura evidencia narrativas dominantes, faz emergir narrativas subdominantes e permite a mudança histórica e das relações e interações familiares através da experiência e não dos discursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Sequeira, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra

Professora Auxiliar Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra Portugal. PhD em Psicologia Clínica, Psicóloga Clínica, Terapeuta Familiar e de Casal. Docente Supervisora da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar.

Publicado
2021-04-28
Como Citar
Sequeira, J. (2021). A Escultura Familiar: Aplicações Terapêuticas nas Terapias Sistémicas. Nova Perspectiva Sistêmica, 29(68), 19-30. https://doi.org/10.38034/nps.v29i68.525
Seção
Artigos