A construção da parentalidade após a dissolução conjugal e as oficinas de parentalidade

Palavras-chave: divórcio, parentalidade, relações familiares, família.

Resumo

O presente estudo é uma pesquisa qualitativa que tem por objetivo descrever as percepções de pais e filhos que participaram das Oficinas de Parentalidade acerca da construção do exercício da parentalidade após a dissolução conjugal e as reverberações da participação nas oficinas em suas relações. O método utilizado foi o de estudo de casos múltiplos. Integraram este estudo três famílias compostas por pais, mães e filhos biológicos que participaram da Oficina de Parentalidade em uma cidade do interior de Minas Gerais. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se entrevistas semiestruturadas para pais e filhos. Os dados foram analisados segundo a técnica de análise de conteúdo. Pôde-se perceber o caráter emaranhado das relações conjugais e parentais e, também, a forma como a naturalização de papeis maternos e paternos repercute na construção da parentalidade, favorecendo conflitos de lealdade principalmente nas famílias que vivenciam processos litigiosos. Há um grande esforço tanto de pais quanto de filhos para se adaptarem às mudanças advindas da separação, sendo a Oficina de Parentalidade um importante instrumento de suporte às famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liniker Douglas Lopes da Silva, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba/MG, Brasil
Cibele Alves Chapadeiro, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Doutora pelo Programa de Psicologia Experimental no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba, MG, Brasil.
Luciana Maria da Silva, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Doutora em Psicobiologia. Professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva da UFTM, Uberaba/MG, Brasil.

Referências

Bardin, L. (2011) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bordoni, J. D. Á. & Tonet, L. (2016). As oficinas de pais e filhos como instrumento para coibir a alienação parental. Themis: Revista da Esmec, 14, 105-120.

Bowen, M. (1989). La terapia familiar en la práctica clínica. Vol. I – Fundamentos teóricos. Bibão: Editorial Desclee de Brouwer.

Brasil, Ministério da Justiça, Conselho Nacional de Justiça. (2015). Oficina de Pais e Filhos. Cartilha do Instrutor.

Brito, M. M. & Silva, A. A. B. (2017). A mediação familiar e o fim do relacionamento conjugal: o problema do acesso à justiça e a experiência das oficinas de parentalidade. Revista de Formas Consensuais de Solução de Conflitos, 3(2), 19-36.

Catenace, R. V. & Scapin, A. L. (2018). Síndrome da alienação parental: efeitos psicológicos gerados na tríade familiar pela síndrome da alienação parental. Revista Uningá Review, 28(1), 70-77.

Chapadeiro, C. A., Serralha, C. A., & Hueb, M. F. D. (2017). Questões de família. Curitiba: CRV.

Cúnico, S. D. & Arpini, D. M. (2014). Não basta gerar, tem que participar?: um estudo sobre a ausência paterna. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(1), 226-241.

Ferreira, A. D. V., Montanher, A. R. P., Mariano, F. N., Duarte, G. L., & Felipe, S. S. R. (2018). Tempo de convivência entre pais e filhos: reflexões sobre a parentalidade residencial compartilhada. Pensando Famílias, 22(2), 88-104.

Gorin, M. C., Mello, R., Machado, R. N., & Féres-Carneiro, T. (2015). O estatuto contemporâneo da parentalidade. Revista da SPAGESP, 16(2), 3-15.

Hameister, B. D. R., Barbosa, P. V., & Wagner, A. (2015). Conjugalidade e parentalidade: uma revisão sistemática do efeito spillover. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(2), 140-155.

Juras, M. M. & Costa, L. F. (2018). Uma proposta de atendimento psicossocial grupal com pais e mães separados. Interação em Psicologia, 22(2), 133-138.

Kostulski, C. A. & Arpini, D. M. (2018). Guarda compartilhada: As vivências de filhas adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 696-710.

Kostulski, C. A., Christofari, G. C., Bloss, G. M., Arpini, D. M., & Paraboni, P. (2017). Coparentalidade em famílias pós-divórcio: uma ação desenvolvida em um núcleo de práticas judiciárias. Pensando Famílias, 21(2), 105-117.

Lamela, D. & Figueiredo, B. (2016). Coparenting after marital dissolution and children's mental health: a systematic review. Jornal de Pediatria, 92(4), 331-342.

Leite, D. E. M. & Oliveira Neta, M. R. (2016). Síndrome da alienação parental-SAP: o Resultado de uma guerra familiar. Direito & Realidade, 4(2), 46-71.

McGoldrick, M., Gerson, R., & Petry, S. (2012). Genogramas: avaliação e intervenção familiar (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Minuchin, P., Colapinto, J., & Minuchin, S. (1999). Trabalhando com famílias pobres. Rio de Janeiro: Artmed.

Mota, C. P. (2016). Individuação e coping em adolescentes de famílias tradicionais e divorciadas. Temas em Psicologia, 24(3), 1115-1128.

Nüske, J. P. F. & Grigorieff, A. G. (2015). Alienação parental: complexidades despertadas no âmbito familiar. Pensando Famílias, 19(1), 77-87.

Oliveira, J. L. A. P. & Crepaldi, M. A. (2018). Relação entre o pai e os filhos após o divórcio: revisão integrativa da literatura. Actualidades en Psicología (Current Trends in Psychology), 32(124), 91-109.

Ponciano, E. L. T. & Féres-Carneiro, T. (2017). Conjugalidade, parentalidade e separação: repercussões no relacionamento pais e filhos(as). Psicologia em Estudo, 22(2), 277-287.

Rapizo, R. (2014). Espaço de conversas sobre o divórcio: a diferença de posicionamento como recurso para transformação. Nova Perspectiva Sistêmica, 23(50), 32-50.

Rossato, L. & Ferreira, C. B. (2017). Apontamentos sobre o grupo familiar nas perspectivas psicanalítica e sistêmica. In C. A. Chapadeiro, C. A. Serralha, & M. F. D. Hueb. (Orgs.). Questões de família (pp. 15-25). Curitiba: CRV.

Schneebeli, F. C. F. & Menandro, M. C. S. (2014). Com quem as crianças ficarão? Representações sociais da guarda dos filhos após a separação conjugal. Psicologia & Sociedade, 26(1), 25-36.

Silva, I. T. O. & Gonçalves, C. M. (2016). Os efeitos do divórcio na criança. Psicologia. pt. 1-14.

Silva, L. M., Aragão, A. S., Silva, L. C. C. M., Julião, C. H., Lavor, M. D. D., Chagas, L. M. et al. (2015). Oficinas de parentalidade. Participação, 27, 18-28.

Silva, L. D. L., Chapadeiro, C. A., & Assumpção, M. C. (2019). O exercício da parentalidade após a dissolução conjugal: uma revisão integrativa. Pensando famílias, 23(1), 105-120.

Silva, L. O., Oliveira, L. R. R. C., Soares, L. C. E. C., & Rapizo, R. L. (2018). Diálogos com pais e mães separados: grupos reflexivos no sistema de justiça. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(62), 88-108.

Tavares, M. (2010). A entrevista clínica. In J. A. Cunha. (Org.), Psicodiagnóstico (p. 45-56). Porto Alegre: Artmed.

Turato, E. R. (2011). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa (3a ed.). Petrópolis: Vozes.

Utida, F. M. M. & Santos, J. R. O. (2016). A família sob o olhar da alienação parental. Revista Uningá Review, 28(2), 104-112.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
da Silva, L. D. L., Chapadeiro, C. A., & da Silva, L. M. (2020). A construção da parentalidade após a dissolução conjugal e as oficinas de parentalidade. Nova Perspectiva Sistêmica, 29(66), 87-100. https://doi.org/10.38034/nps.v29i66.519
Seção
Artigos