A CONJUGALIDADE DIANTE DO ENFRENTAMENTO DE MÚLTIPLOS ESTRESSORES: UM ESTUDO DE CASO SOBRE UMA TERAPIA DE CASAL INVOLUNTÁRIA

Palavras-chave: relacionamento conjugal, acolhimento institucional, violência doméstica, estressores

Resumo

Neste artigo, investigou-se a experiência da conjugalidade em um contexto de múltiplos estressores. Realizou-se um estudo de caso do qual participou um casal que iniciou o processo terapêutico por recomendação da instituição em que seus filhos se encontravam acolhidos. Os dados foram submetidos a uma análise narrativa e discutidos a partir da abordagem sistêmica, com o intuito de compreender a dinâmica relacional do casal e refletir sobre estratégias e intervenções a serem utilizadas nesse contexto. Destacaram-se as dificuldades enfrentadas pela sobreposição de múltiplos estressores, como uso abusivo de álcool e drogas, violência doméstica e acolhimento dos filhos. Destaca-se a necessidade de uma abordagem terapêutica contextualizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Dóris Silva, Universidade do Porto

Doutoranda em Psicologia na Universidade do Porto - Portugal, Mestre em Psicologia - Universidade Católica de Brasília - UCB (2015), Especialista em Dependências, Abusos e Compulsões - Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo - FACIS (2012), Especialização Profissional em Psicologia Junguiana - Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo - FACIS (2015), Especialização em Terapia Familiar e de Casais - Instituto de Intervenção Psicossocial - INTERPSI, em convênio com a Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUG-GO (2017), Graduação em Psicologia - Universidade Paulista - UNIP (2009). Atua na área da Psicologia Clínica prestando atendimento individual para adolescentes e adultos, Casal e Família. Também presta atendimento clínico individual, familiar e casais, para pessoas com problemas relacionados ao uso abusivo de substâncias psicoativas. Tem experiência na elaboração, coordenação e supervisão de trabalho com equipe multidisciplinar para tratamento de dependência química em Comunidades Terapêuticas.

Isabela Machado da Silva, Universidade de Brasília

Psicóloga. Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), tendo realizado seu período de doutorado sanduíche no Programa de Counselling Psychology da University of British Columbia (UBC). Professora adjunta do Departamento de Psicologia Clínica e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura (PPG-PsiCC) da Universidade de Brasília (UnB). Seus principais temas de pesquisa abrangem relações conjugais, relações familiares, terapia familiar e conjugal, reprodução assistida

Referências

Referências

Andolfi, M. (1995). Crise do Casal e Família Trigeracional. Em. Andolfi, M. , Angelo, C & Saccu, C. (1995). O casal em Crise. Summus Editorial. São Paulo. SP.

Angelo, C. (1995). A Escolha do Parceiro. Em Andolfi, M. , Angelo, C & Saccu, C. (1995). O casal em Crise. Summus Editorial. São Paulo. SP.

Azôr, A. M. G. C. C., & Vectore, C. (2008). Abrigar/desabrigar: conhecendo o papel das famílias nesse processo. Estudos de Psicologia.(Campinas), 25(1), 77-89. Recuperado de: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=ADOLEC&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=480705&indexSearch=ID.

Calvo, V. G. (2004). Famílias multiproblemáticas, dificuldades de abordaje. Trabajo Social 6, 145-156. Revista del Departamento de Trabajo Social, Facultad de Ciencias Humanas, Universidad Nacional de Colombia. Recuperado de: http://search.proquest.com/openview/c540a7391c2d443c15a0532338b12215/1?pq-origsite=gscholar&cbl=2035753.

Cancrini, L., de Gregorio, F., & Nocerino, S. (2010). Las familias multiproblemáticas. In: Coletti, M., & Linares, J. L. (1997). La intervención sistémica en los servicios sociales ante la familia multiproblemática: la experiencia de Ciutat Vella, 72 (pp. 45-82). Grupo Planeta (GBS) Madrid. Paidós.

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Conselho Nacional de Saúde. Recuperado de: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de Pesquisa – métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre. RS. Artmed.

Dias, A. S. F & Neves, A. S. (2014). A Constituição do Vínculo Conjugal Violento: Estudo de Caso. Vinculo - Revista do Núcleo em Saúde Mental e Psicanálise das Configurações Vinculares. 11(1). p. 8-15. Uberaba. MG. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902014000100003.

Diniz, G. (2011). Conjugalidade e violência: reflexões sob uma ótica de gênero. Em Féres-Carneiro, T (org.). (2011). Casal e Família - conjugalidade, parentalidade e psicoterapia (pp. 11-26). São Paulo. SP. Casa do Psicólogo.

Diniz, G. R. S. & Alves, C. O. (2014). Gênero, conjugalidades e violência: uma proposta de intervenção sistêmica-feminista. Em Stevens, C. M. T., Oliveira, S. R. D., & Zanello, V. Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas (pp. 161-175). Editora Mulheres. Florianópolis. SC.

Falcke, D., & Wagner, A. (2011). A violência na conjugalidade: possibilidades de intervenção. Em Féres-Carneiro (Org.). Casal e Família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia, (pp. 149-157). São Paulo. SP. Casa do Psicólogo.

Falcke, D., Wagner, A., & Mosmann, C. (2013). Estratégias de resolução de conflito e violência conjugal. Em Féres-Carneiro (Org.). Casal e Família: transmissão, conflito e violência, (pp.159-176) São Paulo. SP). Casa do Psicólogo.

Féres-Carneiro, T. (2003). Construção e Dissolução do laço conjugal na psicoterapia de casal. Em Féres-Carneiro, T. (Org). Família e Casal - arranjos e demandas contemporâneas (pp. 201-274) Rio de janeiro. Editora PUC.

Ferreira, S. (2014). Famílias sem rumo: da institucionalização à reunificação familiar - qual o papel da terapia familiar. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente (6)1 52-52. Lisboa. PT. Recuperado de: http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/rpca/article/view/1970.

Golin, G., & da Cruz Benetti, S. P. (2013). Acolhimento precoce e o vínculo na institucionalização. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29(3), 241-248. Recuperado de: https://revistaptp.unb.br/index.php/ptp/article/view/298.

Gómez, E., Muñoz, M. M., & Haz, A. M. (2007). Famílias multiproblemáticas y en riesgo social: características e intervención. Psykhe. 16(2), 43-54. Recuperado de: http://www.scielo.cl/scielo.php?pid=S0718-22282007000200004&script=sci_arttext.

Guimarães, F. L., Costa, L. F., Pessina, L. M. & Sudbrack, M. F. O. (2009). Famílias, adolescência e drogadicção. In.: Osório, L. C. & Valle, M. E. P. (2009). Manual de Terapia Familiar. Vol. I. Artmed Editora. Porto Alegre. RS.

Kreston, M. A. Jo-Ann, C. A. C. & Bepko, C., M. S. W., (1995). Problemas de Alcoolismo e Ciclo de Vida familiar. Em Carter & McGoldrick. As mudanças no ciclo de vida familiar. (pp. 415-439). Reimpressão 2011. Porto Alegre. Artmed.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). Das Informações à Conclusão. Em A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Artmed. UFMG.

Lima, T. C. S., Mioto, R. C. T.; & Dal Prá, K. R. (2007). A documentação no cotidiano da intervenção dos assistentes sociais: algumas considerações acerca do diário de campo. Revista Textos & Contextos. V. 6. N1. P. 94-104. Porto Alegre.

Madsen, W. C. (2010). Terapia Colaborativa com Famílias Multiestressadas. 2ª Edição. Editora Roca. São Paulo. SP.

Marasca, A. R., Colossi, P. M., & Falcke, D. (2013). Violência conjugal e família de origem: uma revisão sistemática da literatura de 2006 a 2011. Temas em Psicologia, 21(1), 221-243.

Martínez, M. R. (2003). La família multiproblemática y el modelo sistémico. Portulária 3. 89-115. Repositório Institucional de La Universidad de Huelva. Espanha. Recuperado de: http://rabida.uhu.es/dspace/handle/10272/151.

Marturano, E. M., & Bolsoni-Silva, A. T. (2010). Procedimentos de avaliação em terapia de casais a partir de múltiplos instrumentos. Temas em Psicologia, 18(1) pp. 31-44, 2010.Recuperado de: http://repositorio.unesp.br/handle/11449/134557.

Minuchin, S. (1990). Famílias: funcionamento & tratamento. Porto Alegre. Artes Médicas.

Minuchin, S., & Nichols, M. O. (1995). O contrato silencioso. Em Minuchin, S & Nichols, M. O. A Cura da Família, (pp. 103). Porto Alegre. RS. Artes Médicas.

Noschang, V., Seibel, B., Henzel, M., Fernandes, C., & Facelto, O. (2014). Associação entre uso parental de drogas e funcionamento familiar e infantil (p.126). Em Anais 4, Congresso Sul-Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, 4. (2014). Gramado. RS. Recuperado de: https://www.cmfc.org.br/sul/article/view/1770/1759.

Organização Mundial de Saúde. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Krug, E. G., Dahlberg, L. L., Mercy, J. A., Zwi, A. B. & Lozano, R. (2002). World report on violence and health (Relatório Mundial sobre violência e saúde). Recuperado de: http://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf.

Paixão, G. P. do N., Gomes, N. P., Diniz, N. M. F., Couto, T. M., Vianna, L. A. C., & dos Santos, S. M. P. (2014). Situações que precipitam conflitos na relação conjugal: o discurso de mulheres. Texto & Contexto Enfermagem, 23(4), 1041-1049. Recuperado de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71433508027.

Penso, M. A. & Moraes, P. J.F. de S. (2016). Reintegração familiar e múltiplos acolhimentos institucionais. Revista Latinoamericana de Ciencias Socialies, Niñez y Juventud, 14(2), pp. 1523-1535. Recuperado de: http://www.scielo.org.co/pdf/rlcs/v14n2/v14n2a44.pdf.

Porreca, W. (2016). A família de origem em terapias de casais. Manuscrito não publicado.

Prati, L. E., Couto, M. C. P. D. P., & Koller, S. H. (2009). Famílias em vulnerabilidade social: rastreamento de termos utilizados por terapeutas de família. Psicologia: teoria e pesquisa. 25(3) 403-408.

Polkinghorne, D. E. (1995). Narrative configuration in qualitative analysis. Qualitative Studies in Education. 8(1), 5-21.

Redondo, J. (2012). Violência On Line. Violência familiar/entre parceiros íntimos: da leitura e compreensão à intervenção em rede. (2012) Violência On-line. pt . Lisboa. PT. Recuperado de http://www.violencia.online.pt/artigos/show.htm?idartigo=405

Rosa, E. M., Nascimento, C. R. R., Matos, J. R., & Santos, J. R. D. (2012). O processo de desligamento de adolescentes em acolhimento institucional. Estudos de Psicologia. 361-368. Natal. RN. . Recuperado de: http://pesquisa.bvsalud.org/enfermeria/?output=&lang=es&from=&sort=&format=&count=&fb=&page=1&q=O+processo+de+desligamento+de+adolescentes+em+acolhimento+institucional.+&index=tw&search_form_submit=Buscar

Santos, L. V., & Costa, L. F. (2004). Avaliação da Dinâmica Conjugal Violenta e suas Repercussões sobre os Filhos. Psicologia: Teoria e Prática. 6(1). 59-72. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872004000100005.

Serralta, F. B., Nunes, M. L. T. & Elzirik, C. L. (2011). Considerações Metodológicas sobre o Estudo de Caso na Pesquisa em Psicoterapia. Revista Estudos de Psicologia. 28(4). Campinas. SP. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2011000400010.

Sousa, L., & Ribeiro, C. (2005). Percepção das famílias multiproblemáticas pobres sobre as suas competências. Psicologia, 19(1-2), 169-191.

Sousa, F. G. M. D., Castro, L. B. D., Nogueira, A. L. A., Silva, I. R., Silva, D. C. M. D., & Amorim, N. M. A. (2014). Significados de família sob o olhar de pais de adolescentes escolares. Rev. RENE, 15(3), 480-490. Recuperado de http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/11614/1/2014_art_fgmsousa.pdf.

Walsh, F. (2005). Sistemas de Crenças: Coração e Alma da Resiliência. Em Walsh, F. Fortalecendo a Resiliência Familiar (pp 43-75). São Paulo. SP. Roca.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre. Bookman Editora.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Silva, A. D., & da Silva, I. M. (2020). A CONJUGALIDADE DIANTE DO ENFRENTAMENTO DE MÚLTIPLOS ESTRESSORES: UM ESTUDO DE CASO SOBRE UMA TERAPIA DE CASAL INVOLUNTÁRIA. Nova Perspectiva Sistêmica, 29(67), 41-55. https://doi.org/10.38034/nps.v29i67.515
Seção
Artigos