ANJOS DE UMA ASA S?: PROCESSOS DE SUPERAÇÃO NA ESQUIZOFRENIA EM UM GRUPO DE AJUDA MÚTUA

  • Anna Meireles Pavarin de Miranda ABRE
  • Fernanda de Almeida Pimentel CAPS infantil Guaianases
  • Cecília Cruz Villares Unifesp e ABRE
Palavras-chave: esquizofrenia, superação, empoderamento, ajuda mútua

Resumo

O estudo narrado neste texto buscou compreender os sentidos atribuídos ao processo de superação a partir da perspectiva dos participantes de um grupo de ajuda mútua para pessoas com esquizofrenia. O estudo, concebido como uma investigação qualitativa de caráter exploratório, foi desenvolvido através de dois encontros em formato de Grupos Focais com oito informantes chave, integrantes do Grupo de Acolhimento de uma Associação de saúde mental. A análise de conteúdo gerou vinte temas que foram agrupados em três categorias: Relações Interpessoais, Construção Coletiva do Conhecimento e Superação. Estas foram discutidas a partir do referencial teórico da superação, com particular atenção a um aspecto presente nas três categorias: a mudança de lugar social que a participação no Grupo de Acolhimento propicia para seus integrantes, e como essa mudança contribui para as vivências de superação das dificuldades e do estigma associados à esquizofrenia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Meireles Pavarin de Miranda, ABRE

Terapeuta Ocupacional, especialista em Terapia Ocupacional em Saúde Mental  - Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, terapeuta ocupacional do CAPS Adulto II Capela do Socorro, coordenadora do Grupo de Acolhimento da ABRE.

Fernanda de Almeida Pimentel, CAPS infantil Guaianases
Terapeuta ocupacional, mestre em ciências e especialista em Terapia Ocupacional em Saúde Mental - Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Coordenadora do CAPS infantil Guaianases.
Cecília Cruz Villares, Unifesp e ABRE

Terapeuta ocupacional, Mestre em Saúde Mental, coordenadora das atividades docentes na Residência Multiprofissional em Saúde Mental e no Programa de Esquizofrenia (PROESQ) do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São paulo - UNIFESP. Co-fundadora  e diretora adjunta da ABRE (Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Esquizofrenia)

Referências

Anderson, H. (2009). Conversação, linguagem e possibilidades. São Paulo: Editora Roca

Anthony, W. A. (1993). Recovery from mental illness: The guiding vision of the mental health service system in the 1990’s. Psychosocial Rehabilitation Journal,16 (4), 11-23.

Anthony, W. (1999). Reabilitação Psiquiátrica. In J. Ornelas (Ed.). Actas – Novos desafios na reabilitação de pessoas com doença mental. Lisboa: Edições AEIPS.

Assis, J. C., & Villares, C. C. (2007). Serviço de orientação à esquizofrenia – S.O.eSq. In: R. A. Bressan, C. Attux & S. M. T. C. Malta (Orgs.). Esquizofrenia: integração clínico-terapêutica. São Paulo: Atheneu.

Berthoud, C. (2003). Re-significando a parentalidade – os desafios de ser pais na atualidade. Taubaté: Cabral Editora Universitária.

Chamberlin, J. (1997). Confessions of a non-compliant patient. National Empowerment Center Newsletter, Summer/Fall, 9-10.

Chamberlin, J. (2005). A defesa dos direitos das pessoas com doença mental: Desenvolvimento de uma perspectiva de direitos humanos. Lisboa: Edições AEIPS.

Corrigan, P., & Ralph, R. (2005). Recovery as consumer vision and research paradigm. American Psychological Association. Washington.

Crowson, J., & Wallcraft, J. (2002). The recovery vision for mental health services and research: a British perspective. Psychiatric Rehabilitation Journal, 25 (3), 245-254.

Davidson, L. (2003). Living Outside Mental Illness: Qualitative Studies of Recovery in Schizophrenia. New York: New York University Press.

Davidson, L., & Strauss, J. S. (1992). Sense of self in recovery from severe mental illness. British Journal of Medical Psychology, 65(2), 131–145.

Davidson, L., Borg, M., Marin, I., Topor, A., Mezzina, R., & Sells, D. (2005). Processes of Recovery in Serious Mental Illness: Findings from a Multinational Study. American Journal of Psychiatric Rehabilitation,8(3): 177-201

Deegan, P. E. (1988). Recovery: The lived experience of rehabilitation. Psychosocial Rehabilitation Journal, 9(4), 11-19.

Deegan, P. E. (1996). Recovery as a journey of the heart. Psychiatric Rehabilitation Journal, 19(3), 91–97.

Fischer, D. & Ahern, L. (1999). Personal assistance in community existence. National Empowerment Center Int.

Fuks, S. (2009). FSPC: La facilitación sistémica de procesos colectivos. “Artesanía de contextos” focalizada en la promoción de la creatividad y de los procesos participativos en grupos, comunidades y redes. Revista IRICE, 20: 63-76.

Jacobson, N., & Greenley, D. (2001). What is recovery? A conceptual model and explication. Psychiatric Services, 52(4), 482-485.

Jorge-Monteiro, F., & Matias, J. (2007). Atitudes face ao recovery na doença mental em utilizadores e profissionais de uma organização comunitária: Uma ajuda na planificação de intervenções efetivas? Revista Análise Psicológica, 25 (1), 111-125.

Harding, C., Brooks, G., Ashikaga, T., Strauss, J., & Breier, A. (1987). The Vermont longitudinal study of persons with severe mental illness, II: Long-term outcome of subjects who retrospectively met DSM-III criteria for schizophrenia. American Journal of Psychiatry, 144, 727-735.

Henderson, H. (2004). From depths of despair to heights of recovery. Psychiatric Rehabilitation Journal, 28 (1), 83-87.

Kurtz, L. F. (1997). Self-help and support groups. A handbook for practitioners. California: Sage Books.

Morgan, D. L. (1997). Focus group as qualitative research. USA: Sage Publications, Inc.

Minayo, M. C. S. (org.). (1994). Pesquisa social – teoria, método e criatividade. São Paulo: Editora Vozes.

Minayo, M. C. S. O (2004). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª edição. São Paulo: Hucitec.

Ornelas, J. (Ed.) (2005). Empowerment e Participac?a?o das Pessoas com Doenc?a Mental e os seus Familiares. Lisboa: AEIPS.

Ralph, R. (2000). Review of recovery literature: a synthesis of a sample of recovery literature. National Association for State Mental Health Program Directors (NASMHPD).

Ralph, R. (2001). Recovery. Maine, MA: Human Services Research Institute.

Rasera, E. F., & Japur, M. (2001). Contribuições do pensamento construcionista para o estudo da prática grupal. Psicologia: Reflexão e Crítica,14:201-209.

Schiff, A. (2004). Recovery and mental illness: analysis and personal reflections. Psychiatric Rehabilitation Journal, 27 (3), 212-218.

Stocks, M. L. (1995). In the eye of the beholder. Psychiatric Rehabilitation Journal, 19 (1), 89-91.

Weingarten, R. (2001). O movimento de usuários em saúde mental nos Estados Unidos: história, processos de ajuda e suporte mútuos e miltância. Projeto Transversões. Rio de Janeiro.

Young, S., & Ensing, D. (1999). Exploring recovery from the perspective of people with psychiatric disabilities. Psychiatric Rehabilitation Journal, 22 (3), 219-231.

Publicado
2016-03-08
Como Citar
Meireles Pavarin de Miranda, A., Pimentel, F. de A., & Villares, C. C. (2016). ANJOS DE UMA ASA S?: PROCESSOS DE SUPERAÇÃO NA ESQUIZOFRENIA EM UM GRUPO DE AJUDA MÚTUA. Nova Perspectiva Sistêmica, 23(48), 64-79. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/51
Seção
Artigos