Responsividade Reflexiva: um conceito para meios criativos de transformação em práticas colaborativas-dialógicas

  • Bruno Lenzi Movimento - Clínica e Escola de Psicologia Sistêmica, Florianópolis/SC
Palavras-chave: construcionismo social, processos reflexivos, terapia colaborativa-dialógica, terapia de casal, terapia familiar

Resumo

Este artigo descreve experiências no contexto da terapia dialógica colaborativa, que tocaram minha curiosidade e criatividade. sentimentos que me fizeram refletir sobre minha prática e buscar autores que me ajudassem a desenvolver uma descrição para o que veio a se tornar um conceito para o diálogo. Encontrei em Tom, Shotter, Telma e Harlene as articulações que precisava para amadurecer aquilo que vinha sentindo na prática. Responsividade Reflexiva, é a síntese de conceitos que me permite estar engajado na busca de conhecimento sobre a resposta que uma pessoa oferece a um determinado relacionamento em um determinado entorno. Este conhecimento se transforma para a construção de respostas mais úteis aos relacionamentos da pessoa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências Bibliográficas:

Andersen, T. (1998). Reflexões sobre a Reflexão com as Famílias. In: S. McNamee, & K. J. Gergen (Orgs.). A Terapia como Construção Social (pp. 69 —85). Porto Alegre: Artes Médicas.

Andersen, T. (2002). Processos reflexivos (2. ed.). Rio de Janeiro: Noos.

Andersen, T. (2007a). Human Participating: Human “Being” Is the Step for Human “Becoming” in the Next Step. In: H. Anderson, & D. Gehart (Eds.). Collaborative Therapy: Relationships And Conversations That Make a Difference (pp. 81-94). London: Routledge.

Andersen, T. (2007b). In Conversation with Per Jensen: Crossroads. In: H. Anderson & P. Jensen. Innovations in the Reflecting Process (pp.158 - 174). London: Karnac Books.

Andersen, T. (2012). Participating Practice, and About Being-In-The-World. In: B. Ianssen, G. Øvreberg, T. Andersen, I. Hanssen, I. Kvebaek, A. Ottesen, & E. Rongved. Norwegian Psychomotor Physiotherapy: Movements of Life (pp. 163 - 194). Norway: Fagtrykk Trondheim.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1988). Human Systems as Linguistic Systems: Evolving ideas about the implications for theory and practice. Family Process, 27, 371-393.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: a abordagem terapêutica do não-saber. In: S. McNamee, & K. J. Gergen (Orgs.). A Terapia como Construção Social (pp. 34 —50). Porto Alegre: Artes Médicas.

Anderson, H., & Gehart, D. (Eds.) (2007). Collaborative Therapy: Relationships And Conversations That Make a Difference. London: Routledge.

Anderson, H. (2009). Conversação, linguagem e possibilidades: um enfoque pós-moderno da terapia. São Paulo: Roca.

Hoffmann, L. (2007). The art of "withness": A New Bright Edge. In: H. Anderson, & D. Gehart (Eds.). Collaborative Therapy: Relationships And Conversations That Make a Difference (pp. 63-80). London: Routledge.

McNamee, S. & Gergen, K. J. (1998). A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

McNamee, S., & Gergen, K. J. (1999). Relational Responsibility. Resources for sustainable dialogue. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

McNamee, S. (2008). Um estudo socioconstrucionista da expertise terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica, 31, 34-43.

Lenzi, B. P. (2017). O fazer e o estar em terapia dialógica colaborativa. Nova Perspectiva Sistêmica, 57, 37-52.

Lenzi, T. P. (2013). Personagens internos. Nova Perspectiva Sistêmica, 47, 86-98.

Shotter, J. (1993). Conversational Realities. Constructing life through language. London: Sage publications.

Shotter, J. (2017). Momentos de referência comum na comunicação dialógica: uma base para colaboração clara em contextos únicos. Nova Perspectiva Sistêmica, 57, 9-20.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
Lenzi, B. (2020). Responsividade Reflexiva: um conceito para meios criativos de transformação em práticas colaborativas-dialógicas. Nova Perspectiva Sistêmica, 29(66), 22-35. https://doi.org/10.38034/nps.v29i66.503
Seção
Artigos