O cotidiano das relações amorosas – entre desafios e amadurecimentos

  • Renata Biava Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC
  • Alana da Silva Luiz Anijar Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC
  • João Paulo Koltermann Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC
  • Adriano Beiras Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Biava, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Estudante de Graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), estagiária no Serviço de Atenção Psicológica da UFSC (SAPSI), em Terapia de Casais e Famílias.

Alana da Silva Luiz Anijar, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Estudante de Graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), estagiária no Serviço de Atenção Psicológica da UFSC (SAPSI), em Terapia de Casais e Famílias.

João Paulo Koltermann, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Estudante de Graduação em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), estagiário no Serviço de Atenção Psicológica da UFSC (SAPSI), em Terapia de Casais e Famílias.

Adriano Beiras, Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Professor do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Psicologia da UFSC. Supervisor acadêmico de estágios em Psicologia Clínica no SAPSI, com ênfase em Terapia de Casais e Famílias.

Referências

Andolfi, M. (2003). Manual de psicología relacional: La dimensión familiar. Bogotá: Corporación Andolfi González.

Aun, J. G. (2005). Da terapia de família ao atendimento sistêmico à família. In J. G. Aun, M. J. E. Vasconcellos & S. J. Coelho (Eds.), Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais (pp. 16-57). Belo Horizonte: Ophicina de arte & prosa.

Borges, C. D., Costa, M. M. D., & Faria, J. G. D. (2015). Genograma e atenção básica à saúde: em busca da integralidade. Psicologia e Saúde, 7(2), 133-141.

Bretherton, I. (1992). The origins of attachment theory: John Bowlby and Mary Ainsworth. Developmental psychology, 28(5), 759.

Brito, R. M. & Germano, I. M. P. (2013). Terapia narrativa e abordagem colaborativa: contribuições do construcionismo social para a clínica pós-moderna. Nova Perspectiva Sistêmica, 47, 57-73.

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1985)

Gergen, K. J. (2009). Relational being: Beyond self and community. New York: Oxford University Press.

Vasconcellos, M. J. E. (2003). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus Editora.

White, M. (2007). Maps of narrative practice. WW Norton & Company.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Biava, R., Anijar, A. da S. L., Koltermann, J. P., & Beiras, A. (2018). O cotidiano das relações amorosas – entre desafios e amadurecimentos. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(60), 129-133. https://doi.org/10.38034/nps.v27i60.399
Seção
Estante de Livros