Processos reflexivos: uma experiência na saúde pública em meio a luta por inclusão social

  • Rosângela Russo Instituto ConversAções - Ribeirão Preto/SP
Palavras-chave: processos reflexivos, saúde mental, moradia

Resumo

Este trabalho tem como objetivo compartilhar a utilização da prática da equipe reflexiva, no âmbito da saúde mental, norteada pelos processos reflexivos desenvolvidos por meio das concepções do psiquiatra e terapeuta familiar norueguês Tom Andersen. Apresenta brevemente de que maneira esses aportes teóricos vêm influenciando a prática clínica da autora, relatando a seguir a história de Larissa, paciente que chegou para ser atendida no Centro de Atenção Psicossocial. Larissa denominou de “grande virada” o que ocorreu em sua vida após a conversa ocorrida com a presença de equipe reflexiva, da qual participaram a paciente e as duas equipes de cuidado designadas a ela (hospitalar e CAPS).

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n60a03

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela Russo, Instituto ConversAções - Ribeirão Preto/SP

Médica Psiquiatra pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Terapeuta Família/ Casal pelo Instituto Familiae-Ribeirão Preto-SP. Docente do Instituto ConversAções Ribeirão Preto - SP.

Referências

Amorim, M. (2012). Cronotopo e exotopia. In B. Brait (Org.), Bakhtin – Outros conceitos-chave (pp. 95-114), São Paulo: Contextos.

Andersen, T. (1994). El equipo reflexivo: diálogos y diálogos sobre los diálogos. Barcelona: Gedisa.

Andersen, T. (1998). Reflexões sobre as reflexões com as famílias. In S. McNamee & K. J. Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp. 69-83). Porto Alegre: Artes Médicas.

Andersen, T.(1999). Processos reflexivos (R. M. Bergallo,Trad.). Rio de Janeiro: Noos/ITF-RJ.

Andersen, T. (2004). A linguagem não é inocente. Nova Perspectiva Sistemica, 23,19-26.

Anderson, H. & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: a abordagem terapêutica do não-saber. In S. McNamee & K. Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp. 34-50). Porto Alegre: Artes Médicas.

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Barros, D. L. P. (1999). Dialogismo, polifonia e enunciação. In J. L. Fiorin (Org.), Dialogismo, polifonia, intertextualidade (pp. 1-9). São Paulo: Edusp.

Cecchin, G. (1987). Hypothesizing, circularity, and neutrality revisited: an invitation to curiosity. Family Process, 26(4), 405-413.

Cecchin, G. (1998). Construindo possibilidades terapêuticas In S. McNamee & K. Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp. 106-116). Porto Alegre: Artes Médicas.

Gergen, K. J. (2010). Saúde mental e deterioração cultural. Nova Perspectiva Sistêmica, 36, 9-27.

Kaplan, H. I. & Sadock, B. J. (1990). Compendio de psiquiatria. Porto Alegre: Artes Médicas.

Nunes, J. M. S., Guimarães, J. M. X., & Sampaio, J. J. C. (2016). A produção do cuidado em saúde mental: avanços e desafios à implantação do modelo de atenção psicossocial territorial. Physis, 26(4), 1213-1232. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312016000401213&lng=en&nrm=iso.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2007). Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Yasui, S. (2006). Rupturas e encontros: desafios da Reforma Psiquiátrica Brasileira, Rio de Janeiro. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/4426/2/240.pdf

White, M. & Epston, D. (1990). Narrative means to therapeutic ends. New York: Norton.

White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Russo, R. (2018). Processos reflexivos: uma experiência na saúde pública em meio a luta por inclusão social. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(60), 55-70. https://doi.org/10.38034/nps.v27i60.387
Seção
Artigos