Pensando as instituições a partir de novos saberes

  • João Augusto V. de Paiva

Resumo

Em seu Zaratustra, a verve poético-filosófica de Nietzsche faz deslizar pela boca de seu porta-voz uma nota de assombro, desconfiança e estranhamento em relação aos homens de hoje. Lemos, por exemplo, em um discurso intitulado “Da redenção”, uma avaliação na qual o sismógrafo sanguíneo de seus escritos se aproxima do modo de ser e do modo de conhecer dos especialistas, para neles descobrir uma disposição existencial que, longe de abrigar em si mesma um píncaro de sabedoria, se abre como um sintoma de degradação do humano, uma degradação que corrompe, mutila e deforma a própria humanidade do homem, convertendo a sua integridade na fragmentação unilateral de uma dispersão aberrante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Augusto V. de Paiva

Psicólogo clínico e terapeuta de casal e família

Como Citar
de Paiva, J. A. V. (1). Pensando as instituições a partir de novos saberes. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(52), 114-116. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/162
Seção
Ecos