Aspectos psicológicos nos contextos de sobrepeso na percepção do adulto jovem

  • Daiane Wiltgen Tissot Faccat
  • Patricia Manozzo Colossi Faccat
Palavras-chave: Sobrepeso, relações familiares, implicações emocionais, intervenção preventiva.

Resumo

O sobrepeso constitui-se na condição intermediária entre peso adequado e obesidade, necessitando de atenção preventiva para que não se agrave em quadros clínicos mais complexos. O presente estudo investigou quatro adultos jovens da serra gaúcha a fim de explorar os aspectos psicológicos individuais e relacionais envolvidos neste contexto. Foram utilizados uma entrevista semiestruturada e um questionário sociodemográfico a fim de investigar qualitativamente: a relação entre sobrepeso e questões emocionais; as relações desempenhadas na família; o contexto familiar e resolução de conflitos; a relação entre sobrepeso e autoimagem, autoestima e autoconfiança; as implicações do sobrepeso na qualidade de vida, e os aspectos do sobrepeso nas relações sociais. Destacou-se a importância das relações e dinâmicas familiares na constituição e manutenção do fenômeno estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Wiltgen Tissot, Faccat
Psicóloga (FACCAT)
Patricia Manozzo Colossi, Faccat
Psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica (UNISINOS), Doutoranda em Psicologia Clínica (UNISINOS), Especialista em Terapia de Casal e Família (UNISINOS). Docente do Curso de Psicologia da FACCAT

Referências

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica-Abeso(2009). Diretrizes brasileiras de obesidade. 3.ed. São Paulo: AC Farmacêutica.

Almeida, G., Giampietro, H., Belarmino, L., Moretti, L., Marchini, J., Ceneviva, R. (2011). Aspectos psicossociais em cirurgia bariátrica: a associação entre variáveis emocionais, trabalho, relacionamentos e peso corporal. ABCD, Arquivos brasileiros de cirurgia digestiva. vol. 24 no3. São Paulo.

Bee, H. (1997). O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bowen, M. (1991). De la família al individuo: la diferenciación del sí mismo en el sistema familiar. Buenos Aires: Paidós.

Cataneo, C., Carvalho, A.M., Galindo, E. (2005). Obesidade e aspectos psicológicos: maturidade emocional, autoconceito, locus de controle e ansiedade. Psicologia- Reflexão e Crítica. vol. 18, n. 1. Porto Alegre.

Dionne, J., Laville, C. (1999). A construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed.

Finger, I.R., Potter, J.R. (2011). Entrevista motivacional no tratamento de sobrepeso/obesidade: uma revisão de literatura. Revista brasileira de terapias cognitivas. vol. 7, n. 2, p. 2-7. Porto Alegre.

Gigante, D.P., França, G.V.A., Sardinha, L.M.V., Iser, B.P.M., Meléndez, G.V. (2011). Variação temporal na prevalência do excesso de peso e obesidade em adultos: Brasil, 2006 a 2009. Revista brasileira de epidemiologia. vol. 14, supl.1. São Paulo.

Malta, D., Cezário, A., Moura, L., Neto, O., Silva Junior, J. (2006). A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiologia e serviços de saúde, v.15(1).

Mendonça, C.P., Anjos, L.A. (2004). Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cad. Saúde Pública, vol. 20, n.3. Rio de Janeiro.

Moraes, A.L., Almeida, E.C., Souza, L.B. (2013). Percepções de obesos deprimidos sobre os fatores envolvidos na manutenção da sua obesidade: investigação numa unidade do Programa Saúde da Família no município do Rio de Janeiro. Physis. vol. 23, n. 2, p. 553-572. Rio de Janeiro.

Moreira, R., Zen, M. (2007). Marcadores antropométricos de sobrepeso e Inventário Beck de Depressão: uma associação a ser considerada. Revista Brasileira de Psiquiatria. vol. 29 n.2. São Paulo.

Negreiros, T.C.G.M., Féres-Carneiro, T. (2007). Masculino e feminino na família contemporânea. Estudos e pesquisa em psicologia, ano 4, n.1 Rio de Janeiro.

Nichols, M., Schwartz, R. (2007). Terapia Familiar: conceitos e métodos. Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, T.P., Neto, L.S.F., Guimarães, M.L., Franco, K.P. (2009). Associação entre o perfil antropométrico e co-morbidades nos usuários classificados com sobrepeso e obesidade, em atendimento no centro de saúde do Alto Vera Cruz em Belo Horizonte, MG. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, vol. 3, n.17. São Paulo.

Organização Mundial Da Saúde. Obesidade e sobrepeso. Ficha número 311, maio de 2012. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/es/.

Recuperado em: 20 set. 2014.

Osorio, L.C., Valle, M.E.P. (2002). Terapia de famílias: novas tendências. Porto Alegre: Artmed.

Rapizo, R.(2002). Terapia Sistêmica de Família: da instrução à construção. Rio de Janeiro: Noos.

Stroebe, W., Stroebe, M. (1995). Psicologia Social e Saúde. Lisboa: Instituto Piaget.

Vasconcelos, M.J.E. (2013). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus, 10ed.

Wang, M.L., Jablonski, B., Magalhães, A. (2006). Identidades Masculinas: limites e probabilidades. Psicologia em revista, v.12(19).

Como Citar
Tissot, D. W., & Colossi, P. M. (1). Aspectos psicológicos nos contextos de sobrepeso na percepção do adulto jovem. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(52), 92-110. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/161
Seção
Artigos