Quem é o cliente?: criando o cenário para a terapia colaborativa com crianças e suas famílias

  • Sylvia London
Palavras-chave: clínica colaborativa, terapia infantil, terapia familiar

Resumo

Este artigo discute o processo de criação de um cenário para o trabalho colaborativo com crianças e suas famílias e aborda a seguinte questão: Quem é o cliente? Trata-se de uma apresentação teórica dos princípios básicos da clínica colaborativa seguida de um exemplo com comentários e reflexões que visam ilustrar como estas ideias são colocadas em prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sylvia London
Membro e docente do Grupo Canpos Eliseos da Cidade do México, ela é docente do Houston Galveston Institute, associada doTaos Institute e membro do conselho do ICCP. Grupo Campos Eliseos, México.

Referências

Andersen, T. (1987). The reflecting team: dialogue and meta-dialogue in clinical work. Family Process, 26 (4) 415-428.

Andersen, T. (2007). Human Participating Human “Being” is the Step for Human Becoming in the Next Step. In H. Anderson, & D. Gehart. (Eds.) Collaborative therapy: relationships and conversations that make a difference. (81-93)

New York: Routledge.

Anderson, H. (2012). Collaborative relationships and dialogical conversations: ideas for relationally responsive practice. Family Process, 51 (1) 1-17.

Anderson, H. & Gehart, D. (2007). Collaborative therapy: relationships and conversations that make a difference. New York: Routledge.

Anderson, H. (1997). Conversation, language and possibilities: a postmodern approach to psychotherapy. New York: Basic Books.

Anderson, H. & Goolishian, H.A. (1988). Human systems as linguistic systems: preliminary and evolving ideas about the implications for clinical theory. Family Process, 27(4): 371-393.

Gergen, K. (1991). The saturated self: dilemmas of identity in contemporary life. New York: Basic Books.

Como Citar
London, S. (1). Quem é o cliente?: criando o cenário para a terapia colaborativa com crianças e suas famílias. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(52), 25-32. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/156
Seção
Artigos