Conjugalidade e homossexualidade: uma revisão sistemática de literatura

  • Vicente Rodrigues
  • Mariana Boeckel
Palavras-chave: conjugalidade, homossexualidade, homoconjugalidade

Resumo

Tradicionalmente a Psicologia e a Terapia Familiar centraram-se na compreensão de famílias geradas a partir da união heterossexual. Contudo, tendo em vista a diversidade das configurações familiares atuais, faz-se necessário compreender conjugalidades que fogem à norma. A partir de uma breve contextualização histórica, o presente artigo objetiva revisar sistematicamente estudos que investigaram relações conjugais entre casais homossexuais na realidade brasileira. Para tanto, as bases de dados Lilacs, PePSIC e SciELO foram consultadas, resultando em sete artigos. Mediante discussão dos achados, observou-se que as pesquisas feitas no Brasil ainda visam caracterizar esse fenômeno, articulando a seus resultados a temáticas como a homofobia, flexibilidade nas atribuições de gênero, apoio social, questões inerentes aos relacionamentos e a efemeridade dos relacionamentos contemporâneos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vicente Rodrigues

Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

Mariana Boeckel

Psicóloga, Mestre em Psicologia Social e da Personalidade (PUCRS) e Doutora em Psicologia (PUCRS).

Referências

Amorim, A. & Stengel, M. (2014). Relações customizadas e o ideário de amor na contemporaneidade. Estudos de Psicologia, 19(3), 179-188.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos (Tradução de Carlos Alberto Medeiros). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Brasil (2013). Relatório sobre violência homofóbica no Brasil: ano de 2012, Brasília, DF, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://www.sdh.gov.br/assuntos/lgbt/pdf/relatorio-violencia-homofobica-ano-2012

Carneiro, A. (2015). A morte da clínica: movimento homossexual e luta pela despatologização da homossexualidade no Brasil (1978-1990). Anais do Simpósio Nacional de História, Florianópolis, SC, Brasil, 28. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1439866235_ARQUIVO_Artigo-Amortedaclinica.pdf

Ceccarelli, P. & Franco, S. (2010). Homossexualidade: verdades e mitos. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, 4(5), 119-129.

Cochrane Haematological Malignancies Group (2007). How to develop a search strategy for a Cochrane Review. Retrieved 12 october, 2015, from http://chmg-old.cochrane.org/resources-review-authors

Colling, A. (2004). A Construção Histórica do Feminino e do Masculino. In: M. Strey, S. T. L. Cabeda, D. R. Prehn (Eds), Gênero e Cultura: Questões Contemporâneas (pp. 13-38). Porto Alegre: Edipucrs.

Dias, M. B. (2009). Manual de Direito das Famílias. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Duarte, R. (2004). Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, 24, 213-225.

Dunker, C. & Neto, F. (2011). A crítica psicanalítica do DSM-IV – breve história do casamento psicopatológico entre psicanálise e psiquiatria. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 14(4), 611-626.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-394.

Ferreira, A. D. H. (2004). Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (3a ed.) Curitiba: Positivo Informática Ltda.

Gergen, K. J. (1997). Realities and relationships. Cambridge: Harvard University Press.

Giddens, A. (2005). Gênero e Sexualidade. In A. Giddens. Sociologia (pp. 102-127). Porto Alegre: Artmed.

Goerch, A. & Pichinin, A. (2015). Cidadania e política pública de inclusão social: os reflexos da ideologia cristã na questão dos homossexuais no ordenamento jurídico brasileiro. Anais do Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 12. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/13157/2345

Green, J. (2000). Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP.

Gonzatto, M. (2015, fevereiro). Bancada evangélica ganha força inédita no Congresso. Zero Hora. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/02/bancada-evangelica-ganha-forca-inedita-no-congresso-4704350.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010: Características da população e dos domicílios – Resultados do universo. Rio de Janeiro. Recuperado em 13 outubro, 2015, de http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=793

Joyner, K., Manning, W. & Bogle, R. (2015). Gender and the stability of same-sex and different-sex relationships [Working paper Series]. Bowling Green State University Center for Family and Demographic Research. Retrieved 12 october, 2015, from http://www.bgsu.edu/arts-and-sciences/center-for-family-demographic-research/research-at-cfdr/working-papers-table.html

Julien, D. et al. (2003). Conflict, social support, and relationship quality: an observational study of heterosexual, gay male, and lesbian couples' communication. Journal of Family Psychology, 17(3), 419-428.

Lomando, E., Wagner, A. & Gonçalves, J. (2011). Coesão, adaptabilidade e rede social no relacionamento conjugal homossexual. Psicologia: Teoria e Prática, 13(3), 95-109.

Madureira, A. F. & Branco, A. M. (2007). Identidades Sexuais Não-hegemônicas: Processos Identitários e Estratégias para Lidar com o Preconceito. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(1), 81-90.

Meletti, A. & Scorsolini-Comin, F. (2015). Conjugalidade e expectativas em relação à parentalidade em casais homossexuais. Psicologia: Teoria e Prática, 17(1), 37-49.

Mohr, J. & Fassinger, R. (2006). Sexual orientation identity and romantic relationship quality in same-sex couples. Personality & Social Psychology Bulletin, 32(4), 1085-1099.

Moreira, N. (2004). Conjugalidade Homossexual masculina – dinâmicas de relacionamento. Anais do Congresso Português de Sociologia, Coimbra, Portugal, 4. Recuperado em 12 outubro, 2015, de: http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR462e03459eb23_1.PDF

Mossmann, C., Lomando, E. & Wagner, A. (2010). Coesão e adaptabilidade conjugal em homens e mulheres hetero e homossexuais. Barbarói, 33.

Naphy, W. (2006). Born to Be Gay: História da Homossexualidade (Tradução de Jaime Araújo). Lisboa: Edições 70.

Norgren, M. D. B., Souza, R., Kaslow, F., Hammerschmidt, H. & Sharlin, S. (2004). Satisfação conjugal em casamentos de longa duração: uma construção possível. Estudos de Psicologia, 9(3), 575-584.

Oliveira, D. de. (2012). Conjugalidade e a União de Duas Histórias de Vida: Uma Discussão Ilustrada a Partir do Filme A História de Nós Dois. Interação em Psicologia, 16(1), 125-133.

Pereira, M. (2012). Resiliência e conjugalidade. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://sobrare.com.br/Uploads/20120930_artigo_resilincia_e_conjugalidade.pdf

Pino, N. (2007). A teoria queer e os intersex: experiências invisíveis de corpos des-feitos. Cadernos Pagu, 28, 149-174.

Salomé, G., Espósito, V. & Moraes, A. L. (2007). O significado de família para casais homossexuais. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(5), 559-563.

Starks, T., Newcomb, M. & Mustanki, B. (2015). A Longitudinal Study of Interpersonal Relationships Among Lesbian, Gay, and Bisexual Adolescents and Young Adults: Mediational Pathways from Attachment to Romantic Relationship Quality. Archives of Sexual Behavior, 44(7), 1821-1831.

Toledo, L. & Pinafi, T. (2012). A clínica psicológica e o público LGBT. Psicologia Clínica, 24(1), 137-163.

Uziel, A. P., Mello, L. & Grossi, M. (2007). Conjugalidades e parentalidades de gays, lésbicas e transgêneros no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond.

Vieira, É. & Stengel, M. (2010). Os nós do individualismo e da conjugalidade na Pós-Modernidade. Aletheia, 32, 147-160.

White, M., & Epston, D. (1990). Medios narrativos para fines terapéuticos. Buenos Aires: Paidós.

Como Citar
Rodrigues, V., & Boeckel, M. (1). Conjugalidade e homossexualidade: uma revisão sistemática de literatura. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 96-109. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/138
Seção
Artigos