Efeitos da comunicação diagnóstica na rede social de mulheres que vivem e convivem com o HIV

  • Renata Orlandi
  • Carmen L.O.O. Moré
Palavras-chave: comunicação diagnóstica, HIV/AIDS, enfrentamento

Resumo

Problematiza-se aqui a relação entre o processo de comunicação diagnóstica e a participação da rede social no enfrentamento da soropositividade. Em termos metodológicos, esse foi um estudo de natureza qualitativa do qual participaram 14 mulheres com status sorológico positivo para o HIV, com idades compreendidas entre 32 e 53 anos. Foram utilizados os seguintes instrumentos: entrevista semiestruturada, mapa de redes, genetograma e consulta autorizada aos prontuários médicos das entrevistadas. Pautou-se a análise na Teoria Fundamentada Empiricamente. Os obstáculos no processo de comunicação estão atrelados ao preconceito relativo à soropositividade, o qual pode engendrar segredos, privando essas mulheres do apoio de pessoas significativas, as quais são fundamentais na promoção de saúde e no enfrentamento de uma enfermidade histórica e cronicamente estigmatizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Orlandi
UFFS- Realeza- Brasil
Carmen L.O.O. Moré
UFSC - Florianópolis- Brasil

Referências

Amorim, C.M. de & Szapiro, A.M. (2008). Analisando a problemática do risco em casais que vivem em situação de sorodiscordância. Ciência Saúde Coletiva, 13, (6), 1859-1868).

Biasoli-Alves, Z. M. (1998). A pesquisa em psicologia – análise de método e estratégias na construção de um conhecimento que se pretende científico. In: G. Romanelli & Z. A. Biasoli- Braga, P. E., Cardoso, M. R. A., Segurado, A. C. (2007). Diferenças de gênero ao acolhimento de pessoas vivendo com HIV em serviço universitário de referência de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 23(11), 2653-2662.

Brito, A. M., Castilho, E. A. & Szwarcwald, C. L. (2005).Regional patterns of the temporal evolution of the AIDS epidemic in Brazil following the introduction of antiretroviral therapy. Brazilian Journal Infected Diseases, (9), 9-19.

Carvalho, F. T. de, Morais, N. A. de, Koller, S. H. & Piccinini, C. A. (2007). Fatores de proteção relacionados à promoção de resiliência em pessoas que vivem com HIV/AIDS. Cadernos de Saúde Pública, 23 (9), 2023-2033.

Fontanella, B. J. B. , Ricas, J. & Turatto, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(1). 17-25.

Giacomozzi, A. I. (2004). Confiança no parceiro e proteção frente ao HIV: Estudo de representações sociais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis.

Hias, F. M. S. (2003). Representações sociais e conhecimento sobre a AIDS. A restituição de mensagens preventivas escritas por parte de adolescentes. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Imber-Black, E. (1994). Segredos na família e na terapia familiar: uma visão geral. In: E. Imber-Black (Org.). Os segredos na família e na terapia familiar. (15- 39). Porto Alegre: ArtesMédicas.

Lopes, F., Buchalla, C. M. & Ayres, J. R. de C. M. (2008). Mulheres negras e não-negras e vulnerabilidade ao HIV/Aids no estado de São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública. 41 (suppl.2), 39-46.

McGoldrick, M. & Gerson, R. (1995). Genetograma e o ciclo de vida familiar. In: Carter, B. & McGoldrick, M. As mudanças no ciclo de vida familiar- uma estrutura para a terapia familiar. 2ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

Morena, Diva Maria Faleiros Camargo e REIS, Alberto Olavo Advíncula. Revelação do diagnóstico da infecção pelo HIV no contexto do aconselhamento: a versão do usuário. Temas psicol. [online]. 2013, vol.21, n.3 [citado 2015-12-21], pp. 591-609.

Nascimento, A. M. G. do, Barbosa, C. S. & Medrado, B. (2005). Mulheres de Camaragibe: representação social sobre a vulnerabilidade feminina em tempos de AIDS. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil,5 (1), 77-86.

Oltramari, L. C. (2003). Um esboço sobre as representações sociais da Aids nos estudos produzidos no Brasil. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, (45), 1- 17.

Orlandi, R. Participação da rede social significativa de mulheres que vivem e convivem com o HIV no enfrentamento da soropositividade. 14/04/2011. 253p. Tese defendida na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis,2011 no prelo.

Paiva, V. (2000). Fazendo arte com a camisinha - sexualidades jovens em tempos de Aids. São Paulo: Summus.

Rabuske, M.M. (2009) Comunicação de diagnóstico de soropositividade para o HIV e de AIDS para adolescentes e adultos: implicações psicológicas e repercussões nas relações familiares sociais. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Santos, C. de O. & Iriart, J. A. B. (2007). Significados e práticas associados ao risco de contrair HIV nos roteiros sexuais de mulheres de um bairro popular de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de. Saúde Pública, 23 (12), 2896-2905.

Santos, N. J. S. (1996). A Aids entre as mulheres no estado de São Paulo. In: R. Parker & J. Galvão (Org). Quebrando o silêncio: mulheres e AIDS no Brasil. 33-59. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Seidl, E. M. F., Melchíades, A., Farias, V. & Brito, A. (2007). Pessoas vivendo com HIV/AIDS: variáveis associadas à adesão ao tratamento anti-retroviral. Cadernos de Saúde Pública, 23 (10), 188-195.

Silva, C. G. M. da. (2002). O significado de fidelidade e as estratégias para prevenção da Aids entre homens casados. Revista de Saúde Pública, 36 (4), 40-49.

Silva, N. E. K. & Ayres, J. R. C. M. (2009). Estratégias para comunicação de diagnóstico de HIV a parceiros sexuais e práticas de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 25(8),1797-1806.

Sluzki, C. E. (1997). A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Strachan, E. D. , Bennet, W. R. M., Russo, J. & Roy-Byrne, P. P. (2007). Disclosure of HIV status and sexual orientation independently predicts increased absolute CD4 cell counts over time for psychiatric patients. Psychosomatic Medicine, (69), 74-80.

Strauss, A. & Corbin, J. (1990) Basics of qualitative research: Grounded theory procedures and techniques. London: Sage Publications.

Suit, D. & Pereira, M.E. (2008). Vivência de estigma e enfrentamento em pessoas que convivem com o HIV. Psicologia USP, 19 (3), 317-340.

Torres, T. de L. (2006) A representação social da AIDS e da Terapia Anti-Retroviral para soropositivos com adesão ao tratamento. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós- Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC.

Vermelho, L. L. , Barbosa, R. H. S. & Nogueira, S. A. (1999). Mulheres com Aids: desvendando histórias de risco. Cadernos de Saúde Pública, 15 (2), 369-379.

Como Citar
Orlandi, R., & Moré, C. L. (1). Efeitos da comunicação diagnóstica na rede social de mulheres que vivem e convivem com o HIV. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 64-79. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/136
Seção
Artigos