Intervenções psicológicas com crianças no CRAS: Em busca de recursos e potencialidades

  • Carolina Duarte de Souza
  • Juliana Borges de Souza Faculdade Três de Maio –SETREM, Três de Maio, Brasil
  • Núbia Daniela de Oliveira Rolim
  • Rita de Cássia Maciazeki Gomes
Palavras-chave: psicologia, Centro de Referência em Assistência Social - CRAS, relato de experiência, criança, adolescente

Resumo

Este artigo apresenta uma experiência de estágio em Psicologia com um grupo de crianças e uma adolescente em um CRAS de um município de pequeno porte do interior do sul do Brasil. No período de observação mapeamos no grupo questões relacionadas a: expressão da afetividade, gênero e sexualidade. A seguir planejamos atividades com foco na promoção da interação entre as crianças e adolescente, prevenção de situações de risco e vulnerabilidade, e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Nossas ações foram fundamentadas no Pensamento Sistêmico, na abordagem do Construcionismo Social e nas práticas das Práticas Narrativas.  Ao fim do processo observamos que as crianças e a adolescente modificaram seu modo de se relacionarem entre si, e posicionarem-se diante de questões conflituosas dentro e fora do grupo. A atuação de psicólogos no CRAS mostra-se desafiadora por exigir qualificação e formação técnica e flexibilidade e respeito aos diferentes modos de produção da infância e adolescência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Duarte de Souza

Doutoranda, mestre e graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Brasil

Juliana Borges de Souza, Faculdade Três de Maio –SETREM, Três de Maio, Brasil

Graduanda em Psicologia pela Faculdade Três de Maio –SETREM, Três de Maio, Brasil

Núbia Daniela de Oliveira Rolim

Psicóloga graduada pela Faculdade Três de Maio –SETREM, Três de Maio, Brasil

Rita de Cássia Maciazeki Gomes

Psicóloga pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS e Doutoranda pela Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Referências

Anderson, H. (2009). Terapia Colaborativa: Relacionamentos e Conversações. Nova Perspectiva Sistêmica, 33, 37-52.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1993). O cliente é o especialista: uma abordagem para terapia a partir de uma posição de Não Saber. Nova Perspectiva Sistêmica, 2(3), 8-24.

Andrade, L. F., & Romagnoli, R. C. (2010). O Psicólogo no CRAS: Uma Cartografia dos Territórios Subjetivos. Revista Psicologia e Profissão, 30(3), 604-619.

Beaudoin, M-N. & Taylor, M. (2006). Bullying e Desrespeito. Porto Alegre: Artmed.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas e Conselho Federal de Psicologia (2007). Referências técnicas para atuação do(a) Psicólogo(a) no CRAS/SUAS. Brasília.

César, A. B. C. (2008). A externalização do problema e a mudança de narrativas em terapia familiar com crianças. Nova Perspectiva Sistêmica, 31, 85-98.

Costa, A. F. S., & Cardoso, C. L. (2010). Inserção do Psicólogo em Centros de Referência de Assistência Social- CRAS. Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(2), 223-229.

Curonici, C., & McCulloch, P. (1999). Psicólogos e professores: um ponto de vista sistêmico sobre as dificuldades escolares. São Paulo: EDUSC.

Duque, F. D., Souza, D. C., & Cromack, C. P. M. E. (2009). Ciranda: um olhar diferenciado sobre a escola. Pensando famílias. 13(2), 163-183.

Denborough, D., & Ncube, N. (2011). Atendendo crianças que vivenciaram traumas: A árvore da vida. Revista Nova perspectiva sistêmica, 39, 92-101.

Garcia, A. (2007). Em buscas das escolas na escola: por uma epistemologia das “balas sem papel”. Educação e Sociedade, 28(98), 129-147.

Gergen, K. J. (2009). Construção Social e Comunicação Terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica, 33, 9-36.

Goolishian, H. A. & Winderman, L. (1989). Contructivismo, autopoieses y sistemas determinados por problemas. Sistemas Familiares, 5(3), 19-29.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva patriarcal. Cadernos Pagu, 5, 07-41.

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2011). Expansão e interiorização da Psicologia: Reorganização dos saberes e poderes na atualidade. Psicologia Ciência e Profissão, 31 (2), 296-313.

Macedo, J.P., Dimenstein, M. (2012). O trabalho dos psicólogos nas políticas sociais no Brasil. Avances en Psicología Latinoamericana, 30(1), 182-192.

Macêdo, O. Jr., Pessoa, M. C. B., & Alberto, M. de F. P. (2015). Atuação dos Profissionais de Psicologia Junto à Infância e à Adolescência nas Políticas Públicas de Assistência Social. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 916-931.

Maciazeki-Gomes, R. C. (2013). Pesquisa e intervenção: Traçados de um caminho em composição. In: JL. Borges, L.Winter, & C.D. Souza(orgs). Pesquisa em Psicologia: Pressupostos Teóricos e Metodológicos. Três de Maio: Setrem.

Nogueira, C. (2001). Feminismo e discurso do gênero na psicologia social. Psicologia e Sociedade 13(1), 107-128.

Oliveira, I.B. (2007). Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Educação e Sociedade, 28(98), 47-72.

Schnitman, D. F. (2011). Processo generativo e práticas dialógicas. Nova Perspectiva Sistêmica, 41, 9-34.

Senra, C. M. G., & Guzzo, R. S. L.. (2012). Assistência social e psicologia: sobre as tensões e conflitos do psicólogo no cotidiano do serviço público. Psicologia & Sociedade, 24(2), 293-299.

Silveira, B. O. M. L., & Wagner, A. (2009). Relação família-escola: práticas educativas utilizadas por pais e professores. Revista semestral da associação brasileira de psicologia escolar e educacional. 13 (2), 283-291.

Tilmans-Ostyn, E. (2000). Quando um dos filhos é o motivo da terapia. In M. Meynckens-Fourez & E. Tilmans-Ostyn. Os recursos da fratria. Belo Horizonte: Artesã.

White, M. & Epston, D. (1993) Medios narrativos para fines terapéuticos. Barcelona: Paidós.

White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.

Winter, L., Maciazeki-Gomes, R.C., Barasuol, B. E., Borges, L. J., & Costa, B. L. (2012). Guia do estudante em estágio básico em saúde coletiva. Três de Maio: Setrem.

Vasconcellos, M. J. E. (2002). Pensamento Sistêmico. O novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

Vigotski, L. S. (2003). Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed.

Zanella, A. V. (2003). Reflexões sobre a atuação do(a) psicólogo(a) em contextos de escolarização formal. Psicologia ciência e profissão, 23(3), 68-75.

Como Citar
de Souza, C. D., de Souza, J. B., Rolim, N. D. de O., & Gomes, R. de C. M. (1). Intervenções psicológicas com crianças no CRAS: Em busca de recursos e potencialidades. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 31-45. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/134
Seção
Artigos