A clínica psicológica como ação social

  • Maria José Lima
  • Rosa Maria Stefanini de Macedo Pós Doutora em Terapia Familiar, coordenadora do Núcleo de Família e Comunidade da Pós-Graduação em Psicologia Clínica PUC-SP.
Palavras-chave: pensamento sistêmico novo-paradigmático, clínica psicológica contemporânea, compromisso social

Resumo

Este artigo aborda o movimento contemporâneo da psicologia clínica no Brasil, em seus entrelaçamentos com as questões sociais. Traça um percurso que parte de críticas e preocupações com a distância entre suas práticas e a população, e aponta as terapias pós-modernas como possibilidade de superação dessa separação ao pontuar as diferentes concepções do social presentes nessa discussão. Assim, defende a designação de clínica psicológica como ação social, resultante da (re)significação tanto da clínica como do social, com base no pensamento sistêmico novo-paradigmático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Lima

Psicóloga pela USP, terapeuta familiar, doutora pelo Núcleo de Família e Comunidade da PUC-SP, mediadora pelo Conversações e professora da pós-graduação em Intervenção Familiar pela UNITAU. 

Referências

Anderson, H., Goolishian, H. (1993). O Cliente é o Especialista. Uma abordagem para terapia a partir de uma posição de Não Saber. Nova Perspectiva Sistêmica, 3, pp. 8-23.

Andrade, A. N. (1999). Psicólogo(a) Clínico(a) e a atuação em Comunidade: Incertezas e Desafios para sua formação. Número especial: Memórias em psicologia comunitária. XXVI Congresso Interamericano de Psicologia, vol. 8, no. 1.

Antunes, M. A. M. (2004). A Psicologia no Brasil no séc. XX: desenvolvimento científico e profissional. In: M. MASSIMI, e M. C. GUEDES. História da Psicologia no Brasil: novos estudos (pp. 109-152). SP: Educ e Cortez Edit.

Barreto, A. de P. (2010). As dores da alma dos excluídos no Brasil e a Terapia Comunitária. In: M. GRANDESSO, M. R. BARRETO (Org.) Terapia Comunitária: tecendo redes para a transformação social: saúde, educação e políticas públicas (pp. 19-26). SP: Casa do Psicólogo, ABRATECOM.

Bernardes, C.; Barbas, M. C.; Pereira, M.F. (2003). Multiplicadores Reflexivos. Nova Perspectiva Sistêmica, 20, pp. 40-22.

Brasil. Presidência da República – Casa Civil – Subchefia para Assuntos Jurídicos Lei Orgânica de Assistência Social – LOAS, no. 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Disponível em: . .Acesso em: Jan. 2014.

Bock, A. M. B. (2008). O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica. Psicologia em foco. Aracaju, vol. 1(1). Jul./dez.

Campos, R. O. (2001). Clínica: a palavra negada – sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de Saúde Mental. In: Saúde debate; 25(58):98-11, maio/ago.

Czeresnia, D. (2009). O conceito de Saúde e a diferença entre Prevenção e Promoção. In: D. CZERESNIA, C. M. FREITAS (org.) Promoção da Saúde – conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, pp. 43-57.

Conselho Federal De Psicologia (2014) - Centro de Referências Técnicas em Psicologia e Saúde Pública (CREPOP). Referência técnica para atuação do Psicólogo no CRAS/SUAS. Brasília, Conselho Federal de Psicologia, Brasília - DF/2007. Disponível em: <http://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2007/08/cartilha_crepop_cras_suas.pdf>. Acesso em: 29 Mai. 2014

Cunha, M. Pereira. (2010). Os Andaimes do Novo Voluntariado. São Paulo: Cortez.

Féres-Carneiro, T.; Lo Bianco, A. C. (2003). Psicologia clínica: uma identidade em permanente construção. In: O. H. YAMAMOTO, V. V. GOUVEIA, Construindo a psicologia brasileira: desafios da ciência e prática psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 99-120.

Figueiredo, L. C. M. (2004). Revisitando as psicologias – da epistemologia à ética das práticas e discursos psicológicos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Freire, P. (1983). Pedagogia do Oprimido. 13ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Grandesso, M. (2006). Sobre a Reconstrução do Significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica (orig. 2001). SP: Casa do Psicólogo.

Gergen, K. J.; Gergen, M. Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2010.

Grandesso, M. (2001). Terapias pós-modernas. Trabalho apresentado no Congresso da IFTA, em P. Alegre, em Nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: janeiro de 2010.

Lefevre, F. Lefevre A. M. C. (2004). Promoção de Saúde – a negação da negação. Rio de Janeiro: Vieira e Lent.

Lima, M. J. (2010). A Competência Social do Psicólogo: estudo com profissionais de instituições no atendimento às famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Lima, M. J. (2015). A Clínica Psicológica como Ação Social. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica de SP.

Macedo, R. M. S. (1984). Psicologia e instituição: novas formas de atendimento. São Paulo, Cortez.

Macedo, R. M. S. (2001). Diversidade Cultural: Desafio para o terapeuta familiar. In: M. A. Grandesso (Org.). Terapia e justiça social: respostas éticas a questões de dor em terapia (pp. 41-48). São Paulo: Associação Paulista de Terapia Familiar.

Macedo, R. M. S. (2004). Psicologia clínica: uma conceituação. Jornal do Psicólogo, Jul.- ago.

Macedo, R. M. S. (2006). Pensando a atenção à saúde sistemicamente. IN: C. L. O. C. Moré, R. M. S. Macedo. A Psicologia na Comunidade: uma proposta de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Maturana, H, Varela, F. (2014). A Ontologia da Realidade. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Mejias, N. P. (1984). O Psicólogo, a Saúde Pública e o esforço preventivo. Saúde Pública, São Paulo, (18).

Najmanovich, D. (1998). A Linguagem dos Vínculos. Da independência absoluta à autonomia relativa. In: E. DABAS. Rede in el linguagem de los vínculos. Buenos Aires: Paidos.

Nascimento, M. L., Manzini, J. M. & Bocco, F. (2006). Reinventando as práticas psi. Psicologia & Sociedade, vol. 18, n. 1, jan./abr. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822006000100003

Neubern, M. S. (2001). Três Obstáculos Epistemológicos Para o Reconhecimento da Subjetividade na Psicologia Clínica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(1), pp. 241-252.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras.

Sunfeld, A. C. (2010). Clínica Ampliada na atenção básica e processos de subjetivação: relato de uma experiência. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Vol. 20, n. 4, jan./dec. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312010000400002

Vasconcellos, M. J. E. (2002). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, São Paulo, Papirus.

Vasconcellos, M. J. E. (2005). Pensamento sistêmico novo-paradigmático: novo-paradigmático, por quê? In: J. C. Aun, M. J. E. Vasconcellos, S. O. Coelho. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais (pp. 80-90). Vol. I. Belo Horizonte: Ophicina de Arte e Prosa.

Yamamoto, O. H. (2009) Questão social e políticas públicas: revendo o compromisso da Psicologia. In: A. M. B. BOCK, (Org.). Psicologia e o compromisso social (pp. 37-55). 2a ed. Revisada. São Paulo: Cortez.

Yamamoto, O. H. (2010). 50 Anos de profissão: responsabilidade social ou projeto ético-político? Psicologia: ciência e profissão, 2010, 32 (num. esp.), p. 6-17.

Como Citar
Lima, M. J., & de Macedo, R. M. S. (1). A clínica psicológica como ação social. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 19-30. Recuperado de https://revistanps.com.br/nps/article/view/133
Seção
Artigos