Um por todos e todos por um: trabalhando as vivências e contribuições de um grupo de familiares de homens com Transtornos Alimentares

Rosa Maria Stefanini Macedo, Ester Schomer

Resumo


Este estudo tem como objetivo compreender de que forma os membros de famílias de homens com Transtornos Alimentares atribuem significado à sua experiência por meio da participação em 20 sessões terapêuticas em Grupo Reflexivo visando, com esse procedimento, o melhor engajamento de seus filhos no tratamento ambulatorial, conforme resultados de vários estudos científicos relatados na literatura. De acordo com a perspectiva construcionista social, o grupo foi concebido como um espaço de conversação onde novas realidades são construídas e significadas por meio da negociação de sentidos entre os participantes. O “agenciamento” proposto pela teoria adotada foi observado, manifestando-se em atitudes dos membros das famílias e em suas intenções de: manterem-se mais próximos de seus filhos, participarem mais de seu tratamento e fazerem esforços para encarar as dificuldades, encorajando-os a fazer o mesmo.


Palavras-chave


Transtornos alimentares, grupo reflexivo de família, anorexia masculina

Texto completo:

DOC PDF

Referências


ANDERSEN, A.E., HOLMAN, J.E. (1997) Males with eating disorders: challenges for treatment and research. Psychopharmacol. BILL, v. 33v p. 391-397.

ANDERSON, H., GOOLISHIAN, H E., WINDERMAN, L. (1986) Problem determined systems: towards transformation in family therapy. Journal of Strategic and Systemic Therapies, 1986, n. 5; págs. 1-13.

ANDERSON, H; GOOLISHIAN, H. (1993). O cliente é o especialista: Uma abordagem para a terapia a partir de uma posição de não saber. Nova Perspectiva Sistêmica, 2, n.3, p.8-24, 1993.

CORDÁS T.A., CLAUDINO A.M. (2002). Transtornos alimentares: fundamentos históricos, Rev. Bras. Psiquiatria 24 (Supl III): 3-6.

GRANDESSO, M.A. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

GUANAES, C. (2006). A construção da mudança em terapia de grupo: um enfoque construcionista social. São Paulo: Vetor.

MINUCHIN, S., ROSMAN, B.L.Y., BAKER, L. (1978). Psychosomatic families: Anorexia nervosa in context. Cambridge: Harvard University Press.

NUNES, M.A e col. Transtornos Alimentares e Obesidade. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ONNIS, L. (1990). Terapia Familiar de los Transtornos Psicosomaticos. Buenos Aires.

SCHOMER, E.Z. Um por todos e todos por um: Um estudo sobre as possíveis contribuições e vivências de um grupo reflexivo de familiares de pacientes homens com transtornos alimentares. Monografia PUC-SP, 2008.

STIERLIN, H., WEBER, G. (1990). Que hay detrás de la puerta de la família? Barcelona: GEDISA, 1990.

VASCONCELLOS, M.J.E. (2002). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2002.

WHITE, M.; EPSTON, D. Narrative Means to Therapeutic Ends. Nova York, Londres ,1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.