Velhice - considerações sobre o envelhecimento: imagens no espelho

Divina de Fátima dos Santos, Maria Arlene de Almeida Moreira, Ceneide Cerveny

Resumo


Este artigo apresenta um estudo baseado na auto-imagem e na identidade social sob a ótica dos idosos. Os autores utilizaram uma abordagem qualitativa para as narrativas dos 24 participantes, de ambos os sexos, todos com mais de 70 anos e que foram colhidas em 2011. Os participantes são residentes em diversas cidades do Estado de São Paulo, têm diferentes graus de escolaridade e pertencem a classes sociais distintas. As recomendações éticas e de sigilo foram seguidas. O estudo objetivou entender o significado de envelhecer para essas pessoas na sociedade em que vivem. O roteiro formulado se compôs de perguntas semidirigidas para serem completadas, segundo os sentimentos e reflexões dos participantes. Versavam sobre o tempo vivido, os sonhos da juventude e de agora, como se viam e são vistos hoje; as carências que sentiam então e sentem hoje. As respostas obtidas foram categorizadas segundo a visão dos entrevistados, comparativamente, na consideração do tempo vivido e das esperanças de futuro e do presente que vivem hoje. Os resultados obtidos indicam que muitos desses idosos se sensibilizam com suas próprias condições de velhos, com sua imagem e sua identidade social.


Palavras-chave


envelhecimento, imagem e identidade social, retratos do envelhecimento no Brasil

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Almeida, J.A.M. (2005). Sobre a anamorfose: identidade e emancipação na velhice. Tese de Doutorado, PUCSP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Alves, A. M. (2007). Os idosos, as redes de relações sociais e as relações familiares. In A. L. NERI. (Org). Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na Terceira Idade. São Paulo: SESCSP.

Barros, M.M.L. (2006). Trajetória dos estudos de velhice no Brasil. Sociologia, Problemas e Práticas, 52, 109-132.

Beauvoir, S. (1990). A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bauman, Z. (2011). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Brandão, V.(2009). A construção do saber gerontológico: reflexões interdisciplinares. In: L.E.L.R. Valle, G. Zarebski, & E.L.R. Valle. Neurociência na melhor idade. Ribeirão Preto: Novo Conceito.

Brandão, V.M.A.T., Mercadante, E.F. (2009). Envelhecimento ou longevidade? São Paulo: Papirus.

Campedelli, M.A. (2009). A identidade do velho no mundo contemporâneo. Tese de Doutorado: PUCSP, São Paulo São Paulo, Brasil.

Cardoso, A., Rosset, J. (2009). Estética, saúde e bem estar: o que está causando um vazio na vida do ser humano? Anais do Encontro Paranaense, Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais. Centro Reichiano, Curitiba, Paraná, Brasil, 15 e 9. Recuperado de www.centroreichiano.com.br/artigos.pdf.

Ceccim, R.B., & Palombini, A.L. (2009). Imagens da infância, devir criança e uma formulação à educação do cuidar. In MAIA, M.S. (Org.). Por uma ética do cuidado. Rio de Janeiro: Garamond.

Cerveny, C.M.O. (2010). Visitando a família ao longo do ciclo vital. (3ª edição). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ciampa, A.C. (2005). A estória de Severino e a história de Severina. São Paulo: Brasiliense.

Debert, G.G. (2004). A invenção da Terceira Idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Recuperado de: www.anpocs.org.br.

Erikson, E. (1998). O ciclo de vida completo. Porto Alegre: Artes Médicas.

Ferrigno, J.C. (2009). Educação para os velhos, educação pelos velhos e a coeducação entre as gerações: Processos de educação não formal e informal. In: M. B. Park, & L.A. Groppo. (Org.) Educação e velhice. Holambra: São Paulo.

Figueiredo, L.C.M. (2009). As diversas faces do cuidar: considerações sobre a clínica e a cultura. In M.S. Maia. (Org.) Por uma ética do cuidado. Rio de Janeiro: Garamond.

Fortes, I. (2004). O sofrimento na cultura atual: hedonismo versus alteridade. In: C. A. Peixoto Jr. (Org.). Formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Goldfarb, D.C. (2010). Depressão e envelhecimento na contemporaneidade. Recuperado de www.portaldoenvelhecimento.org.br.

IBGE 2010. Dados do Censo de 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Disponível In: www.ibge.gov.br, 2010;

Lopes, R.G. C., & Santos, D.F. (2009). A família e o idoso. In: L.E.L.R. Valle, G. Zarebski, E.L.R. Valle. Neurociências na melhor idade. Ribeirão Preto: Nova Conceito.

Marques, A.M. (2009). Reflexões sobre o envelhecer nas últimas décadas do século XX. Territórios e Fronteiras, 2(1).

Mercadante, E. F. (1997). A construção da identidade e subjetividade do idoso. Tese de Doutorado: PUCSP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Mercadante, E.F. (2009). Velhice: uma questão complexa. In: B. Corte, E.F. Mercadante, I.A. Arcuri (2009). Velhice, envelhecimento e complex(idade). São Paulo: Vetor.

Messy, J. (1999). O espelho quebrado. In: A. B. Motta. A pessoa velha não existe. São Paulo: Aleph.

Mucida, A. (2006). O sujeito não envelhece: psicanálise e velhice. (2ª. Ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Mucida, A.(2009). A escrita de uma memória que não se apaga: envelhecimento e velhice. (2ª. Ed.) Belo Horizonte: Autêntica.

Neri, A. L. (2001). Envelhecimento e qualidade de vida na mulher. Trabalho apresentado no II Congresso de Geriatria e Gerontologia. Campinas;

Neri, A. L. (2004). Velhice bem-sucedida: aspectos afetivos e cognitivos. Psico- USF, 9 (1):109-110.

Neri, A. L. (Org.) (2007). Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: SESC-SP.

Papalia, D.E., Olds, S.W., & Feldman, R.D. (2006). Desenvolvimento humano. (8ª Ed.) Porto Alegre: Artmed.

PEIXOTO, C.E.(2003). “Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso, terceira idade...” In: M.M. Lins de Barros (org). Velhice ou Terceira Idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política (3ª. Ed.), Rio de Janeiro: FGV Editora. PP.57-84.

Py L.(2004). Envelhecimento e subjetividade. In L. PY, et.al. Tempo de envelhecer: percursos e dimensões psicossociais. Rio de Janeiro: NAU.

Rebouças, M. (2012) O discurso do sujeito: idosos em São Paulo. Revista A Terceira Idade, 23, 53: 30-43. Disponível em: www.sessp.org.br/online/revistas/edições/ 425_ENVELHECIMENTO+E+ELABORACAO+PERDAS#/tagcloud=lista.

Santos, D. F. (2010) Relações intergeracionais: palavras que estimulam. Dissertação de Mestrado, PUCSP, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Santos, D.F., Tomazoni, A.M.R., Lodovici, F.M.M., Medeiros, S.A.R. (2010). A arte de morar só e ser feliz na velhice. Caderno Temático Kairós Gerontologia, 8, 109-123. Recuperado de: http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/6918/5010.

Silva, T.T. (2000). (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Silva, T.C.M., Amazonas, M.C.L.A., Vieira, L.L.F. (2010). Família, trabalho, identidade de gênero. Maringá: Psicologia em Estudos.

Toni, I.M. (2011). Reconstruindo a identidade na Velhice através da Educação. PUCSP: Portal do Envelhecimento. Recuperado de www.portaldoenvelhecimento.org.br.

Totora, S. (2008). Apontamentos para uma ética do envelhecimento. Kairós, 11, 1, 21-38.

Winnicott, D.W. (2011). Tudo começa em casa. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.