Estudante e aprendizagem: relações mutualmente construídas

Caroline Battistello Cavalheiro de Souza, Bruno Lenzi

Resumo


Motivados pelo sofrimento e transformação de uma cliente ao longo do processo terapêutico, este artigo apresenta reflexões resultantes de um estudo de caso sócio construcionista acerca dos significados atribuídos às “dificuldades de aprendizagem” para uma estudante de 15 anos. A pesquisa utilizou como caminho metodológico relatos da estudante, entrevista se-mi-estruturada e reflexões da autora/ terapeuta. Percebemos que ao longo das nossas conver-sações os significados atribuídos ao TDAH transformaram-se, pois já não tinham peso de “dificuldades”. Uma nova forma de relacionamento com o entorno educacional foi construída, uma que presa pela singularidade e responsabilidade relacional.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n62a05


Palavras-chave


Terapia dialógica colaborativa; Pesquisa qualitativa pós-moderna; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. (2009). Conversação, Linguagem e Possibilidades: um enfoque pós-moderno da terapia. São Paulo: Roca.

Anderson, H. (2011). Uma perspectiva colaborativa sobre ensino e aprendizado: a criação de comunidades de aprendizado criativo. Nova Perspectiva Sistêmica, 20(41), 35-53.

Anderson, H. (2017). A postura filosófica: o coração e a alma da prática colaborativa. In M. Grandesso (Org.), In Práticas colaborativas e dialógicas em distintos contextos e populações: um diálogo entre teoria e prática (pp. 21-34). Curitiba: CRV.

César, A. B. C. (2014). TDAH: o problema e seu nome para além das categorias diagnósticas. Nova Perspectiva Sistêmica, 49(23), 34-47.

Freire, P. (1996). Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Gergen, K. J. (1997). Realities and relationships. Cambridge: Harvard University Press.

Gergen, K. J. (2009). Construção social e comunicação terapêutica. Nova Perspectiva Sistê-mica, 18(33), 9-36.

Gergen, K. J, Hoffman, L., & Anderson, H. (1996). Is Diagnosis a Disaster? A Constructionist Trialogue. In: F. W. Kaslow (Ed.), Handbook of relational diagnosis and dysfunctional family patterns (pp. 102-118). New York, US: John Wiley & Sons.

Guimarães, L. A., Castelfranchi, M., & Izique, P. (2017). A sala de aula: um encontro entre seres humanos. In Práticas colaborativas e dialógicas em distintos contextos e populações: um diálogo entre teoria e prática (pp. 631-654). Curitiba: CRV.

Laurentino, J. (2017). Considerações sobre a prática pós-moderna no trabalho em torno da desconstrução da identidade construída a partir do diagnóstico de transtorno mental. In Práticas colaborativas e dialógicas em distintos contextos e populações: um diálogo entre teoria e prática (pp. 247- 270). Curitiba, PR: CRV.

Martini, M. L & Boruchovitch, E. (2004). A teoria da atribuição de causalidade: contribuições para a formação e atuação de educadores. Campinas, SP: Alínea.

Mcnamee, S. (2014). Construindo conhecimento/ construindo investigação: coordenando mundos de pesquisa. In C. Guanaes-Lorenzi & M. Mocheta (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 105-132). Rio de Janeiro: Instituto NOOS.

Mcnamee, S. (2015). Radical presence: Alternatives to the therapeutic state, European Journal of Psychotherapy & Counselling, 17(4), 373-383.

Mcnamee, S. (2007). Relational Practices in Education: Teaching as Conversation. In Col-laborative Therapy: relationships and conversations that make a difference (pp. 313-336). London: Routledge.

Mcnamee, S. & Gergen, K. (1999). Relational Responsibility: Resources For Sustainable Dialogue. Thousand Oaks: Sage.

Shagoury, R. & Miller, B. (2000). El arte de la indagación en el aula: manual para docentes investigadores. Barcelona: Gedisa

Spink, M. J. P. & Medrado, B. (2000). Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In M. J. P. Spink (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas (pp. 26-37). São Paulo: Cortez.

White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia