Mulheres que vivenciaram violência conjugal: concepções sobre suas ações, o homem autor e a experiência

Paola Rodegheri Galeli, Clarissa de Antoni

Resumo


Esse estudo qualitativo buscou compreender a violência conjugal por meio das concepções de cinco mulheres, de 23 a 36 anos, que estavam envolvidas em processo judicial contra o homem autor da violência e afastadas deles há tempo mínimo de oito meses. Foi aplicado questionário com dados sociodemográficos e uma entrevista semiestruturada englobando aspectos do relacionamento, da violência, denúncia e período após separação. Após análise, originaram-se três categorias sobre as concepções dessas mulheres em relação a: (a) suas próprias ações; (b) o homem autor de violência e (c) a violência. Os resultados revelam compreensão sobre o fenômeno da violência durante o período em que a vivenciavam, por vezes, não qualificando as ações como abusivas, favorecendo a manutenção da violência no subsistema conjugal. Pode-se perceber concepção mais crítica durante o processo de afastamento do homem autor da violência. Nesse estudo, a forma de encerrar o ciclo de violência foi rompendo a relação.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n61a05


Palavras-chave


violência contra a mulher; mulher; conjugalidade; homem

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições70.

Casique, L. & Furegato, A. R. (2006). Violência contra mulheres: reflexões teóricas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(6), 137-144. doi: 10.1590/S0104-11692006000600018.

Dutra, M. L., Prates, P., Nakamura, E., & Villela, W. V. (2013). A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5), 1293-1304. doi: 10.1590/S1413-81232013000500014

Falcke, D., Boeckel, M. G., Arpini, D. M., & Madalena, M. (2015). Violência conjugal: em marido e mulher se mete a colher? In: A. Wagner, C. R. Mosmann & D. Falcke. Viver a dois: oportunidades e desafios da conjugalidade (pp. 79-99). São Leopoldo, RS: Editora Sinodal.

Falcke, D., Oliveira, D. Z., Rosa, L. W., & Bentancur, M. (2009). Violência conjugal: um fenômeno interacional. Contextos Clínicos, 2(2), 81-90. doi:10.4013/ctc.2009.22.02

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Fonseca, R. M. G. S. (1997). Espaço e gênero na compreensão do processo saúde-doença da mulher brasileira. Revista Latino Americana de Enfermagem, 5(1), 5-13. doi: 10.1590/S0104-11691997000100002

Gomes, N. P., Garcia, T. C. S., Conceição, C. R., Sampaio, P. O., Almeida, V. C., & Paixão, G. (2012). Violência conjugal: elementos que favorecem o reconhecimento do agravo. Saúde em Debate, 36(95), 514-522. doi: 10.1590/S0103-11042012000400003

Guimarães, F. L. & Diniz, G. R. S. (2017). Masculinidades, anestesias relacionais e violência conjugal contra mulher. In A. Beiras & M. Nascimento, Homens e violência contra a mulher: pesquisas e intervenções no contexto brasileiro (pp. 82-113). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Hutz, C. S. & Zanon, C. (2011). Revisão da adaptação, validação e normatização da escala de autoestima de Rosenberg. Avaliação Psicológica, 10(1), 41-49.

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec.

Miranda, M. P. M., Paula, C. S., Bordin I. A. (2010). Violência conjugal física contra a mulher na vida: prevalência e impacto imediato na saúde, trabalho e família. Revista Panamericana de Salud Publica, 27(4), 300-308. doi: 10.1590/S1020-49892010000400009

Myers, D. G. (2014). Psicologia social (10º ed). Porto Alegre: Artmed.

Organização Mundial da Saúde – OMS. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Brasília, DF: Autor.

Schraiber, L. B., D’Oliveira, A. F. P. L., Couto, M. T., Hanada, H., Kiss, L.B., Durand, J. G. et al. (2007). Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo. Revista de Saúde Pública, 41(3), 359-367. 10.1590/S0034-89102007000300006

Shavelson, R. J. & Bolus, R. (1982). Self-concept: The inter-play of theory and methods. Journal Educational Psychology, 74(1), 3-17.

Silva C. D., Gomes, V. O., Acosta, D. F., Barlem, E. D., & Fonseca, A. D. (2013). Epidemiologia da violência conjugal: características do agressor e do ato violento. Revista de Enfermagem (UFPE), 7(1), 8-14. doi: 10.5205/reuol.3049-24704-1-LE.0701201302


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.