Conceito de família contemporânea: uma revisão bibliográfica dos anos 2006-2010

Raiane Straiotto Piato, Rozilda das Neves Alves, Sheila Regina Camargo de Martins

Resumo


O objetivo da pesquisa foi caracterizar as estruturações familiares na atualidade, por meio de uma revisão bibliográfica das publicações sobre família nos anos de 2006 a 2010. Analisou-se 61 artigos, buscando identificar qual a configuração de família evidente em cada um destes e qual a conotação de família que se mostrava subjacente. Os resultados permitiram a criação das seguintes categorias de sentido: família nuclear, monoparental, extensa, patriarcal, plural, com pais homossexuais, adotivas e famílias que optam por não terem filhos. Identifica-se a prevalência do modelo burguês de família nuclear como a ideal; um ranço do movimento higienista no Brasil que defende a família nuclear como sinônimo de bem estar para seus membros. Os resultados, contudo mostram que a família nuclear não é necessariamente satisfatória.


Palavras-chave


configuração familiar, contemporaneidade, família nuclear, transformações sociais

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C. C., Costa, G. O., & Gomes, K. V. (2009). Segredos e conflitos familiares: um estudo de caso. Revista do Nesme, 6(1), 88-99.

Andrade, L. F., & Romagnoli, R. C. (2010). O Psicólogo no CRAS: uma cartografia dos territórios subjetivos. Psicologia Ciência e Profissão, 30(3), 604-619. doi: 10.1590/S1414-98932010000300012.

Andreani, G., Custódio, Z. A. O., & Crepaldi, M. A. (2006). Tecendo as redes de apoio na prematuridade. Aletheia, (24), 115-126.

Anton, M. C., & Piccinini, C. A. (2010). O impacto do transplante hepático infantil na dinâmica familiar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(2), 187-197. doi: 10.1590/S0102-79722010000200001.

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

Barbosa, S. M., Costa, P. N. T., & Vieira, N. F. C. (2008). Estágios de mudança dos pais nas conversas com os filhos sobre prevenção Hiv/Aids. Revista latino-americana Enfermagem, 16(6), 81-87. doi: 10.1590/S0104-11692008000600013.

Barbosa, P. Z., & Pegoraro, R. F. (2008). Violência doméstica e Psicologia Hospitalar: possibilidades de atuação diante da mãe que agride. Saúde Sociedade, 17(3), 77-89. doi: 10.1590/S0104-12902008000300009.

Barboza, A. L. A., Chic, E. R. G. A., Martines, E. L. C. D., & Nascimento, T. G. (2009). Mães de Sonhos: uma proposta de reflexão e intervenção nas relações familiares. Saúde e Sociedade, 18(sup.1), 57-62. doi: 10.1590/S0104-12902009000500010.

Barros, P. C. M., Lima, A. O., Frej, N. Z., & Melo, M. F. V. (2009). Era uma casa ...!? Discurso, dinâmica familiar e contingências da rua. Psicologia em Estudo, 14(3), 447-453. doi: 10.1590/S1413-73722009000300005.

Beltrame, G. R., & Bottoli, C. (2010). Retratos do envolvimento paterno na atualidade. Barbarói, (32).

Birman, J. P. (2009). Perverso e Biopolítica. Psicologia Clínica, 21(2), 381–396. doi: 10.1590/S0103-56652009000200009.

Brito, E. S., & Rabinovich, E. P. (2008). A família também adoece!: Mudanças secundárias à ocorrência de um acidente vascular encefálico na família. Comunicação Saúde Educação, 12(27), 738-794. doi: 10.1590/S1414-32832008000400009.

Böing, E., Crepaldi, M. A., & Moré, C. L. O. O. (2008). Pesquisa com famílias: aspectos teóricos-metodológico. Paidéia, 18(40), 251-266. doi: 10.1590/S0103-863X2008000200004.

Borge, P. L. C., Breta, R. P., Azevedo, S. F., & Barbosa, J. M. M. (2008). Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais. Cadernos de Saúde Pública, 24(12), 2798-2808. doi: 10.1590/S0102-311X2008001200008

Cantelmo, C. A., Matta, K. W., Costa, L. F., & Paiva, K. L. (2010). Vitimização secundária: o irmão testemunha o abuso sexual da irmã. Boletim de Psicologia, LX(132), 015-028.

Carvalho, C. M. L., & Galvão, M. T. G. (2008). Enfrentamento da AIDS entre mulheres infectadas em Fortaleza – CE. Revista da Escola de Enfermagem, 42(1), 90-97. doi: 10.1590/S0080-62342008000100012.

Castro, E. H. B. (2010). A experiência do câncer infantil: repercussões familiares, pessoais e sociais. Revista Mal-estar e Subjetividade, X(3), 971-994.

Cezar-Ferreira, V. A. M. (2004). Família, Separação e Mediação: uma visão psicojurídica. São Paulo: Método.

Costa, N. R. A., & Ferreira, M. C. R. (2007). Tornar-se pai e mãe em um processo de adoção tardia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 425-434. doi: 10.1590/S0102-79722007000300010.

Costa, L. F., Penso, M. A., Rufini, B. R., Mendes, J. A. A., & Borba, N. F. (2007). Família e abuso sexual: silêncio e sofrimento entre a denúncia e a intervenção terapêutica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59(2), 245-255.

Costa, R. P. B., Lima, M. C. P., & Pinheiro, C. V. Q. (2010). Os impasses da educação na adolescência contemporânea. Boletim de Psicologia, LX(132), 097-106.

Crepaldi, M. A., Andreani, G., Hammes, P. S., Ristof, C. D., & Abreu, S. R. (2006). A participação do pai nos cuidados da criança: segundo a concepção de mães. Psicologia em Estudo, 11(3), 579–587. doi: 10.1590/S1413-73722006000300014

Cruz, L., & Guareschi, N. (2004). Sobre a psicologia no contexto da infância: da psicopatologização à inserção política. Aletheia, (20), 77-90.

Dessen, M. A. (2010). Estudando a família em desenvolvimento: desafios conceituais e teóricos. Psicologia Ciência e Profissão, 30(nº especial), 202-219. doi: 10.1590/S1414-98932010000500010.

Dias, A. B., & Aquino, E. M. L. (2006). Maternidade e paternidade na adolescência: algumas constatações em três cidades do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(7), 1447-1458. doi: 10.1590/S0102-311X2006000700009

Diniz, N. M. F., Santos, M. F. S., & Lopes, R. L. M (2007). Representações sociais da família e violência. Revista Latino-americana de Enfermagem, 15(6). Retirado de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n6/pt_19.pdf. doi: 10.1590/S0104-11692007000600020.

Dufour, V. (2007). A criança, o bonhomme e a família. Epistemo-somática, IV(2), 29-48.

Falckei, D., & Zordan, E. (2010). Amor, casamento e sexo: opinião de adultos jovens solteiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 143-155.

Ferrari, I. F. (2010). Mulheres encarceradas: elas, seus filhos e nossas políticas. Revista Mal-estar e Subjetividade, X(4), 1325-1352.

Ferro, J. S., & Maluschke, B. (2007). Revisitando questões sobre lei, transgressão e família em suas interações com a Psicologia, a Psicanálise, o Direito e a interdisciplinaridade possível. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(nº. especial), 89-96. doi: 10.1590/S0102-37722007000500017.

Finkel, L. A., & Espíndola, V. B. P. (2008). Cirurgia cardíaca pediátrica: o papel do psicólogo na equipe de saúde. Psicologia para América Latina, (13). Retirado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-350X2008000200004&lng=pt&nrm=iso.

Folly, D. S. G., & Rodrigues, M. R. F. (2010). O fazer do psicólogo e a Síndrome de Down: uma revisão de literatura. Psicologia da Educação, 30, 9-23.

Fonseca, C. (2005). Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade, 14(2), 50-59. doi: 10.1590/S0104-12902005000200006.

Fonseca, A. L. N., Lacerda, M. R., & Maftum, M. A. (2006). O Cuidado transpessoal de enfermagem no domicílio ao portador de transtorno mental e sua família. Cogitare Enfermagem, 11(1), 7-15.

Futino, R. S., & Martins, S. (2006). Adoção por homossexuais – uma nova configuração familiar sob os olhares da psicologia e do direito. Aletheia, (24), 149-159.

Gabardo, R. M., Junges, J. R., & Selli, L. (2009). Arranjos familiares e implicações à saúde na visão dos profissionais do Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 43(1), 91-7. doi: 10.1590/S0034-89102009000100012.

Garbin, C. A. S., Garbin, A. J. I., Arcieri, R. M., & Lima, A. (2007). La percepción de los líderes de la comunidad de la pastoral del niño en la violencia doméstica en las familias asistidas de la zona oeste de Londrina –PR. Acta Odontológica Venezolana, 45(2), 1-5.

Granjeiro, I. A. C. L., & Costa, L. F. (2008). O estudo psicossocial forense como subsídio para a decisão judicial na situação de abuso sexual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(2), 161-169. doi: 10.1590/S0102-37722008000200005.

Grubits, S., Freire, H. B. G., & Noriega, J. A. V. (2009). Influência de aspectos sociais e culturais na educação de crianças indígenas. Psico-USF, 14(3), 365-374. doi: 10.1590/S1413-82712009000300012.

Habigzang, L. F., Azevedo, G. A., Koller, S. H., & Machado, P. X. (2006). Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 379-386. doi: 10.1590/S0102-79722006000300006.

Hines, P. M. (1995). O ciclo de vida familiar nas famílias negras pobres. In: Betty Carter & Monica McGoldrick (Cols.). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. (pp. 440-465). Porto Alegre: Artes Médicas.

Jorge, M. S. B., Ramirez, A. R. A., Lopes, C. H. A. F., Queiroz, M. V. O., & Bastos, V. B. (2008). Representações sociais das famílias e dos usuários sobre participação de pessoas com transtorno mental. Revista da Escola de Enfermagem, 42(1), 135-142. doi: 10.1590/S0080-62342008000100018.

Júnior, N. G. S. S., & Andrade, A. N. (2007). “É melhor pra você!”: normatização social da infância e da família no Brasil. Revista do Departamento de Psicologia, 19(2), 423-438. doi: 10.1590/S0104-80232007000200012.

Mariano, F. N., & Ferreira, M. C. R. (2008). Que perfil da família biológica e adotante, e da criança adotada revelam os processos judiciais? Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 11-19. doi: 10.1590/S0102-7972200800010000.

Martins, C. S., Silva M. A. I., Zahr, N. R., Arone, K. M. B., & Roque, E. M. S. T. (2007). A dinâmica familiar na visão de pais e filhos envolvidos na violência doméstica contra crianças e adolescentes. Revista Latino-americana Enfermagem, 15(5), 889-894. doi: 10.1590/S0104-11692007000500002.

Maux, A. A. B., & Dutra, E. (2010). A adoção no Brasil: algumas reflexões. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 10(2), 356-372.

Minuchin, P., Colapinto, J., & Minuchin, S. (Cols.). (1999). Trabalhando com Famílias Pobres. Porto Alegre: Artes Médicas.

Monteiro, C. F. S., Costa, N. S. S., Nascimento, P. S. V., & Aguiar, Y. A. (2007). A violência intra-familiar contra adolescentes grávidas. Revista Brasileira Enfermagem, 60(4), 373-376. doi: 10.1590/S0034-71672007000400002.

Müller, F. G., Beiras, A., & Cruz, R. M. (2007). O trabalho do psicólogo na mediação de conflitos familiares: reflexões com base na experiência do serviço de mediação familiar em Santa Catarina. Aletheia, (26), 196-209.

Muniz, J. R., & Eisenstein, E. (2009). Genograma: informações sobre família na (in)formação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(1), 72–79. doi: 10.1590/S0100-55022009000100010.

Nascimento, C. C., Coelho, M. R. M., Jesus, M. R. P., & Martins, W. V. (2006). Apego e perda ambígua: apontamentos para uma discussão. Revista mal-estar e subjetividade, VI(2), 426–449.

Nascimento, C. R. R. N., & Trindade, Z. A. (2010). Criando meninos e meninas: investigação com famílias de um bairro de classe popular. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 187-200.

Neuber, L. M. B., Valle, T. G. M., & Palamin, M. E. G. (2008). O adolescente e a deficiência auditiva: as relações familiares retratadas no Teste do desenho em cores da família. Revista Brasileira Crescimento e Desenvolvimento Humano, 8(3), 321-338.

Oliveira, M. H. P. (2009). A representação de si mesmo em narrativas autobiográficas de escritores brasileiros. Memorandum, 17, 107-121.

Paiva, F. S., & Ronzani, T. M. (2009). Estilos parentais e consumo de drogas entre adolescentes: revisão sistemática. Psicologia em Estudo, 14(1), 177-183. doi: 10.1590/S1413-73722009000100021.

Pegoraro, R. F. (2009). Papéis atribuídos à família na produção da loucura: algumas reflexões. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 29(2), 253-273.

Pereira, A. P. A., & Fernandes, K. F. (2010). A visão que o irmão mais velho de uma criança diagnosticada com síndrome de Down possui da dinâmica da família. Estudo e Pesquisas em Psicologia, 10(2), 507-529.

Perucchi, J., & Beirão, A. M. (2007). Novos arranjos familiares: paternidade, parentalidade e relações de gênero sob o olhar de mulheres chefes de família. Psicologia Clínica, 19(2), 57–69. doi: 10.1590/S0103-56652007000200005.

Pinto, M. C. N., & Picon, P. (2009). Adoção: proposta preliminar para uma abordagem psicoterápica cognitivo-comportamental para pais adotantes. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 5(1), 3-17.

Ponciano, E. L. T., & Carneiro, T. F. (2003). Modelos de família e intervenção terapêutica. Interações, VIII(16), 57–80.

Pocinho, M. D., Correia, A., Carvalho, R. G., & Silva, C. (2010). Influência do gênero, da família e dos serviços de psicologia e orientação na tomada de decisão de carreira. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 11(2), 201-212.

Poster, M. (1978). Teoria Crítica da Família. (1ª. Ed.) (Trad. Álvaro Cabral). Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Rios, M. G., & Gomes, I. C. (2009). Casamento contemporâneo: revisão de literatura acerca da opção por não ter filhos. Estudos de Psicologia, 26(2), 215-225. doi: 10.1590/S0103-166X2009000200009.

Rios, M. G., & Gomes, I. C. (2009). Estigmatização e conjugalidade em casais sem filhos por opção. Psicologia em Estudo, 14(2), 311-319. doi: 10.1590/S1413-73722009000200012.

Rojas, M. C. (2010). Secretos y verdades en la familia: Su incidencia en las problematicas de la niñez. Construção Psicopedagógica, 18(16), 24-33.

Santo, A. A. E., Vilela, A. M. J., & Ferreri, M. A. (2006). A imagem da infância nas teses da Faculdade de medicina do Rio de Janeiro - (1832-1930). Psicologia em Estudo, 11(1), 19-28. doi: 10.1590/S1413-73722006000100003.

Santos, M. A., Brochado, J. U., & Moscheta, M. S. Grupo de pais de homossexuais. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 3(2), 1-16, 2007. Retirado de http://www.eerp.usp.br/resmad/artigos.asp.

Schneider, A. C. N., & Ramires, V. R. R. (2007). Vínculo parental e rede de apoio social: relação com a sintomatologia depressiva na adolescência. Aletheia, (26), 95-108.

Severo, A. K. S., Dimenstein, M., Brito, M., Cabral, C., & Alverga, A. R. (2007). A experiência de familiares no cuidado em saúde mental. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59(2), 143-155.

Shine, S. K., & Souza, A. S. L. (2010). Atendendo famílias incapazes de pensar: a perspectiva do psicólogo judiciário. Boletim de Psicologia, LX(132), 1-14.

Silva, P. V. C., & Fleith, D. S. (2010). Fatores familiares associados ao desenvolvimento do talento no esporte. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, 3(4), 19-41.

Silva, J. L., Macedo, R. M. S., Dernt, A. M., & Bergami, N. B. B. (2007). Um estudo das relações interpessoais em famílias com farmacodependentes. Psicologia em Estudo, 12(1), 61-70. doi: 10.1590/S1413-73722007000100008.

Szymanski, H. (2001). A Relação Família/Escola: desafios e perspectivas. Brasília: Plano Editora.

Valentini, F., & Alchieri, J. C. (2009). Modelo clínico de estilos parentais de Jeffrey Young: revisão da literatura. Contextos Clínicos, 2(2), 113-123.

Veras, L., & Moreira, V. (2009). A compreensão do mundo vivido da criança sertaneja com câncer: contribuições do livro “Dudu vai ao hospital”. Revista SBPH, 12(1), 3-16.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a Resiliência Familiar. (Trad. Magda França Lopes) São Paulo: Rocca.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos Rio e São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia