Nova Perspectiva Sistêmica https://revistanps.com.br/nps <p>Leia a revista Nova Perspectiva Sistêmica!</p> <p>ISSN da revista impressa: 0104-7841</p> <p>ISSN da revista on-line:&nbsp;2594-4363</p> CFH-UFSC / Editora Noos-SP pt-BR Nova Perspectiva Sistêmica 0104-7841 <span>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</span><br /><br /><ul><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado simultaneamente sob uma <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank">Licença Creative Commons Attribution</a> após a publicação, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li></ul><br /><ul><li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li></ul><br /><ul><li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_blank">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li></ul> Editorial https://revistanps.com.br/nps/article/view/592 Adriano Beiras Copyright (c) 2020-08-31 2020-08-31 29 67 4 6 RECURSOS DA TERAPIA NARRATIVA DE SESSÃO ÚNICA EM TEMPOS DE PANDEMIA E ISOLAMENTO SOCIAL https://revistanps.com.br/nps/article/view/571 <p>A terapia de sessão única tem sido estudada em seus potenciais terapêuticos e suas possibilidades interventivas em cenários de emergência. No contexto da pandemia do Covid-19, um conjunto complexo de fatores emergem e podem produzir diferentes demandas para intervenções especializadas em saúde mental. Nesse texto, apresentamos as contribuições da modalidade de intervenção em sessão única fundamentada nos pressupostos da terapia narrativa. Iniciamos nosso texto com um esboço da complexidade que marca diferentes experiências da pandemia e isolamento social. Em seguida, apresentamos de forma breve os principais cuidados a serem realizados no atendimento psicológico voluntário brevíssimo, online e em situação de emergências. Na sequência, abordamos a metáfora narrativa e a estrutura, finalidade e passo a passo da terapia narrativa de sessão única. Destacamos a importância da construção um uma agenda de trabalho para delimitação do foco da intervenção, da descrição rica e externalizada do problema, seus efeitos e sua influência na vida do cliente, da busca, reconhecimento e valorização de narrativas alternativas e finalmente da construção de possibilidades de futuras a partir dos recursos identificados na sessão. Acreditamos que os recursos apresentados possam inspirar aplicações em variadas situações, sobretudo ao tomar em consideração a possibilidade de ampliar o acesso ao atendimento psicológico.</p> Laura Vilela e Souza Camila Martins Lion Letícia Trombini Vidotto Murilo Moscheta Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-09-23 2020-09-23 29 67 7 22 10.38034/nps.v29i67.571 O USO DE METÁFORAS COM UM ADOLESCENTE EM PROCESSO PSICOTERAPÊUTICO FAMILIAR https://revistanps.com.br/nps/article/view/517 <p>Neste artigo, buscamos ressaltar as contribuições que as metáforas proporcionam para ampliar os recursos conversacionais entre psicólogo e cliente. Para compreender e refletir, portanto, o processo da família, nosso olhar conversou com o construcionismo social, bem como com as práticas colaborativas e narrativas. O estudo de caso aqui apresentado se refere a um recorte de um processo psicoterápico familiar. O foco, no entanto, serão as sessões das quais o adolescente, que estava em período de adoção, participou individualmente. Escolhemos recortes dessas sessões para exemplificar a forma como coconstruímos a utilização das métáforas, as quais foram utilizadas e propriciaram a conexão da dupla cliente-terapeuta, possibilitando ressignificar os sentimentos e emoções desse adolescente sobre algumas questões importantes da sua história, incluindo a estigmatização que marcava suas falas sobre quem acreditava ser – um adolescente malvado e não amado.</p> Mariana Peres Trajano Monica Duarte da Silva Gonçalves Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 23 40 10.38034/nps.v29i67.517 A CONJUGALIDADE DIANTE DO ENFRENTAMENTO DE MÚLTIPLOS ESTRESSORES: UM ESTUDO DE CASO SOBRE UMA TERAPIA DE CASAL INVOLUNTÁRIA https://revistanps.com.br/nps/article/view/515 <p>Neste artigo, investigou-se a experiência da conjugalidade em um contexto de múltiplos estressores. Realizou-se um estudo de caso do qual participou um casal que iniciou o processo terapêutico por recomendação da instituição em que seus filhos se encontravam acolhidos. Os dados foram submetidos a uma análise narrativa e discutidos a partir da abordagem sistêmica, com o intuito de compreender a dinâmica relacional do casal e refletir sobre estratégias e intervenções a serem utilizadas nesse contexto. Destacaram-se as dificuldades enfrentadas pela sobreposição de múltiplos estressores, como uso abusivo de álcool e drogas, violência doméstica e acolhimento dos filhos. Destaca-se a necessidade de uma abordagem terapêutica contextualizada.</p> Ana Dóris Silva Isabela Machado da Silva Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 41 55 10.38034/nps.v29i67.515 CARACTERÍSTICAS DO RELACIONAMENTO CONJUGAL DE CASAIS QUE OPTARAM POR NÃO TER FILHOS https://revistanps.com.br/nps/article/view/559 <p>Esta pesquisa teve como objetivo descrever características do relacionamento conjugal de casais sem filhos por opção, elencando as razões que os levaram a optarem por tal decisão e compreender seu nível de satisfação no que concerne ao seu relacionamento conjugal através de uma pesquisa qualitativa de cunho exploratório. Participaram 10 casais, sendo cinco casais adultos jovens (18 a 30 anos) e cinco casais adultos (31 a 60 anos). A coleta de dados foi realizada através de um formulário on-line e os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo proposta por Bardin. Os resultados foram compilados em quatro categorias que mostraram as dinâmicas envolvidas no desejo de não ter filhos, sendo: 1) Falta de desejo de ter filhos; 2) Desenvolvimento da carreira profissional; 3) A responsabilidade exigida para a criação de um filho; 4) estabilidade financeira. Por fim, o estudo demostrou que os casais estavam satisfeitos com seus relacionamentos e que enfrentavam alguns estigmas baseados em gênero por conta da decisão da não maternidade/paternidade.</p> Ingrid Mesquita Coelho Daniel Cerdeira de Souza Iolete Ribeiro da Silva Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 56 69 10.38034/nps.v29i67.559 SAÚDE MENTAL FEMININA E CICLO REPRODUTIVO: UMA REVISÃO DE LITERATURA https://revistanps.com.br/nps/article/view/560 <p>Este artigo objetiva refletir criticamente sobre a produção na literatura a respeito do adoecimento mental de mulheres em relação ao ciclo reprodutivo feminino, com destaque para marcadores sociais como raça e classe social. Trata-se de um recorte da revisão de literaura de uma tese que selecionou 80 artigos, correspondente à categoria “ciclo reprodutivo”, totalizando 22 artigos. Na introdução fazemos uma retomada histórica da associação do ciclo reprodutivo à saúde mental feminina, advinda de uma leitura essencialista da mulher e da medicalização de seu corpo. Como referencial teórico, adotamos a Psicologia Social Construcionista e o Feminismo Interseccional. A pesquisa foi realizada na Biblioteca Virtual em Saúde e caracteriza-se como revisão de literatura integrativa. Na seleção consideramos artigos em inglês, português e espanhol no período entre 2014 a 2018. Os textos foram divididos em subtemas relacionados ao objetivo do artigo, considerando o transtorno mental e algum período do ciclo reprodutivo feminino. Os achados da revisão enfocam os determinantes sociais envolvidos no adoecimento feminino, como pobreza, sobrecarga de trabalho e violência. Concluímos que as informações do estudo permitem desessencializar o adoecimento mental feminino, indicando que as atribuições sociais às mulheres têm sido fonte de adoecimento para elas.</p> Ana Carolina Medrado Mônica Lima Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 70 84 10.38034/nps.v29i67.560 ESTRATÉGIAS DE ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DA PARENTALIDADE ADOTIVA: NOTAS SOBRE EXPERIÊNCIAS GRUPAIS https://revistanps.com.br/nps/article/view/549 <p>O presente artigo objetiva analisar a importância de espaços grupais no acompanhamento psicológico, tanto dos pretendentes à adoção, quanto das mães e pais após a adoção. Ao todo realizou-se três grupos de seis encontros cada, durante o ano de 2019. Os grupos eram gratuitos, fechados, quinzenais e ocorriam no período noturno em um serviço de atendimento psicológico de uma universidade pública do Brasil. Como método de análise da intervenção, foram aplicados questionários antes e depois da realização dos grupos. Os questionários preenchidos foram tabulados e categorizados para análise qualitativa e descritiva dos dados. Os principais resultados apontam para os espaços grupais como locais profícuos para elaboração das motivações e angústias que caracterizam o processo adotivo. Sinaliza-se a necessidade de construção e complexificação de políticas públicas, voltadas à parentalidade adotiva, que promovam acompanhamentos grupais, tanto aos pretendentes, quanto às mães e pais por adoção.</p> Paulo Ricardo de Araújo Miranda Juliana Gomes Fiorott Andréia Isabel Giacomozzi Andréa Barbará da Silva Bousfield Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 85 97 10.38034/nps.v29i67.549 DA SUSPEITA AO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER INFANTOJUVENIL: A EXPERIÊNCIA DE FAMILIARES EM SERVIÇOS DE SAÚDE https://revistanps.com.br/nps/article/view/563 <p>Este trabalho buscou compreender a experiência de familiares de crianças e adolescentes com câncer, nos serviços de saúde, desde os primeiros sinais e sintomas da doença até a comunicação do diagnóstico. Trata-se de um estudo qualitativo realizado com 20 cuidadores familiares de crianças e adolescentes que estavam em tratamento oncológico em um hospital público da Paraíba. Recorreu-se à entrevista semiestruturada para apreensão dos dados e à análise de conteúdo, do tipo temático, para a organização e análise dos resultados. O processo de análise permitiu a construção de três categorias temáticas: Em busca de um diagnóstico; Diagnóstico; e Mudanças no sistema familiar. Recorrer a vários serviços de saúde, esperar pelo diagnóstico e, por vezes, receber diagnósticos errados causaram sofrimento na família, que geralmente sentia-se negligenciada e impotente. Apesar de grande parte dos cuidadores avaliar a comunicação do diagnóstico como adequada, as reações dos cuidadores expressaram o choque surgido pela notícia. Nesse cenário, identificou-se uma maior união na maioria das famílias e mudanças de rotina e papéis, no sentido de adaptação à adversidade inesperada. Ressalta-se a importância de repensar as práticas de cuidado na rede de assistência oncológica, assegurando uma postura de acolhimento e vínculo, a partir da ótica da integralidade.</p> Beatriz Lima Figueirêdo Sibelle Maria Martins de Barros Maria Angélica Carvalho Andrade Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 98 113 10.38034/nps.v29i67.563 INICIANDO O DIÁLOGO - A ENTREVISTA https://revistanps.com.br/nps/article/view/593 Pedro Martins Marina Arante Adriano Beiras Copyright (c) 2020-08-31 2020-08-31 29 67 114 127 TECENDO REDES, CONSTRUINDO PONTES: ATENDIMENTO A UMA FAMÍLIA MIGRANTE NA CLÍNICA DE FAMÍLIA DO INSTITUTO NOOS https://revistanps.com.br/nps/article/view/594 Maria Gabriela Mantaut Leifert Copyright (c) 2020-08-31 2020-08-31 29 67 128 131 RESPONSIVIDADE REFLEXIVA: UM CONCEITO PARA MEIOS CRIATIVOS DE TRANSFORMAÇÃO EM PRÁTICAS COLABORATIVAS-DIALÓGICAS https://revistanps.com.br/nps/article/view/595 Alexandra R. Moreira Copyright (c) 2020-08-31 2020-08-31 29 67 132 134 MERGULHANDO EM IDEIAS ENERGIZANTES: EM BUSCA DE UMA COMPLEXA DEFINIÇÃO DE MENTE https://revistanps.com.br/nps/article/view/523 Edna Lúcia Tinoco Ponciano Copyright (c) 2020 Nova Perspectiva Sistêmica 2020-08-31 2020-08-31 29 67 135 138 “FUTURO PÓS-PANDEMIA: QUE MUNDO QUEREMOS CONSTRUIR?” ECOS DO SÉTIMO ZOOMPARTILHANDO DO ICCP-INTERFACI COM SAÚL FUKS https://revistanps.com.br/nps/article/view/597 Marilene Grandesso Graziella Jones Mofarrej Valéria Nicolau Paschoal Copyright (c) 2020-08-31 2020-08-31 29 67 139 142