Aposentadoria e família: as repercussões da intergeracionalidade nas experiências de casais aposentados

Marcos Henrique Antunes, Dulce Helena Penna Soares, Carmen Leontina Moré

Resumo


A aposentadoria é considerada um evento que acarreta intensa transformação no funcionamento familiar. Nesse contexto, o objetivo desta investigação foi compreender as repercussões da intergeracionalidade nas experiências de casais aposentados. O estudo foi de natureza qualitativa, sendo realizadas entrevistas semiestruturadas e aplicado o Genograma Familiar em 06 casais que encontravam-se aposentados há, pelo menos, um ano. Os dados foram organizados e analisados por meio da Grounded Theory. Os resultados evidenciaram que a intergeracionalidade influenciou nos padrões relacionais dos participantes neste período da vida, por meio de ações ou reações aos modelos visualizados nas gerações passadas. Destaca-se a importância de considerar a intergeracionalidade como recurso problematizador do processo de aposentadoria, para o melhor acolhimento das mudanças familiares.


Palavras-chave


Aposentadoria. Família. Casal. Intergeracionalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Andolfi, M. (1980). A terapia familiar. Lisboa: Vega.

Andolfi, M. (2003). Manual de psicología relacional: la dimension familiar. Colombia: La Sillueta Ediciones Ltda.

Antunes, M. H. (2014). Entre “o mito do pijama” e “o projeto de ser feliz”: as repercussões da aposentadoria na dinâmica relacional familiar na perspectiva do casal. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Antunes, M. H., Soares, D. H. P., & Silva, N. (2013). Aposentadoria e Contexto Familiar: um estudo sobre as orientações teóricas da produção científica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 3, 45-56.

Ariès, P. (1981). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

Azevedo, R. P. C., & Carvalho, A. M. A. (2006). O lugar da família na rede social do lazer após a aposentadoria. Revista brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, 16(3), 76-82.

Boszormenyi-Nagy, I., & Spark, G. M. (2003). Lealtades Invisibles: reciprocidad en terapia familiar intergeneracional. Buenos Aires: Amorrortu.

Bowen, M. (1998). De la família al individuo: la diferenciación del si mismo en el sistema familiar. Buenos Aires: Paidós.

Brasil - Conselho Nacional de Saúde. (1996). Resolução No. 196 de 10 de Outubro de 1996. Recuperado em 24 maio, 2013, de http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/reso196.doc.

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (2nd ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Cerveny, C. M. O. (2001). A família como modelo: descontruindo a patologia. São Paulo: Livro Pleno.

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (1997). Família e Ciclo Vital: nossa realidade em pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (2002). Visitando a família ao longo do ciclo vital. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Couto, M. C. P. P., Prati, L. E., Falcão, D. V. S., & Koller, S. H. (2008). Terapia Familiar Sistêmica e idosos: contribuições e desafios. Revista de Psicologia Clínica, 20(1), 135-162.

Denton, F. T., & Spencer, B. G. (2009). What is retirement? A review and assessment of alternative concepts and measures. Canadian Journal on Aging, 28(1), 63-76.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2000). Handbook of qualitative research (2nd ed.) Thousand Oaks: Sage.

Falcke, D., & Wagner, A. (2005). A dinâmica familiar e o fenômeno de transgeracionalidade: definição de conceitos. In A. Wagner. (Ed.) Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares (pp. 25-46). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Felix, Y. T. M., & Catão, M. F. (2013). Envelhecimento e aposentadoria por policiais rodoviários. Psicologia & Sociedade, 25(2), 420-429.

França, L. H. F. P. (1999). Preparação para a aposentadoria: Desafios a enfrentar. In R. P. Veras (Ed.). Terceira idade: Alternativas para uma sociedade em transição (pp. 11-34). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

França, L. H. F. P. (2002). Repensando a aposentadoria com qualidade: um manual

para facilitadores de programas de educação para aposentadoria em comunidades. Rio de Janeiro: CRDE UNATI UERJ.

França, L. H. F. P. (2009). Influências sociais nas atitudes dos 'Top' executivos em face da aposentadoria: um estudo transcultural. Revista de Administração Contemporânea, 13(1), 17-35.

França, L. H. F. P., & Soares, D. H. P. (2009). Preparação para a aposentadoria como parte da educação ao longo da vida. Psicologia: ciência e profissão, 29(4), 738-751.

Friedman, E. H. (1995). Sistemas e cerimônias: uma visão familiar dos ritos de passagem. In B. Carter & M. McGoldrick. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (pp. 106-130). (2nd ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Groisman, M., Lobo, M. V., & Cavour, R. M. A. (2003). Histórias dramáticas: terapia breve para famílias e terapeutas (2nd ed.). Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010: resultados preliminares da amostra. Recuperado em 10 maio, 2012, de ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Resultados_Preliminares_Amostra/t abelas_de_resultados.zip

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento & tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Minuchin, P., Colapinto, J., & Minuchin, S. (2011). O desafio de trabalhar com Famílias de Alto Risco Social: uma abordagem sistêmica. São Paulo: Roca.

Nahum-Shani, I., & Bamberger, P. A. (2011). Work hours, retirement, and supportive relations among older adults. Journal of Organizational Behavior, 32, 345-369.

Nichols, M., & Schwartz, R. (2007). Terapia Familiar: conceitos e métodos. Porto Alegre: Artmed.

Olabuénaga, J. I. R. (2009). Metodología de la Investigación Cualitativa (4th ed.). Bilbao: Universidad de Deusto.

Rodrigues, C. L. (2001). Homem de pijama: o imaginário masculino em relação à aposentadoria. Revista Kairós, 4(2), 69-82.

Scantamburlo, N. P., Moré, C. L. O. O., & Crepaldi, M. A. (2012). O processo de transmissão intergeracional e a violência no casal. Nova Perspectiva Sistêmica, 44, 21-34.

Schein, E. H. (1993). Carrer Anchors: Discovering Your Real Values. São Diego, CA: Pfeiffer & Company.

Soares, D. H. P., Costa, A. B., Rosa, A. M., & Oliveira, M. L. (2007). Programa de Preparação para Aposentadoria Aposent-Ação. Revista Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, 12, 143- 161.

Soares, D. H. P., & Sarriera, J. C. (2013). O tempo livre na Aposentadoria. In S. A. Carlos & S. S. Santos (Eds.). Envelhecendo com apetite de Viver: interlocuções psicossociais (pp. 109-128). Petrópolis: Vozes.

Strauss, A., & Corbin, K. (2008). Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed.

Wagner, A. (2002). Possibilidades e potencialidades da família: A construção de novos arranjos a partir do recasamento. In A. Wagner (Ed.). Família em cena: tramas, dramas e transformações (pp. 23-38). Petrópolis: Vozes.

Zanelli, J. C., Silva, N., & Soares, D. H. P. (2010). Orientação para aposentadoria nas organizações de trabalho: construção de projetos para o pós-carreira. Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia