Terapia narrativa e abordagem colaborativa: contribuições do construcionismo social para a clínica pós-moderna

Rafaella Medeiros de Mattos Brito, Idilva Maria Pires Germano

Resumo


Acompanhando o giro linguístico nas Ciências Sociais, cresce o interesse na função das narrativas e de outras práticas discursivas nos processos de produção de sentido. No campo psicoterápico, tal interesse está no surgimento das chamadas “Terapias Pós-modernas”, cuja fundamentação epistemológica leva a repensar a teoria e a prática clínicas. No guarda-chuva paradigmático dessas terapias, destaca-se a influência do Construcionismo Social como metateoria em duas abordagens: Terapia Narrativa (Michael White e David Epson) e Terapia Colaborativa (Anderson & Goolishian). Este trabalho aponta a influência sócio-construcionista como base epistemológica nas duas abordagens, explorando as transformações da psicoterapia no cenário atual.


Palavras-chave


Terapia Narrativa; Abordagem Colaborativa; Construcionismo Social

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (1987). The Reflecting Team: Dialogue and Meta-Dialogue in Clinical. WorkFam Proc, 26, 415-428.

Anderson, H. (2001) Postmodern collaborative and person-centered therapies: what would Carl Rogers say? Journal of Family Therapy. 23, 339-360

Anderson, H (2011) Conversação, Linguagem e Possibilidades. São Paulo, SP: Roca.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1988). Human systems as linguistic systems: Evolving ideas about the implications for theory and practice. Family Process, 27, 371-93.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998) O Cliente é o Especialista: A Abordagem Terapêutica do Não Saber. In: Mcnamee, S., & Gergen, K. J. (Eds.) A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Avdi, E., & Georgaca, E. (2007) Narrative research in psychotherapy: A critical review. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 80, 407–419.

Bruner, E. (1986a). Ethnography as narrative. En V. Turner y E. Bruner (comps.), The anthropology of experience. Chicago: University of Illinois Press.

Dulwich Centre Publications. (2009). Commonly asked questions about narrative approaches to therapy, community work and psychosocial support. http://www.dulwichcentre.com.au/questions.html. Acessado em 27/04/2012

Gergen, K. J. (1992) El Yo Saturado. Barcelona: Paidós.

Gergen, K. J. (2009) O Movimento Do Construcionismo Social Na Psicologia Moderna. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, 6(1), 299-325.

Gergen, K. J., & Gergen M. M. (2010) Scanning the Landscape of Narrative Inquiry. Social and Personality Psychology Compass, 4(9), 728–735.

Gergen K. J., & Kaye J. (1998) Além da Narrativa na Negociação do Sentido Terapêutico. In: Mcnamee, S. & Gergen, K. J. (Eds.) A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Grandesso, M. (2000) Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. (2001) Terapias pós-modernas: um panorama. Trabalho apresentado no --- congresso da IFTA, em Porto Alegre, Brasil, em novembro de 2001. Publicado na Revista Sistemas Familiares (Buenos Aires – Argentina).

Grandesso, M. (2008) “Dizendo olá novamente”: A presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1).

Lyotard, J. F. (2004) A Condição pós-moderna. 8 ed. Rio de Janeiro: Jose Olympio.

Mcleod J. (Eds.). (2004) Social Construction, Narrative, and Psychotherapy. In: Angus E. L. & Mcleod J. The Handbook of Narrative and Psychotherapy: Practice, Theory and Research. Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications.

Monk, G., & Gehart, D. R. (2003). Sociopolitical activist or conversational partner?

Family Process, 42(1), 19–30.

Palma, F. G. (2008) Terapia Narrativa. Idéias Sistêmicas – Caderno do CEFAI, ano V, número 5.

Parker, I. (1999) Deconstructing Psychotherapy. London: Sage Publications.

Payne, M. (2006) Narrative Therapy, An Introduction for Counsellors. (2 Ed). London: Sage Publications.

Rasera, E. F., & Japur, M. (2004) Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia. (Natal), 9(3), p.431-439.

Wallis, J., Burns, J., & Capdevila, R. (2011) What Is Narrative Therapy and What Is It Not? The Usefulness of Q Methodology to Explore Accounts of White and Epston’s (1990) Approach to Narrative Therapy. Clinical Psychology and Psychotherapy, 18, 486–497.

White, M., & Epston, D. (1993) Medios Narrativos para Fines Terapéuticos. Paidós: Barcelona.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.