Jardim de flores: uma experiência com grupos de famílias no contexto da socioeducação

Bianca Batalha de Almeida, Adriana Müller

Resumo


Este artigo visa apresentar e refletir sobre uma intervenção realizada com grupos multifamiliares no contexto da execução de medidas socioeducativas em meio aberto do CREAS–Cariacica (ES) utilizando conceitos e metodologias da Terapia Narrativa e das Práticas Narrativas Coletivas. Foram 11 encontros mensais, que contaram com a participação voluntária de adolescentes que cumpriam as medidas socioeducativas e seus familiares. Durante esse período o grupo tornou-se um espaço de apoio mútuo, de externalização dos problemas, de ampliação de narrativas pessoais, de musicalidade, de reautoria, de fortalecimento de vínculos familiares, de superação e de regraduação. Os resultados alcançados demonstram que a Terapia Narrativa e suas formas de aplicação contribuem no trabalho em grupos neste contexto.

Palavras-chave


medidas socioeducativas, terapia narrativa, práticas narrativas coletivas.

Texto completo:

PDF

Referências


Aquino, L. G. (2012). Criança e adolescente: o ato infracional e as medidas socioeducativas. Âmbito Jurídico [online], 15 (99), abr. 2012. Recuperado em 10 jan. 2014 de:

Araújo, T. A. A. (2012). A finalidade da medida socioeducativa de internação. Âmbito Jurídico [online], 15 (106), nov. 2012. Recuperado em 17 jan. 2014 de: .

Brasil. (2002). Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial.

Costa, J. S. (2011). Terapia de família e seus significados: narrativas sobre as experiências dos clientes. Tese de Doutorado em Psicologia - Centro de Ciências da Vida, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.

Denborough, D. (2008). Práticas narrativas coletivas: trabalhando com indivíduos, grupos e comunidades que vivenciaram traumas. (A. Müller, Trad.). Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications.

Dias, A. C. G., Arpini, D. M., & Simon, B.R. (2011). Um olhar sobre a família de jovens que cumprem medidas socioeducativas. Psicologia Social [online], 23 (3), p. 526-535. Recuperado em 23 março 2013 de .

Epston, D. (1998). “Catching up” with David Epston: a collection of narrative practice-based papers published between 1991 & 1996. Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications.

Freire, P. (2008). Pedagogia da esperança (15ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Grandesso, M. A. (2008). “Dizendo olá novamente”: a presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1), 65-78.

Madigan, S. (2011). Narrative therapy. Washington, DC: American Psychological Association.

Müller, A. (2012). Troca de cartas no time da vida: um bate-bola construtivo. Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, 42, 42-56.

Müller, A. (2013). Ritmos da vida: ajudando crianças na superação da separação. Nova Perspectiva Sistêmica, 45.

Ncube, N. (2006). The tree of life Project: using narrative ideas in work with vulnerable children in Southern Africa. International Journal of Narrative Therapy and Community Work, (1), 3-16.

White, M. (1988). Decir de nuevo: hola! La incorporación de la relación perdida em la resolución de la aflicción. In M. White. Guias para una terapia familiar sistemica – Michael White. Barcelona: Gedisa Editorial.

White, M. (2007). Maps of narrative practice. New York: Norton.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos Rio e São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia