Autoridade e imposição de limites: atributos necessários à atenção à saúde de pessoas que consumem drogas?

Maristela Moraes, Marisela Montenegro

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar uma discussão sobre a autoridade e imposição de limites como parte do processo de atenção aos homens que usam drogas e necessitam de atenção especializada. Partes das produções discursivas analisadas expressam uma concepção dos usos de drogas como um comportamento compulsivo, incontrolável e gerador de transgressões diversas. Por outra parte, os homens que consumem drogas também são considerados agressivos e violentos, comportamentos que são vistos como potencializados pelos usos de drogas, dando ainda mais força e legitimidade à imposição de limites como intervenção terapêutica. Neste sentido, a Saúde acaba sendo a via de domesticação e medicalização dos homens, em um contexto em que o não cumprimento das regras acaba também sendo uma maneira de não deixar-se dominar.


Palavras-chave


Usos de drogas, redução de danos, homens e masculinidades, gênero

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Acioli, M.D. (2002). O processo de alcoolização entre os Pankararu: um

estudo em Etnoepidemiologia. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências Médicas,

Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Arilha, M. (2005). O masculino em Conferências e programas das Nações Unidas: para uma crítica do discurso de gênero. Tese de Doutorado não publicada. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Broecker, C.Z., & Jou, G.I. de (2007). Práticas educativas parentais: a percepção de adolescentes com e sem dependência química. Psico-USF, 12(2), 269-279.

Butler, J. (2006). Deshacer el género. Barcelona: Paidós.

Carrara, S., Russo, J.A., Faro, L. (2009). A política de atenção à saúde do

homem no Brasil: os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis: Revista

de Saúde Coletiva, 19(3): 659-678.

De Paula Souza, T. (2007). Redução de danos no Brasil: a clínica e a política em

movimento. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia do

Departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense.

Foucault, M. (2005). História da sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Edições Graal.

Franch, M. (2004). Um brinde à vida: reflexões sobre violência, juventude e

redução de danos no Brasil. In: Ministério da Saúde. Departamento de

Ações Programáticas Estratégicas. Álcool e redução de danos: uma abordagem

inovadora para países em transição. Brasília: Ministério da Saúde. PP. 49-71.

Grup Igia (2000). Gestionando las drogas. Conferencia de consenso sobre reducción

de daños relacionados con las drogas: cooperación e interdisciplinariedad. Barcelona: Generalitat de Catalunya.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e

o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5), 7-41.

Harding, S. (1996). Ciencia y feminismo. Madrid: Morata.

Ibáñez, T. (1994). Psicología Social Construccionista. Guadalajara:

Universidad de Guadalajara.

Íñiguez, L. (2006). Análisis del discurso: manual para las ciencias sociales. (Nueva edición revisada y ampliada). Barcelona: UOC.

Moraes, M., & Barreto, A. (2012). Práticas clínicas e saúde mental pública: contribuições políticas e epistemológicas para um campo em formação. In: A. Barreto., & J. Santos (Org.) Saúde e drogas: por uma Integralidade do cuidado ao usuário de substâncias psicoativas. Recife: EdUFPE, 15-37

Moraes, M. (2005). O Modelo de Atenção à Saúde para Tratamento de Problemas Decorrentes do Uso de Drogas: percepções de usuários, acompanhantes e profissionais. Dissertação de Mestrado não publicada. Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva, Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz, Recife, Brasil.

Moraes, M. (2008). O modelo de atenção integral à saúde para tratamento de

problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas: percepções de usuários,

acompanhantes e profissionais. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 13 (1), 121-133.

Moraes, M. (2010). Algumas implicações da ética punitiva e da ética fragmentária para as lutas contra-hegemônicas no campo das políticas sobre drogas: na trilha das provocações atrevidas de Roberto Éfrem Filho. In: B. Medrado, J. Lyra, M. Azevedo, & J. Brasilino (org.). Homens e masculinidades: práticas de intimidade e políticas públicas. Recife: Instituto PAPAI, 167-173.

Nascimento, P. (1999). ‘Ser homem ou nada': Diversidade de experiências e

estratégias de atualização do modelo hegemônico da masculinidade em

Camaragibe/PE. Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade Federal de

Pernambuco, Departamento de Antropologia Cultural, Recife, Brasil.

Pechansky, F., Szobot, C.M., Scivoletto, S. (2004). Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos. Rev Bras

Psiquiatr. 2004; 26 (suppl.1): S14-7.

Petuco, D. (2007). No miolo do bagulho. Os desdobramentos da acumulação flexível no trabalho em saúde: o caso dos redutores de danos. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Monografia Bacharel Ciências Sociais. Porto Alegre, Brasil.

Petuco, D., & Medeiros, R.G. (2009). Redução de danos: dispositivo da reforma? Recuperado de: http://www.koinonia.org.br/bdv/detalhes.asp?cod_artigo=340&cod_boletim=31, em 18 de fevereiro de 2012.

Pujal i Llombart, M. (2005). El feminisme. Barcelona: Editorial UOC.

Romaní, O. (2008). Políticas de drogas: prevención, participación y reducción del daño. Sanidad Colectiva, Buenos Aires, 4(3) 301-318, Septiembre – Diciembre. Rorty, 1967.

Rorty, R. (1967). El giro lingüístico. Barcelona: Paidós / ICE-UAB.

Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 16 (2): 5-22.

Spink, M.J. (Org). (1999). Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações metodológicas. São Paulo: Cortez.

Spink, M.J. (2010). Ser fumante em um mundo antitabaco: reflexões sobre riscos e exclusão social. Saúde e Sociedade, 19(3), 481-496.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.