Promoção da saúde no contexto das redes sociais significativas

Adriano Valério dos Santos Azevêdo, Marcos Antônio da Silva, Tomás Collodel Magalhães Reis

Resumo


A promoção da saúde valoriza o desenvolvimento de ações que buscam fomentar a integralidade de indivíduos e coletivos, ao considerar que as relações sociais consideradas significativas são geradoras de qualidade de vida e saúde. O presente texto objetivou apresentar as relações entre a promoção da saúde e as redes sociais significativas. O conceito de promoção da saúde foi contextualizado por meio de políticas públicas, e a definição de redes sociais significativas foi complementada com a apresentação do instrumento de pesquisa e intervenção denominado de mapa de redes. Buscou-se apresentar pesquisas que relacionaram redes sociais significativas e saúde evidenciando as contribuições na vida das pessoas. A partir de um exemplo de aplicação do mapa de redes, os resultados foram apresentados considerando o conceito de promoção da saúde e as repercussões psicossociais. Verificou-se as aproximações conceituais entre promoção da saúde e as redes sociais, o que permite ressaltar a importância de ações articuladas considerando que os vínculos sociais representam fatores de proteção da saúde integral.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a03


Palavras-chave


Promoção da saúde; Redes sociais significativas; Psicologia social

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, M. (2002). Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO.

Ayres, J. R. C. M., França-Júnior, I., Calazans, G. J., &Saletti-Filho, H. C. (1999). Vulnerabilidade e prevenção em tempos de Aids. In: R.M. Barbosa, & R.G. Parker (Orgs.). Sexualidades pelo avesso: direitos, identidade e poder, (pp. 49-72). São Paulo: Editora 34.

Azevêdo (2016). Ansiedade, enfrentamento e redes sociais significativas de familiares cuidadores de crianças com queimaduras. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, SC.

Brasil (1990). Lei no 8.080 de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Presidência da República/Casa Civil. Ministério da Saúde.Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Brasil (2006). Política Nacional de Promoção da Saúde. Portaria n° 687 MS/GM, de 30 de março de 2006. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília, DF.

Brasil (2014). Portaria no 2.446 de 11 de Novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS), Ministério da Saúde.Brasília, DF. disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11-2014.html

Buss, P.M. (2000). Promoção da saúde e qualidade de vida. Revista Ciência e Saúde Coletiva,5(1), 163-177. doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014

Campos, G.W., Barros, R.B., & Castro, A.M., (2004). Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3), 745-49. doi: 10.1590/S1413-81232004000300025

Czeresnia, D. (2009). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In D. Czeresnia, & C.M. Freitas (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 43-57). Rio de Janeiro: FioCruz.

Krenkel, S., Motta, C.C.L., & Moré, C.L.O.O (2015). As redes sociais significativas de mulheres acolhidas em casa-abrigo. Paidéia, 25 (60), 125-133. doi.org/10.1590/1982-43272560201515

Leonidas, C., & Santos, M. A. (2013). Redes Sociais significativas de mulheres com transtorno alimentares. Psicologia Reflexão & Crítica, 26(3), 561-571. doi: 10.1590/S0102-79722013000300016

Menezes, M., Moré, C.L.O.O., & Barros, L. (2016). As redes sociais dos familiares acompanhantes durante internação hospitalar de Crianças. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(número especial): 107-113. doi: 10.1590/S0080-623420160000300016

Moré, C.L.O.O., &Crepaldi, M.A. (2012). O Mapa de Rede Social significativa como instrumento de investigação no contexto da pesquisa qualitativa. Nova Perspectiva Sistêmica,21(43), 84-98. http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/265

Organização Mundial da Saúde (2009). Carta de Ottawa. Disponível em: Erro! A referência de hiperlink não é válida..

Organização Pan-Americana da Saúde (1992). História de laOrganizaciónPanamericana de laSalud.

Orlandi, R. (2012). Participação da rede social significativa de mulheres que vivem e convivem com o HIV no enfrentamento da soropositividade. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, SC.

Silva, P.F.A., & Baptista, T.W.F. (2015). A Política Nacional de Promoção da Saúde: texto e contexto de uma política. Saúde Debate, 39(número especial), 91-104. doi: 10.5935/0103-1104.2015S005327

Sluzki, C.E. (1997). A Rede Social na Prática Sistêmica: Alternativas Terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Souza, M.H.N., Souza, I.E.O., & Tocantins, F.R. (2009). A utilização de referencial metodológico de rede social na assistência de enfermagem a mulheres que amamentam. Revista Latino-Americana De Enfermagem, 17(3), 354-360. https://doi.org/10.1590/S0104-11692009000300012

Terris, M. (1996). Conceptos de lapromoción de lasalud: dualidades de la teoria de lasalud pública. In: OrganizaciónPanamericana de laSalud. Promoción de laSalud: una antologia.Washington: OPS.

World Health Organization (1991). Disponívelem : http://www.who.int/tb/publications/1991/en/

Zuben, J.V.V., Rissi, M.R.R., & Guanaes-Lorenzi, C. (2013). A rede social significativa de uma mulher após o diagnóstico de HIV/AIDS. Psicologia em Estudo, 18 (2), 211-221.doi: 10.1590/S1413-73722013000200003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.