O USO DE METÁFORAS EM TERAPIA NARRATIVA: FACILITANDO A CONSTRUÇÃO DE NOVOS SIGNIFICADOS

Valéria Nicolau Paschoal, Marilene Grandesso

Resumo


Na busca por compreender o uso de metáforas em conversações terapêuticas, realizamos entrevistas com quatro terapeutas narrativos. Procedemos então a uma análise de discurso com ênfase na poética social (Shotter, 2000), ressaltando momentos marcantes na conversa com os participantes. A metáfora foi considerada elemento essencial por todos os terapeutas entrevistados. Consistente com a teoria, encontramos que as metáforas fizeram-se presentes em todos os momentos do processo terapêutico. Dentre as vantagens do seu uso, destacamos: oferecer um recurso de linguagem para o cliente narrar suas histórias à sua própria maneira; facilitar o entendimento do terapeuta; facilitar o relato de experiências difíceis pelo cliente; ampliar possibilidades existenciais pela construção de novas narrativas.

Palavras-chave


metáfora, terapia narrativa, mudança de significado, histórias, conversação terapêutica.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Alves, L. (1999). Metáforas como ferramenta terapêutica. Pensando Famílias, 1, 62-68.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1992). The client is the expert: a not-knowing approach to therapy. In S. McNamee & K. Gergen (Eds.). Social construction and the therapeutic process (pp. 25-39). Newbury Park, CA: Sage.

Andolfi, M., Angelo, C., Menghi, P., & Nicolò-Corigliano, A. M. (1984). Por trás da máscara familiar: um novo enfoque em terapia da família. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andolfi, M., & Angelo, C. (1989). Tempo e mito em psicoterapia familiar. Porto Alegre: Artes médicas.

Caram, C., & Matos, G. (2002). Contos e metáforas em terapia. Belo Horizonte: Grupo Passarela.

Bruner, J. (1994). Realidad mental y mundos posibles, los actos de la imaginación dan sentido a la experiência. Barcelona: Gedisa.

Caregnato, R., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, 15 (4), out-dez.

Combs, G., & Freedman, J. (1990). Symbol, story and ceremony: using metaphor in individual and family therapy. New York: W. W. Norton.

Denborough, D. (2008). Práticas narrativas coletivas: trabalhando com indivíduos, grupos e comunidades que vivenciaram traumas. Adelaide: Dulwich Centre Publications.

Derrida, J. (1995, orig. 1967). A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva.

Dulwich Centre (2012). Recuperado em 31 de julho de 2012, de http://www.dulwichcentre.com.au/.

Gordon, D. (1978). Metáforas terapêuticas: a ajuda através do espelho.

Grandesso, M.A. (1997). Dialogando sobre teorias: as metáforas teóricas da terapia familiar. Nova Perspectiva Sistêmica, 6 (10), 18-23.

Grandesso, M.A. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M.A. (2010). Família e... narrativas: histórias, histórias e mais histórias. In C. Cerveny (org.). Família e... narrativas, gênero, parentalidade, irmãos, filhos nos divórcios, genealogia, história, estrutura, violência, intervenção sistêmica, rede social. (pp. 13-29). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M.A. (2011). “Dizendo olá novamente”: a presença de Michael White entre nós, terapeutas familiares. Nova Perspectiva Sistêmica, Ano XX, (41), 99-118.

Guanaes, C. (2006). A construção da mudança em terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Morgan, A. (2007). O que é terapia narrativa? Uma introdução de fácil leitura. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas.

Müller, A. (2013). “Ritmos da vida”: ajudando crianças na superação da separação. Nova Perspectiva Sistêmica, XXII, (45), pp: 34-46.

Müller, A. (2012). Ritmos da vida. Recuperado em 19 de outubro de 2012, de http://www.terapianarrativa.com.br/ritmos.html.

Ncube, N. (2006). Part one: using narrative ideas in work with vulnerable children in Southern Africa. The International journal of narrative therapy and community work. Working with young people, (1), 3-16.

Novis, A. L., & Abdalla, L. H. (2013). “A despensa da vida. Nova Perspectiva Sistêmica, XXII, (45), 25-33.

Novis, A. L., & Abdalla, L. H. (2012). A despensa da vida. Recuperado em 19 de outubro de 2012 de http://www.terapianarrativa.com.br/despensa.html.

Palma, F. (2008). Terapia Narrativa. Idéias Sistêmicas – Caderno do CEFAI, ano 5, (5), outubro.

Paschoal, V. N. (2012) O uso de metáforas em terapia narrativa: facilitando a construção de novos significados. Monografia apresentada ao curso de Especialização em Terapia Familiar e de Casal da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. NUFAC – Núcleo de Família e Comunidade da PUC -SP, São Paulo, SP, Brasil. (não publicado)

Pessoa, F. Poesias Ocultistas. São Paulo: Aquariana. 1995.

Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre os aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos. Recuperado em 20 de outubro de 2013 de http://aplicacao.saude.gov.br/plataformabrasil.

Schnitman, D., & Fuks, S. (1994). Metaforas del cambio: terapia y proceso. In D.F. Schnitman (org.). Nuevos paradigmas, Cultura y subjetividade. (pp. 377-391). Barcelona: Paidós.

Shotter, J. (2000). Conversational realities: constructing life through language. London: Sage Publication.

Sluzki , C. (1992). Transformations: a blueprint narrative changes in therapy. Family Process, 31, 217-230.

White, M. (1988a). The process of questioning: A therapy of literary merit? Dulwich Centre Newsletter, 8-14.

White, M. (1988b). Saying hello again: the incorporation of the lost relationship in the resolution of grief. Dulwich Centre Newsletter, 7-11.

White, M. (2001). The narrative metaphor in family therapy; an interview with Michael White. In D. Denborough (Ed.) Family therapy: exploring the field’s past, present & possible futures. (capítulo 17, pp. 131-138). Adelaide: Dulwich Centre Publications.

White, M. (2002). Journey Metaphors. The International Journal of Narrative Therapy and Community Work, (4), 12-18.

White, M. (2012, orig. 2007). Mapas da Prática Narrativa. Porto Alegre: Pacartes.

White, M., & Epston, D. (1993). Medios narrativos para fines terapéuticos. Buenos Aires: Paidós.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos Rio e São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia