Intervenção sistêmica no contexto da terapia com um homem autor de violência contra mulher: estudo de caso

Nádia de Melo Ferreira

Resumo


Este artigo relata o estudo de caso de um homem autor de violência em processo terapêutico em uma Clínica-Escola de Florianópolis. Seu objetivo é compreender a importância da terapia sistêmica para homens autores de violência. Notou-se, nesse sentido, repetição de comportamento familiar, sendo possível uma compreensão intergeracional. Percebeu-se também que as perspectivas utilizadas permitiram adentrar com mais profundidade o mundo vivido do paciente e seus processos de significação na construção da narrativa de sua trajetória. Espera-se, com este artigo, ampliar possibilidades para o atendimento com homens autores de violência.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a06


Palavras-chave


Violência familiar; Autor de violência; Teoria Sistêmica

Texto completo:

PDF

Referências


Acosta, F., Andrade, A., & Bronz, A. (2004). Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Andersen, T. (1999). Processos Reflexivos. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Araújo, S. (2008). Jovens identificados como autores de abuso sexual: sentidos da violência. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Beiras, A. (2009). Grupos de homens autores de violência - possibilidades de intervenções diante das recomendações propostas na lei Maria da Penha. In S. Rovinski & R. Cruz (Eds.), Psicologia jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção (pp. 129-144). São Paulo: Vetor.

Beiras, A. (2014). Relatório Mapeamento de Serviços de atenção grupal a homens autores de violência contra mulheres no contexto brasileiro. Recuperado de http://www.noos.org.br/userfiles/file/Relat%C3%B3rio%20Mapeamento%20SHAV_site.pdf

Beiras, A. & Cantera, L. (2012). Narrativas personales, construcción de masculinidades: aportaciones para la atención psicosocial. PSICO, 43(2), 251-259. Recuperado de http://www.revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/10023/80 35

Beiras, A. & Bronz, A. (2016). Metodologia de grupos reflexivos de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos. Recuperado de http://noos.org.br/portal/editora/outras-publicacoes/

Beiras, A. & Nascimento, M. (2017). Homens e violência contra mulheres: pesquisas e intervenções no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto NOOS.

Bowen, M. (1991). De la familia al individuo: la diferenciación del sí mismo em el sistema familiar. Buenos Aires: Paidos.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1979)

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Falcke, D. & Wagner (2005). A dinâmica familiar da trangeracionalidade; definição de conceitos. In A. Wagner (Org.), Como se perpetua a família? A transmissão trangeracional do legado familiar (pp. 25-46). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil da individualidade com a conjugalidade, Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-395.

Goffman, E. (1981). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC.

Guareschi, N. M. F., Weber, A., Comunello, L. N., & Nardini, M. (2006). Discussões sobre violência: trabalhando a produção de sentidos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(1), 122-130. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722006000100017

Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. (2006). Cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 ago. 2006. Recuperado de .

Lima, D. C. & Büchele, F. (2011). Revisão crítica sobre o atendimento a homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 21(2), 721-743. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000200020.

Lisboa, A. V., Féres-Carneiro, T., & Jablonski, B. (2007). Transmissão intergeracional da cultura: um estudo sobre uma família mineira. Psicologia em Estudo, 12(1), 51-59. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722007000100007

Medrado, B. & Lyra, J. (2003). Nos homens, a violência de gênero. In Programa de prevenção, assistência e combate à violência contra a mulher Plano Nacional (p. 68). Brasília, DF: Presidência da República.

Minayo, M. C. L. (Org.). (2007). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério da Saúde. (2001). Portaria MS/GM n.º 737 de 16/05/01. Política nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. Diário Oficial da União, Brasília, n. 96, Seção 1E, 18 maio, 2001.

Morin, E. A. (1998). Ciência com Consciência (2ª ed.). Rio de Janeiro: Berhand.

Morin, E. A. & Le Moigne, J.-L. (2000). A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis.

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra. Recuperado de www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/relatorio-mundial-violencia-saude.pdf.

Ravazzola, M. C. (1997). Histórias infames: los maltratos em las relaciones. Buenos Aires: Paidós.

Saffioti, H. (2004). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Santos, W. M., Lopes, R. F. F., & Neufeld, C. B. (2013). Relação terapêutica e terapia narrativa: entrevista com Miguel Gonçalves. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 9(1), 61-69. https://dx.doi.org/10.5935/1808-5687.20130009

Scantamburlo, N. P., More, C. L. O. O., & Crepaldi, M. A. (2012). O processo de transmissão intergeracional e a violência no casal. Nova Perspectiva Sistêmica, 21(44), 35-48, 2012. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/250/243

Schmidt, B., Schneider, D. R., & Crepaldi, M. A. (2011). Abordagem da violência familiar pelos serviços de saúde: Contribuições do pensamento sistêmico. Psico, 42(3), 328-336.

Toneli, M. J. F., Beiras, A., Climaco, D., & Lago, M. C. S. (2010). Atendimento a homens autores de violência contra mulheres: Experiências latino-americanas. Florianópolis: UFSC/CFH/NUPPE.

Vasconcellos, C. S. (2010). Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico – elementos metodológicos para elaboração e realização (21a ed.) São Paulo: Libertad.

Vidal, A. C. B. (2006). A diferença que fez a diferença: o uso incomum da equipe reflexiva de Tom Andersen. Pensando Família, 10(2), 117-134.

Waiselfisz, J. J. (2012). Mapa da Violência 2012. A Cor dos Homicídios no Brasil. Rio de Janeiro: CEBELA, FLACSO; Brasília, DF: SEPPIR/PR.

White, M. & Epston, D. (1990). Medios narrativos para fines terapêuticos (O.

Castillo, M. Beyebach, & C. Sánchez, Trads.). Buenos Aires: Paidós.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.