Modelo Generativo como guia para criação da equipe de mediação no Instituto Noos

Ana Luisa Almeida Prado de Andrade Coutinho, Maria Gabriela Mantaut Leifert

Resumo


Orientado pelas premissas da perspectiva generativa, este artigo relata a criação do Núcleo de Mediação Transformativa no Instituto Noos. A Perspectiva Generativa é uma das abordagens oriundas da teoria sistêmica e dos novos paradigmas pós-modernos. Tecendo uma dança entre teoria e ação, apresentamos os momentos generativos na criação e implementação do Núcleo de Mediação, enaltecendo o foco no recurso, nas competências e valores das pessoas. Temos como objetivo demonstrar como as premissas da prática generativa favorecem a formação da equipe de trabalho e da intervisão (supervisão). Acreditamos que, ao proporcionar um ambiente relacional onde cuidamos de nossos colaboradores de forma horizontal, observando os aspectos éticos, das interações, envolvendo a todos em um clima de acolhimento e participação colaborativa, auxiliamos no melhor atendimento de nossos clientes. A partir desta postura criamos condições de fomentar um grupo de trabalho que se autorregule no modelo de uma comunidade de prática e comunidade de aprendizagem, a fim de estimular a produção de conhecimento e promover melhores práticas no atendimento em Mediação.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a02


Palavras-chave


Novos paradigmas; Perspectiva generativa; Núcleo de mediação; Comunidade de prática; Comunidade de aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: uma abordagem para terapia a partir de uma posição de não saber. In S. McNamee & K. Gergen (Orgs.),Terapia como Construção Social(pp.34-50) Porto Alegre: Artes Médicas.

Arandes, E.M, Davila, P.T., Baesz, S. S., &Garcia, Z.A. (2015) Diálogo, Performatividad em psicoterapia. In D. F. Schnitman (Ed.),Diálogos para la transformación. Experienciais y otrasintervenciones psicosociales em Iberoamerica (Vol. 1, pp.85-104). Ohio: Taos Institute.

Bush,R.A. &Folger,J.P. (1999). Mediação transformativa e intervenção de terceiros: as marcas registradas de um profissional transformador. In D. Schnitman & S. Litllejohn (Orgs.),Novos Paradigmas em Mediação(pp. 85-124).Porto Alegre: Artemed.

Cooperrider,D. L., Withney, D.,&Stravos, J.M.(2009).Manual de investigação apreciativa.Rio de Janeiro:Qualimark.

Fronsdal,G. (2011).Viviendo en el presente. Ensayos sobre la practica Budista.USA:Tranquil Books.

Garcia,R.M. & Russo, R.C. (2012) Comunidad de practica y Comunidad de

aprendizajeInD. F. Schnitman (Ed.),Dialogos para la transformaion. Experiencias y otrasintervenciones psicosociales em terapia em Iberoamerica (Vol. 1, pp. 37-50). Ohio: Taos Institute.

Gergen,J.K.(1994).Thecommunal Basis of Social knowledge. InToward Transformation in Social Knowledge (2ª ed., pp. 1-57). Londres: Sages Publications.

Gergen, J.K. (2016). Rumo a uma ética relacional para a pratica terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica,21(56), 11-21.http://www.revistanps.com.br/nps/article/view/237

Gergen, J.K.&Gergen, M. (2010).Construcionismo Social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Schnitman, D.F. (1999). Novos paradigmas na resolução de conflitos. In D. F. Schnitman & S. Littlejohn (Orgs.), Novos paradigmas em mediação (pp 17-28). Porto Alegre: Artmed.

Schnitman, D. (2000).Terapia como Prática Social Generativa: perspectivas e habilidades. InH. M.Cruz (Org.),Papai, Mamãe, Você e Eu?(pp. 291-313).São Paulo: Casa do Psicólogo.

Schnitman,D. F. (2008). “Questionário generativo em terapia”. Pensando Familias, 12 (1), 11-26.http://www.fundacioninterfas.org/capacitacion/wpcontent/uploads/2016/05/10.QuestionarioGenerat.pdf

Schnitman, D. (2011). Processo generative e práticas dialógicas. Revista Nova Perspectiva Sistêmica,20(41), 9-34. http://www.revistanps.com.br/nps/article/view/199/180

Schnitman, D. (2015a). Diálogos para la Transformación. Experiencias en terapia y otras intervenciones en Iberoamérica (Vol. 1).Ohio, USA: Taos Institute.

Schnitman, D. (2015b).Appreciative and Generative Perspectives, Points of Convergence in a Productive Dialogue.AI Practitioner, 17(1), 15-21.

Schnitman, D. (2016). Perspectiva e Prática Generativa. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, 25(56), 55-75.http://www.revistanps.com.br/nps/article/view/241/233

Schnitman,D.& Garcia,M.R.M.(2013). Enfrentamento generativo e desenvolvimento comunitário.Revista Nova Perspectiva Sistêmica,22(45),88-113.http://www.revistanps.com.br/nps/article/view/122

Spink,M.J. P. &Spink,P.K. (2014). Produzir conhecimento não é um ato banal: olhar(pós)construcionista sobre a ética na pesquisa. In Construcionismo Social:

discurso, pratica e produção do conhecimento (pp 133-149). Rio de Janeiro: Instituto NOOS, pp.133-149.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.