Diálogos com pais e mães separados: grupos reflexivos no sistema de justiça

Luciana de Oliveira Silva, Ludimila Regina Rosenthal Caetano de Oliveira, Laura Cristina Eiras Coelho Soares, Rosana Lazaro Rapizo

Resumo


O artigo refere-se à experiência em projeto de extensão, desenvolvido em parceria com o Ministério Público, voltado para o atendimento de famílias que vivenciam o contexto do pós-divórcio litigioso. O projeto teve como suporte teórico a Psicologia Jurídica e contempla diversas atividades, dentre elas, a condução de grupos compostos por pais e mães separados que se encontravam em situação de conflito. Os grupos, estruturados como proposta reflexiva, objetivaram a oferta de um espaço de diálogo para esses participantes. Dessa forma, os temas organizados em quatro encontros abordaram os atravessamentos psicológicos e sociais presentes no cotidiano de famílias que buscam auxílio junto ao sistema de justiça: relação conjugal e separação; desafios da divisão entre conjugalidade e parentalidade; exercício da parentalidade e desdobramentos para os filhos. Na análise realizada pelos participantes sobre os grupos foram observados como aspectos relevantes do grupo: o reconhecimento da importância das questões trabalhadas, o acesso e a reflexão sobre diferentes pontos de vista, a convivência com outros participantes e o reconhecimento de vivências semelhantes. Diante do exposto, sugere-se que a atividade realizada possa adquirir outros contornos teóricos e práticos, a fim de ser aplicada em diferentes espaços de atuação da Psicologia.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n62a06


Palavras-chave


Extensão universitária; Família; Grupos; Divórcio

Texto completo:

PDF

Referências


Acosta, F. Andradade, A., & Bronz, A. (2004). Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero: metodologia. Instituto Noos de Pesquisas Sistêmicas e Desenvolvimento de Redes Sociais.

Badinter E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno (3ª ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Beiras, A. & Bronz, A. (2016). Metodologia de grupos reflexivos de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Brito, L. M. T. (2001). Impasses na condição da guarda e da visitação– o palco da discórdia. Associação de Pais e Mães Separados– APASE. Recuperado de http://www.apase.org.br/91009-impasses.htm

Brito, L. M. T. (2002). Impasses na condição da guarda e da visitação: o palco da discórdia. In R. C. Pereira (Org.), Família e cidadania – o novo CCB e a vacatio legis (p. 10). Belo Horizonte: IBDFAM/Del Rey.

Brito, L. M. T. (2007) Família pós-divórcio: a visão dos filhos. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(1), 38.

Brito, L. M. T., Cardoso, A. R., & Oliveira, J. D. G. (2010). Debates entre pais e mães divorciados: um trabalho com grupos. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(4), 810-823.

Cardoso, F. S. & Brito, L. M. T. (2015). Possíveis impasses da Lei Maria da Penha à convivência parental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 529-546.

Falcão, C. F. A. & Souza, L. C (2013). Eu me lembro. In Monomania [CD]. São Paulo: Casa Byington.

Ficarra, G. & Requa, J. (Dir.). (2011). Amor a toda prova [filme-vídeo]. CA, US: Warner Bros Picture.

Fuks, S. & Rosas, E. V. (2014) A FSPC (Facilitação Sistêmica de Processos Coletivos) em grupos, organizações e comunidades. Nova Perspectiva Sistêmica, 23(48), 8-23. Recuperado de: http://revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/47/29

Garcia, M. L. T. & Tassara, E. (2003). Problemas no casamento: uma análise qualitativa. Estudos de Psicologia, 8(1), 127-133.

Oliveira, C. F. B. & Brito, L. M. T. (2013). Judicialização da vida na contemporaneidade. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(n. spe.), 78-89. Recuperado de

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932013000500009&script=sci_abstract&tlng=pt

Neiva, K. M. C. (2010). O que é intervenção psicossocial. In Intervenção psicossocial: aspectos teóricos, metodológicos e experiências práticas (pp. 11-58). São Paulo: Vetor.

Pereira, C. V. (2013). Psicologia Jurídica e Abordagem Gestáltica - Um Encontro nas Varas de Família. Rio de Janeiro: Juruá.

Rapizo, R. (2012). Construindo espaços de diálogo com pais, mães e adolescentes nos contextos de divórcio. In L. M. T. Brito (Org.), Escuta de crianças e adolescentes: reflexões, sentidos e práticas (pp. 119-153, 1a ed.). Rio de Janeiro: EDUERJ.

Rapizo, R., & Brito, L. M. T. (2014). Espaço de conversas sobre divórcio: a diferença de posicionamento como recurso de transformação. Nova Perspectiva Sistêmica, 50, 32-49.

Sarriera, J. C., Silva, M. A., Pizzinato, A., Zago, C., & Meira, P. (2000). Intervenção psicossocial e algumas questões éticas e técnicas. In J. C. Sarriera (Coord.), Psicologia comunitária: estudos atuais (pp. 25-44). Porto Alegre: Sulina.

Silva, M. S. (2006). Extensão universitária e formação profissional: avaliação da experiência das ciências biológicas na Universidade Federal do Pernambuco. Estudos em Avaliação Educacional, 17(33), 119-135.

Soares, L. C. E. C (2013). Padrastos e madrastas: construindo seus lugares nas famílias recasadas. Tese de Doutorado em Psicologia Social, Instituto de Psicologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, RJ. (não publicada)

Soares, L. C. E. C. (2015). Pais e Mães Recasados - Vivências e Desafios no Fogo Cruzado das Relações Familiares. Curitiba: Juruá.

Sousa, A. M. (2010). Síndrome da alienação parental: um novo tema nos juízos de família. São Paulo: Cortez.

Yacubian, J. & Neto, F. L. (2001). Psicoeducação familiar. Família, Saúde e Desenvolvimento, 3(2), 98-108.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.