Sentidos atribuídos por pais adotivos acerca da adoção tardia e da construção de vínculos parento-filiais

Maitê Broering Fernandes, Daniel Kerry dos Santos

Resumo


Esse artigo analisa os sentidos atribuídos por pais adotivos à construção de vínculos parento-filiais, ou seja, vinculações que pressupõem o sentimento de pertencimento a uma família. Apresentam-se as análises de uma pesquisa qualitativa, da qual participaram quatro pessoas (um pai e três mães) de diferentes famílias que realizaram adoção tardia e que residem na região da Grande Florianópolis (SC). Foram realizadas entrevistas semiestruturadas. As narrativas escutadas foram analisadas tendo como referência teórico-metodológica a “análise de práticas discursivas e de produção de sentidos” de Spink e Medrado (2013). As análises indicaram alguns sentidos sobre a construção de vínculos parento-filiais em casos de adoção tardia, tais como: necessidade de construir uma adaptação para a criança que está sendo incluída na relação familiar; integração do passado da criança na dinâmica e na história da família atual; compreensão dos comportamentos aversivos da criança; promoção de sentimentos de pertencimento. Considera-se que a construção de vínculos parento-filiais é um indicativo do potencial sucesso da adoção; e que essa construção perpassa todo o processo, desde o período de decisão em adotar crianças até a consolidação dos vínculos parento-filiais na nova dinâmica familiar.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a04


Palavras-chave


adoção tardia; vínculos; parentalidade

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarenga, L. L. de; Bittencourt, M. I. G. de F. (2013). A delicada construção de um vínculo de filiação: o papel do psicólogo em processos de adoção. Pensando familias, 17(1), 41-53. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2013000100005&lng=pt&tlng=pt

Araujo, I. C. C. de. (2017). Tornar-se filho na perspectiva de crianças adotadas tardiamente (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil. Recuperado de http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/6876/1/tese_9848_14.12.17%20PDF%20VERSAO%20CAPA%20DURA%20FINAL.pdf

Bicca, A., & Grzybowski, L. S. (2014). Adoção tardia: percepções dos adotantes em relação aos períodos iniciais de adaptação. Contextos Clínicos, 7(2), 155-167. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822014000200005. doi: https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2014.72.04

Cananéa, A. L. C. de L. (2016, mês). Adoção tardia? Uma leitura psicanalítica. Congresso internacional de Psicopatologia fundamental. João Pessoa, PB, Brasil, 7. Recuperado de http://www.psicopatologiafundamental.org/uploads/files/VII CONGRESSO/ANAIS/Mesas redondas/51.2.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (2012). Mudança de foco nos processos de adoção reforça papel do psicólogo. Revista Diálogos, 8(9), 36-39. Recuperado de https://edoc.site/dialogos-psicologia-juridica-pdf-free.html

Conselho Nacional de Justiça. (2013). Encontros e Desencontros da adoção no Brasil: uma análise do Cadastro Nacional de Adoção do Conselho Nacional de Justiça. Brasília. Recuperado de http://www.cnj.jus.br/images/pesquisas-judiciarias/Publicacoes/pesq_adocao_brasil.pdf

Costa, N. R. do A.; Rossetti-Ferreira, M. C. (2007). Tornar-se pai e mãe em um processo de adoção tardia. Psicologia Reflexãoe Crítica, 20(3), 425-434. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/prc/v20n3/a10v20n3.pdf

Dias, C. M. de S. B., Silva, R. V. B. da, & Fonseca, C. M. S. M. de S. (2008). A adoção de crianças maiores na perspectiva dos pais adotivos. Contextos Clínicos, 1(1), 28-35. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822008000100004&lng=pt&tlng=pt

Fontelles, M. J., Simões, M. G., Farias, S. H., & Fontelles, R. G. S. (2009). Metodologia da pesquisa científica: Diretrizes para a elaboração de um protocola de pesquisa. Revista Paraense de Medicina, 12(1). Recuperado de https://cienciassaude.medicina.ufg.br/up/150/o/Anexo_C8_NONAME.pdf

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Lei n. 12.010, de 03 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm

Machado, L. V., Ferreira, R. R., & Seron, P. C. (2015). Adoção de crianças maiores: sobre aspectos legais e construção do vínculo afetivo. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 6(1), 65-81. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-64072015000100006&lng=pt&tlng=pt

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS. (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Recuperado de http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/Plano_Defesa_CriancasAdolescentes%20.pdf

Pinto, L. M. S. (2010). Reflexões sobre o processo de vínculos na filiação adotiva (Dissertação de mestrado). Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.Recuperado de http://www.unicap.br/tede/tde_arquivos/1/TDE-2010-05-10T204901Z-282/Publico/dissertacao_licelia_martins.pdf

Sampaio, D. da S., Magalhães, A. S., & Féres-Carneiro, T. (2018). Pedras no Caminho da Adoção Tardia: Desafios para o Vínculo Parento-filial na Percepção dos Pais. Trends in Psychology, 26(1), 311-324. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2358-18832018000100311&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Schettini, S. S. M., Amazonas, M. C. L. de A., & Dias, C. M. de S. B. (2006). Famílias adotivas: identidade e diferença. Psicologia emestudo, 11(2), 285-293. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722006000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Silveira, D. T.,&Córdova, F. P.(2009). A pesquisa científica. In: Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. 31-42. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Spink, M. J. P., & Medrado, B. (2013). Produção de Sentido no Cotidiano: Uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: Spink, M. J. P. Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano. 22-41. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Teixeira Filho, Fernando Silva. (2010). Os segredos da adoção e o imperativo da matriz bioparental. Revista Estudos Feministas, 18(1), 241-262. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2010000100015

Vargas, Marlizete Maldonado (1998). Adoção Tardia: Da família sonhada à família possível. São Paulo: Casa do Psicólogo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.