Pipa corporativa: uma ferramenta da terapia narrativa aplicada às familias empresarias

Eduardo Ribeiro do Val

Resumo


Este artigo apresenta o relato de uma pesquisa que utiliza como referência a metodologia Pipa da Vida, desenvolvida por David Denborough (2008), adaptada para o ambiente organizacional, e tem por objetivo fortalecer, por meio da linguagem, as relações interpessoais e intergeracionais entre os membros dessa família empresária, por meio do reconhecimento e validação da identidade preferida de cada um. O objeto de pesquisa deste estudo é uma empresa  familiar de transporte de cargas fundada em 1990. Após o falecimento de seu fundador, os herdeiros passaram a ocupar cargos na empresa. A ausência do planejamento do processo de sucessão gerou conflitos, tais como: excesso de trabalho, a sobrecarga emocional da viúva e, principalmente, a falta de objetivo em comum dessa família dentro da corporação. Essas narrativas tornaram-se uma história saturada de problemas, e a adaptação da Pipa da Vida para o ambiente corporativo ajudou essa família a superar os conflitos.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n61a02


Palavras-chave


terapia narrativa; práticas narrativas coletivas; pipa corporativa; gestão de pessoas; empresas familiares

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, B. B., & Müller, A. (2014). Jardim de flores: uma experiência com grupos de famílias no contexto da socioeducação. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, 23(49), 73-87.

Chiavenato, I. (2001). Introdução à teoria geral da administração (6a ed.). São Paulo: Campus.

Denborough, D. (2008). Collective narrative practice: Responding to individuals, groups and communities who have experienced trauma. Adelaide: Dulwich Centre.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Grandesso, M. (2007). Narrativas: histórias, histórias e mais histórias. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kojikovski, G. (2017). Os quinze anos de vaivém entre Cade, Garoto e Nestlé. Revista Exame. Recuperado de https://exame.abril.com.br/negocios/os-15-anos-de-vaivem-entre-cade-garoto-e-nestle/

Kotler, P. (2000). Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall.

Lobato, D. M., Moysés, J. F., Torres, M. C. S., & Alambert, R. (2011). Estratégia de empresas. Rio de Janeiro: FGV.

Müller, A. (2012). Troca de cartas no time da vida: um bate-bola construtivo. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, 21(42), 42-56.

Müller, A. (2013). Ritmos da vida: ajudando crianças na superação da separação. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, 22(45), 34-46.

Ncube, N. (2006). The Tree of Life Project: using narrative ideas in work with vulnerable children is Southern Africa. International Journal of Narrative Therapy and Community Work, 1, 3-16.

Oliveira, D. P. R. (2006). Empresa familiar: como fortalecer o empreendimento e otimizar o processo sucessório (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Ricca, D. (2016). 95% das empresas familiares são extintas no processo de sucessão à segunda ou terceira geração. Recuperado de

https://www.segs.com.br/seguros/14328-95-das-empresas-familiares-sao-extintas-no-processo-de-sucessao-a-segunda-ou-terceira-geracao.html

Silveira, A. (2010). Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.