Mulheres, casamento e carreira: um olhar sob a perspectiva sistêmica feminista

Mariana Grasel de Figueiredo, Gláucia Ribeiro Starling Diniz

Resumo


O artigo apresenta uma discussão teórica sobre a vivência de mulheres no casamento e na carreira a partir da perspectiva de gênero e sistêmica feminista. Apresentamos inicialmente uma discussão sobre o feminismo, o trabalho das mulheres e a possibilidade de investir na carreira profissional. Perpassamos aspectos históricos e conceituais que visam à contribuição para a compreensão da experiência das mulheres com a carreira na sociedade contemporânea. Articulamos, em seguida, questões de gênero com reflexões acerca das mulheres no casamento. Por fim, discorremos a respeito da terapia com base na perspectiva sistêmica feminista na interação casamento, carreira e gênero. A discussão ressalta o quanto a perspectiva sistêmica feminista é importante e útil para dar visibilidade às questões de gênero enfrentadas pelas mulheres no contexto do casamento e da carreira.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n60a06


Palavras-chave


terapia sistêmica feminista; gênero; casamento; carreira

Texto completo:

PDF

Referências


Amâncio, J. M. & Oliveira, L. (2002). Liberdades condicionais: o conceito de papel sexual revisitado. Sociologia, Problemas e Práticas, 40, 45-61.

Ariès, P. (1986). História social da criança e da família (D. Flaksman, Trad., 2ª ed.). Rio de Janeiro: Guanabara.

Beltrame, G. R. & Donelli, T. M. S. (2012). Maternidade e carreira: desafios frente à conciliação de papéis. Aletheia, 38/39, 206-217.

Borges, C. C. (2013). Mudanças nas trajetórias de vida e identidades de mulheres na contemporaneidade. Psicologia em Estudo, 18(1), 71-81.

Bruschini, C. (2007). Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa. 37(132), 537-572.

Bruschini, C. & Lombardi, M. R. (2001). Instruídas e trabalhadeiras: trabalho feminino no final do século XX. Cadernos Pagu, 17/18, 157-196.

Carter, B. & McGoldrick, M. (2001). As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Coelho, S. V. (2006). Abordagens psicossociais da família. In J. G. Aun., M. J. Vasconcellos, & S. V. Coelho (Orgs.), Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: fundamentos teóricos e epistemológicos (pp. 143-233). Belo Horizonte: Ophicina de Arte e Prosa.

D’Elia, T. C. P. (2009). Mulher, maternidade e trabalho: dilemas contemporâneos. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Diniz, G. R. S. (1996). Dilemas de trabalho, papel de gênero e matrimônio em casais que trabalham fora em tempo integral. In T. Féres-Carneiro (Org.), Relação amorosa, casamento, separação e terapia de casal (pp.101-112). Rio de Janeiro: Coletâneas da ANPEP.

Diniz, G. R. S. (1999). Homens e Mulheres Frente à Interação Casamento-Trabalho: aspectos da realidade brasileira. In T. Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: entre a tradição e a transformação (pp. 31-54). Rio de Janeiro: NAU.

Diniz, G. R. S. (2003). Gênero e Psicologia: questões teóricas e práticas. Revista Psicologia Brasil, 1(2), 16-21.

Diniz, G. R. S. (2009). O casamento contemporâneo em revista. In T. Feres-Carneiro (Org.), Casal e família: permanências e rupturas (pp. 135-156). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Diniz, G. R. S. & Féres-Carneiro, T. (2012). Casamento e família: uma reflexão sobre desafios da onjugalidade contemporânea In T. C. Viana, G. R. S. Diniz, L. F. Costa, & V. Zanello (Orgs.), Psicologia Clínica e Cultura Contemporânea (pp. 430- 447). Brasília, DF: Liber Livros.

.

Diniz, G. R. S. & Perlin, G. (2005). Casais que trabalham e são felizes: mito ou realidade? Psicologia Clínica, 17(2), 15-29.

Dutra, J. S. (1996). Administração de carreiras: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. Atlas: São Paulo.

Falcke, D., Mosmann, C., & Wagner, A. (2005). Passando a história a limpo: o impacto dasexperiências da família de origem na conjugalidade. In A. Wagner (Ed.), Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares (pp. 67-80). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Flood, S. & Genadek. K. (2016). Time for Each Other: Work and Family Constraints Among Couples. Journal of Marriage and Family, 78, 142–164.

Fontenele-Mourão, T. M. (2006). Mulheres no topo de carreira: flexibilidade e persistência. Brasília, DF: Secretaria Especial de Políticas para Mulheres.

Fraenkel, P. & Wilson, S. (2002). Relógio, calendários e casais: o tempo e o ritmo dos relacionamentos. In P. Papp (Org.), Casais em perigo (pp. 77-117). Porto Alegre: Artmed.

Giddens, A. (2000). Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro: Record.

Gomes, I. C. (1998). O sintoma da criança e a dinâmica do casal. São Paulo: Escuta.

Goodrich, T. J., Rampage, C., Ellman, B., & Hasltead, K. (1990). Terapia feminista da familia. Porto Alegre: Artmed.

Hall, D. T. (2002). Careers in and out of Organizations. Londres: Sage.

Heckler, V. I. & Mosmann, C. (2016). A qualidade conjugal nos anos iniciais do casamento em casais de dupla carreira. Psicologia Clínica, 28(1), 161-182.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. (2016). O perfil da discriminação no mercado de trabalho. Brasília, DF: Autor.

Jablonski, B. (2010). A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 262-275.

Lima, G. S. (2009). Os desafios da carreira da mulher executiva no Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Madalozzo, R., Martins, S., & Shiratori, L. (2010). Participação no mercado de trabalho e no trabalho doméstico: homens e mulheres têm condições iguais? Revista Estudos Feministas, 18(2), 547-566.

Maluf, V. M. & Kahhale, E. M. S. P. (2010). Mulher, trabalho e maternidade: uma visão contemporânea. Revista Polêm!ca, 9(3), 143-160.

Macedo, R. M. S. (2009). Questões de gênero na terapia de familia e de casal. In L. C. Osório &, M.E.P. Valle (Orgs.), Manual de terapia familiar (pp. 59-72). Porto Alegre: Artmed.

Minuchin, S. (2008). O encontro terapêutico. In S. L. W. Minuchin & G. Simon (Orgs.), Dominando a terapia familiar (pp. 99-122). Porto Alegre: Artmed.

Narvaz, M. & Koller, S. H. (2007). Feminismo e terapia: a terapia feminista da família – por uma psicologia comprometida. Revista Psicologia Clínica, 19(2), 117-131.

Nichols, M. P. & Schwartz, R. C. (2007). Terapia familiar: conceitos e métodos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Papp, P. (2002). Casais em perigo: novas diretrizes para terapeutas. Porto Alegre: Artmed.

Penso, M. A. & Sant’Anna, T. C. (2015). A violência contra a mulher na perspectiva da terapia feminista da familia. Nova Perspectiva Sistêmica, 53, 95-110.

Perlin, G. D. B. (2006). Casamentos contemporâneos: um estudo sobre os impactos da interação família-trabalho na satisfação conjugal. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF.

Perrot, M. (2012). O trabalho das mulheres. In Minha história das mulheres (pp. 109-134). São Paulo: Contexto.

Pinsky, J. (1988). As primeiras civilizações (3a ed.) São Paulo: Atual.

Rapoport, R. & Rapoport R. N. (1976). Dual-career families. First edition published by Harmonds worth. London: Penguin Books.

Rocha-Coutinho, M. L. (2003). Quando o executivo é uma “dama”: a mulher, a carreira e as relações familiares. In T. Féres-Carneiro (Org.), Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas (pp. 57-77). Rio de Janeiro: PUC-Rio.

Rocha-Coutinho, M. L. & Barbosa, P. Z. (2007). Maternidade: novas possibilidades, antigas visões. Psicologia Clínica, 19(1), 163-185.

Rocha-Coutinho, M. L., & Losada, B. (2007). Redefinindo o significado da atividade profissional para as mulheres: o caso das pequenas empresárias. Psicologia em Estudo, 12(3), 493-502.

Rocha-Coutinho, M. L. & Coutinho, R. R. (2012). Mulheres brasileiras em posições de liderança: novas perspectivas para antigos desafios. Economia Global e Gestão, 16(1), 61-79.

Santos, L. (2014). Donas de casa, donas da própria vida? Problematizações acerca do trabalho (in)visível e da saúde mental de mulheres (des)valorizadas. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF.

Satir, V. (1995). A mudança no casal. In M. Andolfi, C. Angelo, & C. Saccu (Orgs.), O casal em crise (pp. 29-37). São Paulo: Summus.

Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Spindola, T. & Santos, R. S. (2004). Trabalho versus vida em família. Conflito e culpa no cotidiano das trabalhadoras de enfermagem. Ciencia y Enfermeria, 10(2), 43-52.

Tanure, B., Carvalho-Neto, A. M., & Andrade, J. A. (2010). Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE-eletrônica, 9(1), 1-23.

Vianna, C. & Diniz, G. (2014). Gênero, feminismos e saúde mental: implicações para a prática e a pesquisa em Psicologia Clínica. In V. Zanello & A. P. Müller de Andrade (Orgs.), Sáude mental e gênero: diálogos, práticas e interdisciplinaridade (pp. 81-106). Curitiba: Editora Appris.

Wagner, A. (2005). Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares. Porto Alegre: EdiPUCRS.

Walters, M. (1994). Uma perspectiva feminista da terapia de familia. In R. Perelberg & A. Miller (Orgs), Os sexos e o poder nas famílias (pp. 27-46). Rio de Janeiro: Imago.

Yannoulas, S. C. (2013). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré.

Zanello, V. (2016). Saúde mental, gênero e dispositivos. In M. Dimenstein, J. Leite, J. P. Macedo, & C. Dantas (Orgs.), Condições de vida e saúde mental em contextos rurais (pp. 223-246). São Paulo: Intermeios.

Zordan, E. P., Falcke, D., & Wagner, A. (2014). Copiar ou (re)criar? Perspectivas histórico-contextuais do casamento. In A. Wagner (Org.), Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares. (pp. 47-65). Porto Alegre: EdiPUCRS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia