Desafios e estratégias implementadas na adoção de crianças maiores e adolescentes

Angelita da Costa Peixoto, Andréia Isabel Giacomozzi, Andréa Barbará da Silva Bousfield, Bruna Berri, Juliana Gomes Fiorott

Resumo


A adoção é um assunto conhecido e familiar mas ainda cercada por preconceitos, principalmente quando se trata de adoção de crianças maiores e adolescentes, a chamada adoção tardia. O presente estudo teve como objetivo analisar oito casos de adoção de crianças maiores e adolescentes para verificar os desafios enfrentados por adotantes e adotandos na adaptação familiar e  quais estratégias foram utilizadas para lidar com os mesmos. Realizou-se estudo retrospectivo documental com estudos sociais efetuados após o estágio de convivência. Verificou-se que a convivência familiar dos adotantes com os adotandos nos primeiros meses de adaptação foi difícil, no entanto, as estratégias utilizadas tais como auxílio psicológico familiar, busca por atendimento médico especializado, apoio da família extensa, paciência, reforço positivo sobre a adoção e persistência dos pais para superar as dificuldades contribuíram para o êxito dessas adoções.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a05


Palavras-chave


adoção; adoção tardia; convivência familiar; adaptação; estágio de convivência.

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, E. (2012). Proceso de construcción de una familia adoptiva: relato de dos familias. Papers Infancia, (2), 1–26.

Andrei, D.C. (2001). Reflexões sobre a adoção tardia. In: F. Freire (Org.). Abandono e adoção: contribuições para uma cultura da adoção (pp. 91-98). Curitiba: Terra dos Homens.

Associação dos Magistrados Brasileiros. Adoção Passo a Passo. Cartilha da adoção de Crianças e Adolescentes no Brasil. 2014. Recuperado em 26 de junho 2018, http://www.mprs.mp.br/areas/infancia/arquivos/adocaopassoapassso.pdf.

Barroso, R. G., & Machado, C. (2010). Definições, dimensões e determinantes da

parentalidade.Psychologica, 211-229.

Belsky, J., Spanier G. B., & Rovine, M. (1983). Stability and Change in Marriage across the Transition to Parenthood. Journal of Marriage and Family, 45(3), 567-577.

Bittencourt, C. B. F. (1995). Violência sexual contra crianças: implicações psicológicas. Pediatria Moderna, 31, 420-424.

Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70.

Brasil, Lei nº 12.010 de 03 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção. Recuperado em 26 de junho 2018, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2009/lei/l12010.htm.

Brida, G. V. P., Maeda, N., Bombardi, J. S., & Bonato, M. M. (2012). Sofrimento Psíquico e Violência Sexual em Meninos e Meninas. Anais do Encontro Brasileiro de Psicanálise e Sedução Generalizada, Maringá, PR, Brasil, 1.

Conselho Nacional de Justiça. Cadastro Nacional de Adoção, 2017. Recuperado em 26 de junho, 2018, http://www.cnj.jus.br/sistemas/infancia-e-juventude/20530-cadastro-nacional-de-adocao-cna.

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar – uma estrutura para a terapia familiar (2a ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Carvalho, S. R., & Ferreira, M. R. P. (2000). Primeiro Guia de Adoção de crianças e adolescentes do Brasil. São Paulo: Winners Editorial.

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & dos Reis, D. C. (2014). Análise comparativa do perfil de crianças em acolhimento institucional nos anos de 2004 e 2009. Psico, 45(1), 90-99.

Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Pontes, F. A. R. (2009). Processos de saúde-doença entre crianças institucionalizadas: uma visão ecológica. Ciência & Saúde Coletiva, 14 (2), 614-625.

Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2007). Tornar-se Pai e Mãe em um processo de adoção tardia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 425-434.

Costa, S. F., & Teixeira, S. (2017). “A história não tem de ser o destino”: o risco psicossocial em crianças com famílias disfuncionais. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, 7(1-2), 193-203.

Da Silva, J. A. Adoção de Crianças Maiores. (2009). Dissertação de mestrado – PUC, Minas Gerais.

Dessen, M. A., & Braz, M. P. (2000). Rede Social de Apoio Durante Transições Familiares Decorrentes do Nascimento dos Filhos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16(3), 221-231.

Dias, C. M. S. B. (2006). A importância da família extensa na adoção. In L. Schettini Filho & S.S.M. Schettini (Eds.). Adoção, os vários lados dessa história (173-194). Recife: Bagaço.

Dias, C. M. S. B., Silva, R. V. B., & Fonseca, C. M. S. M. S. (2008). A adoção de crianças maiores na perspectiva dos pais adotivos. Contextos clínicos, 1(1), 28-35.

Diniz, J. S. (1993). Este meu filho que eu não tive: a adopção e os seus problemas. Porto: Afrontamento.

Dubowitz, H., Black, M.., & Harrington, D. (1992). The diagnosis of child sexual abuse. American Journal of Diseases of Children, 146, 668- 693.

Ebrahim, S. G. (2001). Adoção Tardia: altruísmo, maturidade e estabilidade emocional. Psicologia Reflexão e Crítica, 14(1), 73-80.

Festinger, T. (2012). After adoption: dissolution or permanence? Child Welfare, 81(3).

Gauderer, C. E., & Morgado, K. (1992). Abuso sexual na criança e no adolescente. Jornal de Pediatria, 68(8), 7- 8.

Giacomozzi, A. I., Nicoletti, M., & Godinho, E. M. (2016). As representações sociais e as motivações para adoção de pretendentes brasileiros à adoção. Psychologica, 41-64.

Ghirardi, M. L. A. M. (2009). A devolução de crianças adotadas: ruptura do laço familiar. Campo Belo, São Paulo. Recuperado em 15 maio 2015, http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=3988

Goes, A. E. D. (2014). Criança não é brinquedo! A devolução de crianças e adolescentes em processos adotivos.(Syn) thesis,7(1), 85-93.

Gondim, A. K., Crispim, C. S., Fernandes, F. H. T., Rosendo, J. C., Brito, T. M. C. D., Oliveira, U. B. D., & Nakano, T. D. C. (2008). Motivação dos pais para a prática da adoção. Boletim de psicologia, 58(129), 161-170.

Goldsmit, R., & Féres-Carneiro, T. (2011). Relação Fraterna: constituição do sujeito e formação do laço social. Psicologia USP, 22(4), 771-787.

Habizang, L. F., Azevedo, G. A., Koller, S. H., & Machado, P. X. (2006). Fatores de risco e de proteção na rede de atendimento à crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 379-386.

Kirch, A. T., & Copatti, L. C. (2014). Criança e adolescente: a problemática da adoção e posterior devolução às casas de acolhimento. Prisma Jurídico, 13(1), 13-36.

Koller, S. H., & De Antoni, C. Violência intrafamiliar: uma visão ecológica. (2004). In S. H. Koller (Ed.). Ecologia do Desenvolvimento Humano: pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 293-310). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Levy, L., Pinho, P. G., & de Faria, M. M. (2009). “Família é muito sofrimento”: um estudo de casos de “devolução” de crianças. Psico, 40(1), 5.

Levy-Shiff, R. (1994). Individual and contextual correlates of marital change across the transition to parenthood. Developmental Psychology, 30(4), 591-601.

Machado, R. N., Féres-Carneiro, T., & Magalhães, A. S. (2015). Parentalidade

adotiva: Contextualizando a escolha. Psico, 46(4), 442-451.

Maldonado, M. T. (1989). Maternidade e paternidade. Petrópolis: Vozes.

Mariano, F. N. (2004). O cenário jurídico: a análise de processos de adoção do município de Ribeirão Preto (1991-2000). Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Menezes, C. C., & Lopes, R. C. S. (2007). Relação conjugal na transição para a parentalidade: gestação até dezoito meses do bebê. Psico-USF, 12, 83-93.

Mello, M. M., & da Luz, K. G. (2016). Adoção Tardia: Contribuições do projeto DNA da Alma de Farroupilha/RS. Saúde e Desenvolvimento Humano, 4(1), 37-46.

Minuchim, S. (1982). Famílias: Funcionamento e tratamento. Porto Alegre; Artes Médicas.

Motta, M. A. P. (1995). Adoção: Uma verdade a ocultar?. Revista Literária de Direito, 7(2), 23.

Muniz, A. A. M., & Carneiro, T. F. (2012). Função fraterna: reflexões a partir do filme Príncipe das Marés. Psicologia em revista, 18(1), 41-56.

Nabinger, S. (2010). Adoção: O encontro de duas histórias. Santo Ângelo: FURI.

Oliveira, M. S., & Flores, R. Z. (1999). Violência contra crianças e adolescentes na grande Porto Alegre. In Amencar (Ed.). Violência doméstica (pp. 71-86). Brasília: UNICEF.

Otuka, L. K., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2009). A Configuração dos vínculos na adoção: uma atualização no contexto latino-americano. Revista Brasileira de Desenvolvimento Humano, 19(3), 475-486.

Paixão, A. C. W. (2010). Análise das políticas públicas de enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. Saúde e Sociedade, 19(1), 114-126.

Peres, R., & Dos Santos, M. A. (2005). Considerações gerais e orientações práticas acerca do empregode estudos de caso na pesquisa cientìfica em Psicologia. Interações, 10(20).

Piccinini, C. A., Pereira, C. R. R., Marin, A. H., & Lopes, R. C. S. (2007). O nascimento do segundo filho e as relações familiares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 253-261.

Reis, Aline Gomes dos. (2015). Práticas educativas e violencia: uma reflexão crítica. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre. Resgatado em 06 de julho 2018 http://hdl.handle.net/10183/141408

Santos, Manoel Antônio, Raspantini, Renata Loureiro, da Silva, Letícia Araújo Moreira, & Escrivão, Mariana Visconti. (2003). Dos laços de sangue aos laços de ternura: o processo de construção da parentalidade nos pais adotivos. Psic: revista da Vetor Editora, 4(1), 14-21.

Schettini Filho, L. (Org.). (2006). Adoção: os vários lados dessa história. Recife: Bagaço.

Smith, S. L., Howard, J. A., Garnier, P. C., & Ryan, S. D. (2006). Where are we now? A post-ASFA examination of adoption disruption. Adoption Quarterly, 9(4), 19-44.

Silva, P. S. D., Perez, L. C., Castellá Sarriera, J., & Frizzo, G. B. (2017). A equipe psicossocial na colocação da criança nos processos de adoção. Psicologia: ciência e profissão. Brasilia, DF. Vol. 37, n. 3 (jul./set. 2017), p. 608-623.

Silva, E. R. A. (Coord.). (2004). O direito à convivência familiar e comunitária: os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília: Ipea/Conanda.

Silva, L., Nunes, C., & Almeida, A. S. (2017). Complexidade da conceção de parentalidade em famílias adotivas. Revista PSICOLOGIA, 31(2), 198-201.

Siqueira, A.C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalizac?a?o na infa?ncia e na adolesce?ncia: uma revisa?o da literatura. Psicologia e Sociedade, 18(3), 71-80.

Souza, H. P., & Casanova, R. P. S. (2012). Adoção: O Amor faz o mundo girar mais rápido. Curitiba: Juruá.

Sturgess, W., & Selwyn, J. (2007). Supporting the placements of children adopted out of care. Clinical Child Psychology and Psychiatry, 12(1), 13-28.

Trindade, J. (2004). Manual de Psicologia Jurídica.Porto Alegre: Livraria do

Advogado.

Vargas, M. M. (1998). Adoção tardia: da família sonhada à família possível. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vargas, E. A. M., Rosa, E. M., & Dell'Aglio, D. D. (2014). Adoção nacional e internacional: significados, motivações e processos de habilitação. Revista da SPAGESP, 15(2), 12-26.

Weber, L. N. D. (2008). Interações entre família e desenvolvimento. In L. N. D. Weber (Org.). Família e desenvolvimento: visões multidisciplinares (pp. 9-20). Curitiba: Juruá.

Weber, L. N. D., & Cornélio, S. A. (1994). Filhos adotivos: Amores ou dissabores? In Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (Org.), 46a Reunião Anual para o Progresso da Ciência (p. 873), Vitória: SBPC.

Weber, L. N. D., & Gagno, A. P. (1995). Onde estão os vínculos afetivos das crianças institucionalizadas? Caderno de Resumos do Congresso Latino-Americano de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, Curitiba, PR, Brasil, 25.

Weber, L. N. D., Gagno, A. P., Cornélio, S. A., & Silva, M. L. (1994). Adoção: Pré-conceitos, conceitos e pós-conceitos. In Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (Org.), 46a Reunião Anual para o Progresso da Ciência (p. 854), Vitória: SBPC.

Weber, L. N. D. (2003). Pais e filhos por adoção no Brasil. Características, expectativas e sentimentos. Curitiba, PR: Juruá.

Weber, L. N. D., Viezzer, A. P., & Brandenburg, O. J. (2004). O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estudos de Psicologia, 9(2), 227-237.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.