OBESIDADE, FAMÍLIA E TRANSGERACIONALIDADE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

ALINE ORLANDI CORADINI, CARMEN LEONTINA OJEDA OCAMPO MORÉ, ALESSANDRA D’ÁVILA SCHERER

Resumo


A obesidade como doença crônica é considerada atualmente uma epidemia mundial. Este artigo apresenta uma revisão integrativa das produções científicas nacionais e internacionais sobre as relações entre obesidade, família e transgeracionalidade, com o intuito de compreender os fatores familiares que influenciam no processo de desenvolvimento da obesidade. Foi realizada busca nas bases de dados LILACS, Scopus, Web of Science e Medline, no período de 2006 a 2016. Foram utilizados os seguintes descritores: “Obesity”, “Family”, “Intergenerational relations”, “Generations”, “Genogram” e “Family Dynamic”. Após seleção de acordo com critérios estabelecidos, de um total de 384, foram incluídos 15 artigos que constituem o corpus do presente trabalho. Os resultados apontaram que ocorre a repetição
da obesidade entre as gerações e que o ambiente familiar e hábitos alimentares são fatores que influenciam o desenvolvimento da obesidade desde a infância. Destaca-se a escassez de estudos que abordem especificamente a relação entre a história dos vínculos afetivos familiares e o desenvolvimento
da obesidade. Conclui-se que há necessidade de uma maior produção científica em torno da compreensão dos padrões relacionais estabelecidos pela família ao longo do tempo, pois estes se constituem em recursos importantes de prevenção
e intervenção no contexto da obesidade.

Palavras-chave


obesidade; família; transgeracionalidade; genograma; relações familiares

Texto completo:

PDF

Referências


Andolfi, M. (2003). Manual de psicología relacional: La dimensión familiar. Colombia: Corporación Andolfi-González.

Baratieri, R. (2005). Aspectos sociais e demográficos da obesidade. In R. S. Silva & N. T. Kawahara (Orgs.), Cuidados pré e pós-operatórios na cirurgia da obesidade (pp. 39-45). Porto Alegre: AGE.

Berge, J., M., Rowley, S., Trofholz, A., Hanson, C., Rueter, M., Maclehose, R. F., & Neumark-Sztainer, D. (2014). Childhood Obesity and Interpersonal Dynamics During Family Meals. Pediatrics, 134(5), 923-932. *(10)

Böing, E., Crepaldi, M. A., & Moré, C. L. O. O. (2008). Pesquisa com famílias: aspectos teórico-metodológicos. Paidéia, 18(40), 251-266.

Borsa, J. C. & Nunes, M. L. T. (2011). Aspectos psicossociais da parentalidade: O papel de homens e mulheres na família nuclear. Psicologia Argumento, 29(64), 31-39.

Boszormenyi-Nagy, I. & Spark, G. M. (2003). Lealtades Invisibles: Reciprocidad en terapia familiar intergeneracional. Buenos Aires: Amorrortu.

Bowen, M. (1991). De La família al individuo: La diferenciación del si mismo en el sistema familiar. Barcelona: Paidos.

Brazão, N. & Santos, O. (2010). Transgeracionalidade na obesidade infantil. Endocrinologia, Diabetes & Obesidade, 4(2), 87-94.

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar (2ª ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Chaparro, M. P. & Koupil, I. (2014). The impact of parental educational trajectories on their adult offspring’s overweight/obesity status: A study of three generations of Swedish men and women. Social Science & Medicine, 120, 199-207. *(12)

Crepaldi, M. A., Moré, C. L. O. O., & Schultz, N. C. W. (2014). Genograma na pesquisa qualitativa. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp. 197-210). São Paulo: Roca.

Crossman, A., Sullivan, D. A., & Benin, M. (2006). The family environment and American adolescents’ risk of obesity as young adults. Social Science & Medicine, 63, 2255-2267. *(1)

Curtis, P., Stapleton, H., & James, A. (2011). Intergenerational relations and the family food environment in families with a child with obesity. Annals of Human Biology, 38(4), 429–437. *(7)

Falcke, D. & Wagner, A. (2014). A dinâmica familiar e o fenômeno da transgeracionalidade: definição de conceitos. In A. Wagner (Coord), Como se perpetua a família? A transmissão dos modelo familiares (pp. 25-45). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Fox, C. S., Pencina, M. J.; Heard-Costa, N. L., Shrader, P., Jaquish, C., O’Donnell, C. J., Vasan, R. S., Cupples, A., & D’Agostino, R. B. (2013). Trends in the Association of Parental History of Obesity over 60 Years. Obesity (Silver Spring), 22(3), 919-924. *(13)

Geremia, R., Cimadon, H. M. S., Souza, W. B., & Pellanda, L. C. (2015). Childhood overweight and obesity in a region of Italian immigration in Southern Brazil: a cross-sectional study. Italian Journal of Pediatrics, 41(28), 1-8. *(14)

Goldenberg, M. & Ramos, M. S. (2007). A civilização das formas: o corpo como valor. In M. Goldenberg (Org.), Nu e vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca (pp.19-40). Rio de Janeiro/São Paulo: Record.

Henriques, M. S. M. T., Falbo, A. R., Sampaio, M. A., Da Fonte, M.L.A. & Krause, D. F. (2015). O exercício da função materna em mães de filhos obesos na perspectiva da psicanálise. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18(3), 461-475.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Pesquisa Nacional de Saúde 2013: Ciclos de Vida. Rio de Janeiro. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94522.pdf. Acesso em: 02 de setembro de 2016.

Imberblack, E. (1994). Os segredos na família e na terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Jingxiong, J., Rosenqvist, U., Huishan, W., Greiner, T., Guangli, L., & Sarkadi, A. (2007). Influence of grandparents on eating behaviors of young children in Chinese three-generation families. Appetite, 48, 377-383. *(2)

Kelly, G. E., Murrin, C., Viljoen, K., O’Brien, J., & Kelleher, C. (2014). Body mass index is associated with the maternal lines but height is heritable across family lines in the Lifeways Cross-Generation Cohort Study. BMJ Open, 4, 1-9. *(11)

Kime, N. (2009). How children eat may contribute to rising levels of obesity Children’s eating behaviours: An intergenerational study of family influences. International Journal of Health Promotion and Education, 47(1), 4-11. *(3)

Kime, N. (2010). Changes in intergenerational eating patterns and the impact on childhood obesity. Health Education Journal, 71(2), 173-179. *(6)

Mascarenhas, L. P. G., Modesto, M. J., Amer, N. M., Boguszewski, M. C. S., Lacerda, L., & Prati, F. S. (2013). Influência do excesso de peso dos pais em relação ao sobrepeso e obesidade dos filhos. Pensar a Prática, 16(2), 519-532.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto – Enfermagem, 17(4), 758-764.

Mendonça, C. P. & dos Anjos, L. A. (2004). Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cad. Saúde Pública, 20(3), 698-709.

Ministério da Saúde. (2014a). Perspectivas e desafios no cuidado às pessoas com obesidade no SUS: resultados do laboratório de inovação no manejo da obesidade nas redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Autor.

Ministério da Saúde. (2014b). Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, DF: Autor.

Minuchin, S. (1990). Famílias: funcionamento e tratamento (2ª ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Moira, A. P., Power, C., & Li, L. (2010). Changing Influences on Childhood Obesity: A Study of 2 Generations of the 1958 British Birth Cohort. American Journal of Epidemiology, 171(12), 1289-1298. *(5)

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo (4ª ed.). Porto Alegre: Sulina.

Nascimento, C. A. D., Bezerra, S. M. M. S., & Angelim, E. M. S. (2013). Vivência da obesidade e do emagrecimento em mulheres submetidas à cirurgia bariátrica. Estudos de Psicologia, 18(2), 193-201.

Organização Mundial da Saúde – OMS. (2015). Nota descriptiva n° 311: Obesidad y Sobrepeso. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/es/. Acesso em: 05 de outubro de 2016.

Otto, A. F. N. & Ribeiro, M. A. (2012). Unidos em torno da mesa: a dinâmica familiar na obesidade. Estudos de Psicologia, 17(2), 255-263. *(8)

Peña, M. & Bacallao, J. (2000). La obesidad en la pobreza: un problema emergente en las Américas. In Organizacion Panamericana de la Salud. La obesidade en la pobreza: Un nuevo reto para la salud pública (pp. 3-11). Washington, DC: Organizacion Panamericana de la Salud.

Pinheiro, A. R. O., Freitas, S. F. T., & Corso, A. C. T. (2004). Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Revista de Nutrição, 17(4), 523-533.

Ramalho, J. A. M., Lachal, J., Bucher-Maluschke, J. S. N. F., Moro, M., & Revah-Levy, A. (2016). A qualitative study of the role of food in family relationships: An insight into the families of Brazilian obese adolescents using photo elicitation. Appetite, 96, 539-545. *(15)

Rolland, J. S. (1995). Doença crônica e o ciclo de vida familiar. In B. Carter & M. McGoldrick (Eds.), As mudanças no ciclo de vida familiar (2ª ed., pp. 373-392). Porto Alegre: Artmed.

Scatamburlo, N. P., Moré, C. L. O. O., & Crepaldi, M. A. (2012). O processo de transmissão intergeracional e a violência no casal. Nova Perspectiva Sistêmica, 21(44), 35-48.

Silva, S. R. (2005). Obesidade: conceito, diagnóstico e classificação. In R. S. Silva; N. T. Kawahara (Orgs.,). Cuidados pré e pós-operatórios na cirurgia da obesidade (pp. 25-33). Porto Alegre: AGE.

Steffen, L. M., Dai, S., Fulton, J. E., & Labarthe, D. R. (2009). Overweight in children and adolescents associated with TV viewing and parental weight: Project HeartBeat! Am J. Prev Med, 37, S50-S55.

Swinburn, B., Egger, G., & Raza, F. (1999). Dissecting Obesogenic Environments: The Development and Application of a Framework for Identifying and Prioritizing Environmental Interventions for Obesity. Preventive Medicine, 29, 563-570.

Tassara, V., Norton, R. C., & Marques, W. E. U. (2010). Importância do contexto sociofamiliar na abordagem de crianças obesas. Revista Paulista de Pediatria, 28(3), 309-314. *(4)

Thompson, A. L. (2013). Intergenerational impact of maternal obesity and postnatal feeding practices on pediatric obesity. Nutrition Reviews, 71(1), S55–S61. *(9)

Vasques, F., Martins, F. C., & Azevedo, A. P. (2004). Aspectos psiquiátricos do tratamento da obesidade. Rev. Psiquiatria. Clínica, 31(4), 195-198.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia