“RITMOS DA VIDA”: AJUDANDO CRIANÇAS NA SUPERAÇÃO DA SEPARAÇÃO

ADRIANA MÜLLER

Resumo


Esse artigo apresenta e discute uma possibilidade de intervenção em grupo fundamentada na Terapia Narrativa, especificamente com a aplicação da metodologia “Ritmos da Vida”. Os participantes desse projeto foram crianças e adolescentes entre 7 e 12 anos, filhos de pais separados, divididos em dois grupos que se reuniram semanalmente ao longo de 8 semanas visando a construir um território de identidade seguro para que eles pudessem falar sobre suas dificuldades e encontrar respostas às suas dúvidas. A metodologia se mostrou adequada para esse grupo e proporcionou resultados positivos tanto para as crianças quanto para as testemunhas externas – aquelas pessoas que participaram do processo –, gerando ressonância em todos os que ouvem as músicas.


Palavras-chave


ritmos da vida, terapia narrativa, metodologia, música

Texto completo:

PDF

Referências


Cano, D.S., Gabarra, L.M., Moré, C.O., & Crepaldi, M.A. (2009). As transições familiares do divórcio ao recasamento no contexto brasileiro. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22 (2), 214-222.

Denborough, D. (2002). Community song writing and narrative practice. Clinical Psychology, 17 (2). Recuperadoem 22, agosto, 2009, em http://www.dulwichcentre.com.au/community-song-writing.html

Denborough, D. (2008). Práticas narrativas coletivas: trabalhando com indivíduos, grupos e comunidades que vivenciaram traumas. (A. Müller,

Trad.). Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications.

Epston, D. (1998). ‘Catching up’ with

David Epston: a collection of narrative practice-based papers published between 1991 & 1996. Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(2), 379-394.

Freeman, J., Epston, D., & Lobovits. (1997). Playfull approaches to serious problems: narrative therapy with children and their families. New York, NY: Norton.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hack, S.M.P.K., & Ramires, V.R.R. (2010). Adolescência e divórcio parental: continuidades e rupturas dos relacionamentos. Psicologia Clínica 22, 85-97.

Madigan, S. (2011). Narrative therapy. Washington, DC: American Psychological Association.

Monk, G. (1997). How narrative therapy works. In: G. Monk, J. Winslade, K. Crocket, & D. Epston. Narrative therapy in practice (pp. 3-31). San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Müller, A. (2012). Ritmos da Vida. Recuperado em 02 março, 2012, de http://narrativetherapyonline.com/moodle/course/view.php?id=16

Müller, A. (2012). Troca de cartas no time da vida: um bate-bola construtivo. Nova Perspectiva Sistêmica 42, 42-56.

Nunes-Costa, R.A., Lamela, D. & Figueiredo, B. (2009). Adaptação psicossocial e saúde física em crianças de pais separados. Jornal de Pediatria, 85 (5), 385-396.

Piaget, J. (1996). Os procedimentos da educação moral. In: L. Macedo (org.), Cinco estudos de educação moral (pp. 1-36). São Paulo: Casa do Psicólogo. (Trabalho original publicado em 1930).

Ramires, V.R.R. (2004). As transições familiares: a perspectiva de crianças e pré-adolescentes. Psicologia em Estudo, 9 (2), 183-193.

Raposo, H., Figueiredo, B., Lamela, D., Nunes-Costa, R.A., Castro, M.C. & Prego, J. (2011). Ajustamento da criança à separação ou divórcio dos pais. Revista de Psiquiatria Clínica, 38 (1), 29-33.

Schneebeli, F.C.F., & Menandro, M.C.S. (2012). Com quem os filhos ficarão? Representações sociais da guarda de filhos após a separação conjugal. Vitória: Flor&Cultura.

Souza, R.M. (2000). Depois que papai e mamãe se separaram: um relato dos filhos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16 (3), 203-211.

Travis, S. (2003). Construções familiares: um estudo sobre a clínica do recasamento. Tese de Doutorado não-publicada, Departamento de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ.

White, M. (2007). Maps of narrative practice. New York, NY: Norton.

White, M. (2011). Narrative practice: continuing conversation. New York, NY: Norton.

White, M. & Epston, D. (1990). Narrative means to therapeutic ends. New York, NY: Norton.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia