O Facebook como espaço de construção social: reconstruindo as narrativas sobre o câncer de mama

Luisa Gonçalves Santos, Andréia Chagas Pereira Bonotto

Resumo


De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama representa a quinta causa de morte por câncer em geral e a causa mais frequente de morte por câncer em mulheres. Nesse contexto, à luz da Terapia Narrativa e do Construcionismo Social, o presente trabalho buscou investigar de que forma o uso do Facebook pode ajudar as pessoas a enfrentarem o adoecimento por câncer de mama, estabelecendo-se como ferramenta para mudanças de uma narrativa sobre a doença. Para tanto, foram analisadas as postagens públicas de três fanpages no Facebook, bem como os comentários deixados em cada postagem. Os dados revelaram que as autoras participantes têm escolhido se distanciar dos antigos estigmas carregados pelo câncer e ressignificar o seu processo de tratamento, ampliando as possibilidades de construção e reconstrução de narrativas.

Palavras-chave


câncer de mama, facebook, terapia narrativa

Texto completo:

PDF

Referências


Centro de Terapia Narrativa. Práticas Narrativas. Disponível em: http://www.terapianarrativa.com.br/praticas.html. Acessado em: 20 de novembro de 2013.

Gergen, K. J., Gergen, M. (2010). Construcionismo Social: um convite ao diálogo. Trad. Gabriel Fairman. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Grandesso, M. (2011). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

IDGNow. Brasil já é o 4º país em uso do Facebook e o que mais cresceu em 2011. 04 de Janeiro de 2012. Disponível em: http://idgnow.uol.com.br/internet/2012/01/04/brasil-ja-e-o-4o-pais-em-uso-do-facebook-e-o-que-mais-cresceu-em-2011/. Acessado em: 03 de setembro de 2013.

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil/programa_controle_cancer_mama/conceito_magnitude. Acessado em: 03 de Setembro de 2013.

Leitão, C. F., Nicolaci-da-Costa, A. M. (2001). Psicologia clínica e informática: por que essa inusitada aproximação? Psicologia Clínica Pós-Graduação e Pesquisa (PUC/RJ), Rio de Janeiro, 421-430. Disponível em: < http://www.psi.puc-rio.br/download/pdf/Ana%20Maria%20Nicolaci-da-Costa.pdf >. Acessado em: 08 de abril de 2014.

Minayo, M. C. S., Sanches, O. (1993). Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 9 (3): 239-262, jul/set. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/02.pdf>. Acessado em: 08 de abril de 2014.

Morgan, A. (2007). O que é terapia Narrativa?: uma introdução de fácil leitura. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas.

Maluf, M. F. de M., Mori, L. J., Barros, A. C. S. D. (2005). O impacto psicológico do câncer de mama. Revista Brasileira de Cancerologia; 51(2): 149-154. Disponível em: . Acessado em: 10 de julho de 2014.

Phillipis, B. S. (1974). Pesquisa social: estratégias e táticas. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora.

Ramos, B. F., Lustosa, M. A. (2009). Câncer de mama feminino e psicologia. Rev. SBPH, Rio de Janeiro , v. 12, n. 1, jun. Disponível em . Acessado em: 28 julho 2014.

Sallowicz,M. (2013). Acesso à internet no Brasil cresce, mas 53% da população ainda não usa a rede. Folha de São Paulo Online, Rio de Janeiro, 16 de maio. Disponível em: . Acessado em: 03 de setembro de 2013.

Sá-Silva, J. R., Domingos de Almeida, C., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociaais, 1, 1-15.

Santana, J. J. R. A., Zanin, C. R., Maniglia, J. V. (2008). Câncer: enfrentamento e apoio social. Paidéia, 2008, 18(40), 371-384. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/paideia/v18n40/13.pdf>. Acessado em: 23 de julho de 2014

SILVA, J. A. L. da. (2013). Os 50 sites mais acessados do Brasil, segundo o site Alexa. InfoMoney, São Paulo, 13 de Setembro de 2013. Disponível em: http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/gadgets/noticia/2961393/sites-mais-acessados-brasil-segundo-site-alexa. Acessado em: 10 de outubro de 2013.

Silva, L. C. da. (2008). Câncer de Mama e Sofrimento Psicológico: Aspectos Relacionados ao Feminino. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13,n. 2,p.231-237,abr./jun. 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722008000200005&script=sci_arttext>. Acessado em: 27 de novembro de 2013

Venâncio, J. L. (2004). Importância da Atuação do Psicólogo no Tratamento de Mulheres com Câncer de Mama. Revista Brasileira de Cancerologia; 50(1): 55-63. Disponível em: . Acessado em: 25 de novembro de 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.