Cuidado Vigilante: diálogo construtivo e responsabilidade relacional em contexto de violência familiar.

Marlene Marra, Haim Omer, Liana Fortunato Costa

Resumo


Esse texto tem como objetivo apresentar o conceito de Cuidado Vigilante (CV) como uma proposta de intervenção em contextos de violência familiar e como objetivo secundário, refletir sobre o CV como uma forma de aproximação, de um diálogo construtivo das narrativas familiares e suas vivências de abuso sexual, contrapondo a crença ancorada na violência como solução educativa e evidenciando a questão da responsabilidade relacional. O CV consiste em um enfoque psicoeducativo, uma perspectiva teórica e prática que evidencia os efeitos positivos do conhecimento dos pais sobre a vida dos filhos em situação de risco, resultando em confiança e diálogo mútuos. O CV difere das tentativas de monitoramento e busca aumentar a presença dos pais na vida dos filhos.  Essa proposta combina vigilância e presença afetiva positiva dos pais garantindo a segurança da criança ou adolescente em situação de risco, através de sua presença imediata. O Construcionismo Social apresenta-se como uma referência na articulação do CV com as abordagens relacionais e conversacionais para os contextos interventivos.

Palavras-chave


violência, construcionismo social, comportamento de cuidado da criança, família, responsabilidade social

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. (2010). Conversação, Linguagem e possibilidades. Um enfoque pós-moderno da terapia. São Paulo: Editora Roca.

Ben-Arieh, A., & Haj-Yahia, M. M. (2006). Geography of Child Maltreatment in Israel: Findings From a National Data Set of Cases Reported to the Social Services. Child Abuse & Neglect, 30 (13), 991-1003.

Bruschini, C. & Ridente, S. (1994). Família, casa e trabalho. Cadernos de Pesquisa, 88, 30-36.

Bakhtin, M. (1981). The dialogic imagination. Holquist Austin: University of Texas Press.

Costa, M. C. O., Carvalho, R. C., Santa Bárbara, J. F. R., Santos, C. A. S. T., Gomes, W., & Sousa, H. L. (2007). O perfil da violência contra crianças e adolescentes segundo registros de Conselhos Tutelares: vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência e Saúde Coletiva, 12(5), 1129-1141.

Cunningham, A. (2009). A escuta de crianças abusadas sexualmente para compreensão do processo de auto-revelação. In L. C. A. Willians & E. A. C. Araújo (Orgs.). Prevenção do Abuso sexual infantil: Um enfoque interdisciplinar (pp.89-103). Curitiba: Juruá.

Deblinger, E., & Helfin, A. H. (1996). Abuso sexual infantil. In F. M. Dattilio & A. Freeman (Orgs.). Estratégias cognitivo-comportamentais para intervenção em crise: tópicos especiais (pp.229-253). São Paulo: Editorial Psy.

Diniz, G. R. S. (2009). O casamento contemporâneo em revista. In T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: permanências e rupturas (pp. 135-155). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Esber, K.M. (2009). Autores de violência sexual contra crianças e adolescentes. Goiânia: Cânone Editorial.

Faleiros, V. P. & Faleiros, E. S. (2007). Escola que protege: enfrentando a violência contra criança e adolescente. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

Gallego, S. U. (2006). Comunicación familiar: un mundo de construcciones simbólicas y relacionales. Manizales: Editorial Universidad de Caldas.

Gergen, K.J. (1999). An invitation to social construction. London: Sage.

Gergen, K.J. (2006). Construir la realidad: el futuro de la psicoterapia. Barcelona: Paidós.

Gergen, K. J. & Gergen, M. (2010). Construcionismo social: Um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Giddens, A. (2005). O mundo em descontrole: O que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro: Record.

Habigzang, L. F. & Caminha, R.M. (2004). Abuso sexual contra crianças e adolescentes: Conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Habigzang, L. F. & Koller, S. H. (2011). Abuso sexual contra crianças e adolescentes: Aspectos conceituais e estudos recentes. In L. F. Habigzang & S. H. Koller (Org.). Intervenção psicológica para crianças e adolescentes vitimas de violência sexual: manual de capacitação. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Habigzang, L. F., Streber, F., Corte, F. D., Hattzenberger, R., Cunha, R. C. Ramos, M., & Koller, S. H. (2007). Integrando os cuidadores, a rede e os terapeutas: potencializando a melhora clínica de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. In M. L. P. Leal, M. F. P. Leal, & Libório, R. M. C (Orgs.). Tráfico de pessoas e violência sexual (pp. 263-274). Brasília: Violes/Ser/Universidade de Brasília.

Hoffman, L. (2001). Family Therapy.New York: WWW Norton & Company.

Jablonski, B. (2011). O país do casamento segundo seus futuros habitantes: pesquisando atitudes e expectativa de jovens solteiros. In T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia (pp.27-42). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lebowitz, E. R., Omer, H., Holly. H., & Lawrence, S. (2013). Parent Training for Childhood Anxiety Disorders: The SPACE Program. Cognitive and Behavioral Practice 21(4), 456-469.

Marra, M. M., Omer, H. (2015). : Cuidado vigilante: cambios para familias en situación de abuso sexual. Manuscrito submetido para publicação. Madri: Revista Psychosocial Intervention

McNamee, S., & Gergen, J. K. (Orgs.). (1998). A terapia como construção social. Porto Alegre: Artes Médicas

Ministério da Saúde (2002). Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço (Cadernos de Atenção Básica nº 8, série A). Brasília: Ministério da Saúde.

Moura, A. T. M., & Reichenheim. M. E. (2005). Estamos realmente detectando violência familiar contra a criança em serviços de saúde? A experiência de um serviço público do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 21(4),1124-1133.

Moura, A. C. A. M., Scodelario, A. S., Camargo, C. N. M. F., Ferrari, D. C. A., Mattos, G. O. & Miyahara, R.P. (2008). Reconstrução de vidas: Como prevenir e enfrentar a violência doméstica, o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes. São Paulo: SMADS (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social)/SEDES Sapientae.

Omer, H. (1997). Intervenções críticas em psicoterapia: Do impasse ao início da mudança. Porto Alegre: Artes Médicas.

Omer, H. (2004). Nonviolent Resistance: A new approach to violent and self-destructive children. New York: Cambridge University Press.

Omer, H. (2011). The new Authority: Family, school an community. New York: Cambridge University Press.

Omer, H., Schorr-Sapirb. I., & Weinblatt. U. (2008). Non-violent resistance and violence against siblings: the Association for Family Therapy. Journal of Family Therapy, 30, 450–464.

Omer H, Steinmetz S. G., Carthy, T., & von Schlippe A. (2013). The anchoring function: parental authority and the parent-child bond. Family Process, 52(2), 193-206.

Penso, M. A. & Neves, V. L. (2008). Abuso sexual infantil e transgeracionalidade. In M.A. Penso & L. F. Costa (Orgs.). A transmissão geracional em diferentes contextos: da pesquisa à intervenção. São Paulo: Summus.

Ramos, M. C. R. (2010). Mães de meninas vítimas de abuso sexual: aquilo que não se pode dizer. Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade Católica de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Rasera, F. E., Guanes, C., & Japur, M. (2004). Psicologia, ciência e construcionismo: Dando sentido ao Self. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(2), 157-165.

Santos, S. S. (2011). Uma análise do contexto de revelação e notificação do abuso sexual: A percepção de mães e de adolescentes vítimas. Dissertação de Doutorado não publicada. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Santos, V. A., Costa, L. F. & Granjeiro, I. A. C. L. (2009). Intervenção no abuso sexual intrafamiliar: Ingerência invasiva ou proteção devida. Psico, 40(4), 516-524.

Santos, S. S., & Dell’Aglio, D.D (2009). Revelação do abuso sexual infantil: Reações maternas. Psicologia Teoria e Pesquisa, 25 (1), 85-92.

Santos, S. S, Pelisoli, C., Dell’Aglio, D. D. (2012). Desvendando segredos, padrões e dinâmicas familiares no abuso sexual. In L.F. Habigzang & S.H. Koller. (Orgs.). Violência contra crianças e adolescentes: Teoria, pesquisa e prática (pp.55-69). Porto Alegre: Artmed.

Shotter, J. (1993). Conversational realities. Londons: Sage.

UNICEF. (2012a). Situação mundial da infância 2012: Crianças em um mundo urbano. Recuperado em 27 de novembro de 2012, de http://www.unicef.org/brazil/pt/PT-BR_SOWC_2012.pdf.

UNICEF. (2012b). Together for girls: sexual violence fact sheet. Recuperado em 05 de março de 2013, de http://www.unicef.org/protection/files/Together_for_Girls_Sexual_Violence_Fact_Sheet_July_2012.pdf.

Zeira, A., Astor, R. A., & Benbenishty, R. (2002). Sexual harassment in jewish and arab public schools in Israel. Child Abuse & Neglect, 26(2), 149 -166.

White, M. (2002). Reescribir la vida: entrevistas y ensayos. Barcelona: Gedisa

White, M., & Epston, D. (1993). Medios narrativos para fines terapeuticos. Barcelona: Paidós.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia