A responsabilidade relacional como recurso para o uso do dinheiro nas relações familiares

Ana Luiza Poletto, Andreza Maria Neves Manfredini, Marilene Grandesso

Resumo


O objetivo deste trabalho foi refletir, a partir da experiência clínica, de que maneira o olhar da responsabilidade relacional pode ser um recurso para as famílias atuais lidarem de forma satisfatória com as questões econômicas, como uma forma de promover o respeito entre os membros. Se considerarmos que uma família configura um espaço de convivência, compartilhando significados sobre os acontecimentos da vida, o aprendizado dos filhos no uso do dinheiro, pode ser construído no diálogo e compromisso com valores comuns. A partir de nossa experiência com famílias envolvidas em situações dilemáticas no que se refere ao uso do dinheiro, consideramos a importância da responsabilidade relacional na construção de uma convivência de respeito e legitimação da voz de cada membro. Como conclusão, destacamos a importância do diálogo, e nos colocamos no lugar de terapeutas a fim de criar condições favoráveis para conversas em que todos os membros tenham voz e sintam-se respeitados.


Palavras-chave


família, educação financeira, construcionismo social e responsabilidade relacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. & Goolishian, H.A. (1988). Human system as linguistic systems: preliminar and envolving ideias about the implications for clinical theory. In: Family Process. (Vol. 27, Issue 4, pp. 371–393).

Bauman, Z. (1999). Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: J. Zahar. pp.87-93.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. (1a ed). Rio de Janeiro: J. Zahar.

Camaro-Borges,C. , Mishima, S. & McNamee, S. (2008). Da autonomia à responsabilidade relacional: explorando novas inteligibilidades para as práticas de saúde. (Vol. 1, No. 1, pp. 8-19). Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia.

Corradi-Webster, C.M. (2014). Ferramentas teórico-conceituais do discurso construcionista. In: Guanaes-Lorenzi, C. et al. (Orgs.). Construcionismo social: discurso, pratica e produção de conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: Instituto Noos.

Duque, A. M. & Manfredini, A. M. N. (2002). Dinheiro e Família: a opinião dos pais sobre a educação financeira dos filhos. Monografia para o Curso de Bacharelado em Psicologia, Universidade de Taubaté, Taubaté.

Duque, A. M. & Manfredini, A. M. N. (2003). Compreendendo o significado do dinheiro para os pais. Monografia para Formação em Psicologia, Universidade de Taubaté, Taubaté.

Ferreira, V. R. M. A contribuição da Psicología Econômica – trajetória e perspectivas de trabalho. Recuperado em 12 de Outubro de 2006, de www.verarita.psc.br/portugues.php?id=art_psico2.

Giddens, A. (1991). As consequências da modernidade. (2a ed). São Paulo: UNESP.

Grandesso, M. (2000). Para uma epistemologia da Pós Modernidade. In: M. Grandesso. Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Guimarães, C. M. B. (2007). O meu, o seu e o nosso: o processo de construção conjunta do “compromisso financeiro” do casal de dupla carreira na fase de aquisição do ciclo vital. Dissertação de Mestrado, Psicologia Clínica núcleo de Família e Comunidade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Madanes, C. & Madanes, C. (1997). O significado secreto do dinheiro...e como ele atua nas famílias despertando amor, inveja, compaixão e raiva. (S. M. D. L. Figueiredo, trad.). Campinas: Editorial Psy.

Manfredini, A. M. N. (2007). Pais e filhos: um estudo da educação financeira em famílias na fase de aquisição. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica no núcleo de Família e Comunidade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Martins, D. Assunto dinheiro ainda é tabu em família, mostra pesquisa. Recuperado em 24 de janeiro de 2015, de http://www.valor.com.br/financas/3923876/assunto-dinheiro-ainda-e-tabu-em-familia-mostra-pesquisa

Meirelles, V. M. (2012). Atitudes, crenças e comportamentos de homens e mulheres em relação ao dinheiro na vida adulta. Tese de Doutorado, Psicologia Clínica no núcleo de Família e Comunidade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

McNamee, S. & Gergen, K.J. (1999). Relational Responsibility: Resources for Sustainable Dialogue. Thousand Oaks, California: Sage.

McNamee, S. (2014). Construindo conhecimento/ construindo investigação: coordenando mundos de pesquisa. In: C. GUANAES-LORENZI et al. Construcionismo social: discurso, prática e produção de conhecimento. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Modena, C. (2013). Falta de uso da educação financeira faz crescer número de endividados. Recuperado em 20 setembro de 2014, de http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2013/05/falta-de-uso-da-educacao-financeira-faz-crescer-numero-de-endividados.html

Poletto, A. L. T. (2013). Autonomia e iniciação profissional de adultos jovens: o papel da família de origem. Monografia para o curso de especialização em Terapia de Casal e Família, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Price, D.L. (2001). Terapia do dinheiro. Editora Best Seller: São Paulo.

Raaij, W. F. V. História da Psicologia Econômica. (V. R. M. Ferreira, trad.). Recuperado em 12 de Outubro de 2006, de www.verarita.psc.br/portugues.php?id=fredvanraaij

Santos, A. R. & Carmo, R.O. (2012). Família, afeto e finanças: como colocar mais dinheiro e amor em seu lar. São Paulo: Editora Gente.

Tobias, A.M.N.M. & Cerveny, C.M.O. (2012). Educação financeira na família – como falar de dinheiro com crianças. São Paulo: Roca.

Tomm, K. Co-constructing responsibility. (1999). In: S. McNamee & K. J. Gergen. Relational responsibility; resources for sustainable dialogue. (Chap. 12, pp. 129-138). Thousand Oaks: Sage.

Webley,P. & Nyhus, E.K. (2006). Parent´s influence on children´s future orientation and saving. (Vol. 27, pp. 140-164). Special Issue: Economic Socialization. Journal of Economics Psychology.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos Rio e São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia