A compreensão sistêmica do funcionamento familiar cujo pai é superenvolvido: discussão de caso em psicoterapia familiar

Rovana Kinas Bueno

Resumo


Este estudo objetivou compreender sistemicamente o funcionamento de uma família em que o pai é superenvolvido. Realizou-se um estudo de caso de psicoterapia familiar, com base na análise dos 19 atendimentos de terapia familiar sob a perspectiva sistêmica. Verifica-se que são inúmeros os fatores que podem contribuir para que o pai se envolva com sua filha, dentre eles, pode-se destacar a influência da família de origem, a alta disponibilidade de tempo do pai por estar aposentado, a relação conjugal conflitiva e a sintomatologia da filha. A vida da família girava em torno da filha e sua encoprese. Constata-se que o superenvolvimento paterno advinha mais da impossibilidade do pai de discriminar suas próprias necessidades das da filha, bem como de num desvio das tensões da relação conjugal. Assim, um superenvolvimento paterno nem sempre pode ser considerado positivo, fazendo-se necessário considerar o contexto no qual o mesmo ocorre. 


Palavras-chave


Relações Familiares, funcionamento familiar, paternidade, relações pai-filho, envolvimento paterno

Texto completo:

PDF

Referências


Andolfi, M. (1996a). O encontro terapêutico como um espaço de diagnóstico e mudança. In A linguagem do encontro terapêutico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andolfi, M. (1996b). O triângulo como unidade mínima de observação. In A linguagem do encontro terapêutico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andolfi, M. (1996c). Perguntas, definições e hipóteses relacionais. In A linguagem do encontro terapêutico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Boing, E. (2014). Relações entre coparentalidade, funcionamento familiar e estilos parentais em uma perspectiva intergeracional (Tese de doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bossardi, C. N. (2011). Relação do engajamento parental e relacionamento conjugal no investimento com os filhos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bossardi, C. N. (2015). Envolvimento e interações paternas com filhos de 4 a 6 anos: Relações com os sistemas parental e conjugal (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Bossardi, C. N., & Vieira, M. L. (2010). Cuidado paterno e desenvolvimento infantil. Revista de Ciências Humanas, 44(1), 205–221.

Bowen, M. (1978). Family Therapy in Clinical practice. New York: Jason Aronson.

Bowen, M. (1979). De la familia al individuo: la diferenciacion del sí mismo en el sistema familiar. Barcelona: Paidós.

Bueno, R. K. (2014). Relações entre envolvimento paterno com filhos adotivos e estrutura familiar (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bueno, R. K., Souza, S. A. de, Monteiro, M. A., & Teixeira, R. H. M. (2013). Processo de diferenciação dos casais de suas famílias de origem. Psico, 44(1), 16–25.

Cabrera, N. J., & Bradley, R. H. (2012). Latino Fathers and Their Children. Child Development Perspectives, 0(0), 1–7. doi:10.1111/j.1750-8606.2012.00249.x

Dessen, M. A. (2010). Estudando a família em desenvolvimento: desafios conceituais e teóricos. Psicologia: Ciência E Profissão, 30, 202–219.

Gabriel, M. R. (2012). Transformações no envolvimento paterno ao longo dos seis primeiros meses do bebê na creche (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Gabriel, M. R., & Dias, A. C. G. (2011). Percepções sobre a paternidade: descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia, 16(3), 253–261. doi:10.1590/S1413-294X2011000300007

Gomes, H. M. dos S., & Pereira, M. G. (2014). Funcionamento familiar e delinquência juvenil?: A mediação do autocontrolo. Análise Psicológica, 4(XXXII), 439–451.

Kerr, M., & Bowen, M. (1988). Family Evaluation. New York: W.W.Norton & Company.

Lamb, M. E. (1997). Fathers and child development: an introductory overview and guide. In The role of the father in child development (3 ed., pp. 1–18). New York: John Wiley & Sons, Inc.

Lamb, M. E., Pleck, J. H., Charnov, E. L., & Levine, J. A. (1985). Paternal Behavior in Humans. American Zoologist, 25, 883–894.

Lima, A., Serôdio, R., & Cruz, O. (2009). O envolvimento do pai no processo desenvolvimental dos filhos: Uma abordagem intergeracional. Psicologia: Revista Da Associação Portuguesa de Psicologia, 23(2), 87–101.

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Moré, C. L. O. O., & Crepaldi, M. A. (2012). O mapa de rede social significativa como instrumento de investigaçao no contexto da pesquisa qualitativa. Nova Perspectiva Sistêmica, 43, 84–98.

Schober, P. S. (2012). Paternal child care and relationship quality: a longitudinal analysis of reciprocal associations. Journal of Marriage and Family, 74(2), 281–296. doi:10.1111/j.1741-3737.2011.00955.x

Simões, R., Isabel, L., & Maroco, J. (2010). Paternal involvement in a group of fathers of elementary school children. Psicologia, Saúde & Doenças, 11(2), 339–356.

Skowron, E. A., Stanley, K. L., & Shapiro, M. D. (2009). A longitudinal perspective on differentiation of self, interpersonal and psychological well-being in young adulthood. Contemporary Family Therapy, 31, 3–18.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2010). Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência (9 ed.). Campinas: Papirus.

Wagner, A., Predebon, J., Mosmann, C., & Verza, F. (2005). Compartilhar tarefas? Papéis e funções de pai e mãe na família contemporânea. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 21(2), 181–186.

Wagner, A., Tronco, C., & Armani, A. B. (2011). Os desafios da família contemporânea. In A. Wagner & Colaboradores (Eds.), Desafios psicossociais da família contemporânea: pesquisas e reflexões (p. 208). Porto Alegre: Artmed.

Wendt, N. C., & Crepaldi, M. A. (2008). A utilização do genograma como instrumento de coleta de dados na Pesquisa Qualitativa. Psicologia: Reflexão E Crítica, 21(2), 302–310.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2 ed.). Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos Rio e São Paulo.

É indexada pelo Clase, pelo Latindex, pela BVS-PSI, pelo PePSIC e tem conceito B3 no Qualis.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia